Avenida da Doçura
Sabrina Ternura
Tipo: Lírico
Postado: 28/06/16 19:40
Editado: 07/09/17 16:11
Gênero(s): Cotidiano Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 33seg a 45seg
Apreciadores: 23
Comentários: 15
Total de Visualizações: 654
Usuários que Visualizaram: 34
Palavras: 90
[Texto Divulgado] "A noiva" Com uma taça em mãos e olhar voraz, se flagrava confortável por não ter alguém ao seu lado prometendo o que não é capaz de cumprir. Observava a concentração do pianista, as velas agora já derretidas na bancada e o sorriso que iluminava o belo rosto da noiva.
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Avenida da Doçura

Ela era doce,

tinha gosto

de bala de canela.

Via a vida pela janela,

vivia inquieta

com esse mundo aquarela.

Calada em meio ao tumulto,

atormentava a calma

sem pena.

Ela era pequena,

mesmo assim transitava

naquele rio de almas.

Às vezes se assustava

com a monotonia

das pessoas que via.

Sentia que faltava vida

e por isso chorou,

pois sempre amou o cheiro de alegria.

Ela amava a vida

como uma amiga,

por isso tornou-se infinita.

A menina doçura

coloriu a avenida da tristeza

com a tinta da vida.

❖❖❖
Apreciadores (23)
Comentários (15)
Comentário Favorito
Postado 29/06/16 22:47

Geeeente, mas que poeminha mais lindo e doce foi esse? Eu adorei a estrutura que você utilizou, de ser 3x3, e principalmente da forma como as rimas foram utilizadas; deu um ar mais leve e delicado, como se fosse uma carícia do vento. Você não vê, mas sente ele inteiramente.

E por detrás de cada palavra há uma crítica à sociedade, ou melhor dizendo, a objetivação dela. De fato quando a maioria se pega na fase adulta (ou até mesmo na adolescência), a monotonia toma conta da vida. É tudo um preto e branco surreal, sem cor, sem vida... Sem aquela felicidade sentida igual na infância.

Não é de se estranhar que a nossa menininha tenha chorado. É triste vivenciar um momento e lugar na qual o cheiro de alegria é escassa. É mais triste ainda perceber o quão real essa situação é não só atualmente, mas durante todos esses anos que a humanidade existe.

Quem dera em nossa sociedade tivéssemos mais meninas e meninos doçuras por aí, com suas tintas da vida para colorir o mundo e deixá-lo mais lindo de se viver. Parabéns pelo lindo texto, moça! ♡

Postado 30/06/16 18:12

Fico muito feliz que você tenha gostado, mas principalmente por ter notado a realidade por trás do poema. Agradecida,moça ♡

Postado 28/06/16 19:46

Autobiográfico? hahahaha

Amorzinho demais. <3

Postado 28/06/16 20:20

Queria eu que fosse, rs.

Fico agradecida, querido! <3

Postado 28/06/16 23:56

Um belo poema senhorita. Gostei das rimas que ligam uma parte a outra sutilmente. Muito bom!

Postado 30/06/16 18:10

Obrigado, moço! c:

Postado 29/06/16 09:13

Ficou muito bom

Tá muito lindo mesmo!

Gostei!

Continue assim

Postado 30/06/16 18:10

Pode deixar, obrigado! <3

Postado 29/06/16 13:29

Que coisa fofa <3

Postado 30/06/16 18:11

Obrigadinho! <3

Postado 30/06/16 21:27

És nova por aqui? Bem vinda!

Menina, se teu sobrenome é ternura você faz juz! Que belíssimo poema! Que lindas rimas! To apaixonada :D

Acho que não lerei algo melhor hoje. Parabéns!

Postado 01/07/16 14:20

Sou nova sim, obrigada! c:

Ternura é meu pseudônimo,rs.

Fico muito feliz que tenha gostado <3

Postado 01/07/16 20:42

Moça que ternura em escrever, literalmente. Que fofo, perfeito. Como citaram ali em cima, você consegue passar certa sutileza aos leitores, mesmo que dentro das palavras haja críticas, o que é simplesmente único. Está de parabéns pelo belo texto!!! Espero ler mais textos seus por aqui!

Postado 01/07/16 21:13

Fico agradecida por tuas palavras,moça! <3

Postado 02/07/16 22:42

SHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH! PELAS TORTURAS DO INFERNO, EU SOU MUITO DOENTE!

Explico. Quando li este trecho:

"Ela amava a vida

como uma amiga,

por isso tornou-se infinita.

A menina doçura

coloriu a avenida da tristeza

com a tinta da vida."

Eu juro que imaginei essa protagonista toda meiga sendo atingida por um veículo de grande porte à toda velocidade e explodindo em inúmeros pedaços, tingindo tudo e muitos com a cor da vida... No caso, o vermelho-sangue fresco.... SHAHAHAHAHAHAHA!

Perdoe-me, Srta Sabrina, por transformar algo tão singelo e sublime em algo tão grotesco em minha mente deturpada (embora eu esteja rindo alto com tal ato escabroso)...

Parabéns e sucesso em sua jornada pelo lado terno da Vida e do site!

Atenciosamente,

Um ser que não vê NADA com bons olhos, Diablair.

Postado 03/07/16 14:39 Editado 03/07/16 14:40

Cada um tem seu ponto de vista, sendo bom ou ruim.

Fico agradecida, passar bem c:

Postado 20/07/16 18:18

Simplesmente, doce...

...apreciador, devo dizer.

Adorei!

Parabéns!

Postado 20/07/16 18:21

Fico feliz que tenha gostado. Agradecida, Henrique! <3

Postado 20/07/16 18:30

Não há de que, Sabrina!

Postado 25/07/16 02:48

Identifiquei-me bastante, moça.

Postado 25/07/16 13:41

Fico feliz, Bu c:

Postado 07/08/16 01:45

Que sincero, realmente poético.

Também muito verdadeiro, coloriu a realidade preto e branco em que vivemos.

Parabéns, muito bom :D

Postado 08/08/16 13:48

AAAAH, que graça de comentário! Obrigada, moça <3

Postado 19/11/16 13:44

Que doçura de poesia, Sabrina. Adorei.

Postado 20/11/17 22:42

Obrigada, Maria! <3

Postado 20/11/17 22:35

Esse, indubitavelmente, foi um dos poemas mais doces que já tive oportunidade de ler. Parabéns pelo excelente trabalho, Sabrina. Ele toca a todos que lêem.

Postado 20/11/17 22:42

Obrigada, srta.Murakami <3

Postado 30/05/18 00:12

To criando um carinho enorme pelos seus trabalhos, é uma leitura tão gostava, leve e as vezes reflexiva ♥

Da vontade de por tudo numa caixinha e guardar, ao mesmo tempo colar na testa ou sair planfetando por aí haha

Parabéns pelo trabalho maravilhoso!

Postado 05/06/18 22:13

Fico feliz, moça! E extremamente agradecida <3