Anônimo
Diablair
Tipo: Lírico
Postado: 07/10/16 21:21
Editado: 07/10/16 21:22
Gênero(s): Drama Reflexivo
Avaliação: 9.83
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 16
Comentários: 9
Total de Visualizações: 334
Usuários que Visualizaram: 24
Palavras: 173
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Anônimo

Chuva caindo

Olhos se esvaindo

Na madrugada

Que não acaba

Nuvens escuras

O céu acumula

Tal qual o tormento

Por dentro

A azul desaparece

A angústia cresce

Distante, cada trovão

Encobre a pulsação

Desta decomposição

Chamada coração

Erros cometidos

(Nada faz sentido)

Pessoas perdidas

(Incompreendidas)

(Feridas)

(Falecidas)

Percursos errados

(Desastres anunciados)

Tão pouco obtido

Ao longo do caminho...

(Sozinho)

Assim, resumidos,

Pesos imbutidos

No resto da alma:

Submersa, náufraga

No escorrer da lágrima

Nos gritos

(Suprimidos)

No som da chuva

Tão fria, tão pura

Desabando

(Me imitando)

Feito pranto

(Dói tanto...)

No meu corpo

Tão quente, tão morto...

Pensamentos

Sentimentos

Amálgama violento

Como o firmamento

Força da Natureza

Que vomita e pragueja

Assim como a consciência

(Inclemência)

Espiral descendente

Inclemente

Como a tempestade

E a saudade

E a infelicidade

(E a verdade)

Tudo fustigando

Transbordando

O que carrego

(Renego)

Como a sujeira da rua

E a que me inunda...

Que pena

Que o problema

É que cessa a chuva

Mas o Inferno continua

Como diria qualquer padre

"Até que a Morte os separe"...

❖❖❖
Comentários (9)
Comentário Favorito
Postado 09/10/16 16:56

Antes de exibir minha opinião em relação à obra, gostaria de dizer uma coisa: amo profudamente cada obra tua (mesmo que elas sejam macabras), porém suas poesias sempre são inovadoras e surpreendentes. Todas que tive o prazer de ler me encantaram profundamente.

Ao ler esta obra, senti uma horrível angústia. Um gosto amargo formou-se em minha boca, pois cada palavra trazia um tsunami de tristeza (acho que não posso mais ser a Sabrina Tristeza, pois tu está roubando meu posto). A intensidade de cada palavra exala um odor de frustação imenso que toca como uma faca a alma do leitor e este final, totalmente desolador, atravessa nosso corpo sem dó ou piedade. Gosto disto, pois, poderia ser somente mais uma obra cheia de palavras, mas não. Cada palavra carrega um peso e uma revelação, capaz de tocar o oculto de cada um de nós.

Não sei se foi intencional, mas a falta de pontuação passou-me a ideia de que cada palavra era dita com dificuldade, mas, ao mesmo tempo, tinham uma necessidade de serem ditas, apesar da dor que elas passam. A extensão do poema parece um desabafo feito por alguém bem magoado com toda a situação descrita.

Querido Diab, espero que saiba: tuas poesias são encantadoras e profundas. Admiro muito aqueles que tem o dom de tocar a alma com palavras.

Atenciosamente,

Um ser que o admira muito e espera que a tempestade passe.

Postado 11/10/16 09:26

Srta Sabrina... Estou impossibilitado até hoje de lhe responder à altura. A senhorita captou TUDO o que eu coloquei nestes versos... Tudo MESMO. E o privilégio de ter, através da exposição de toda essa... Coisa, tocado uma alma que considero tão linda e tão grandiosa... É inestimável para mim.

Sério. Estou muito feliz por tamanho feito. E mais ainda por estar aqui, Srta Sabrina. Por ter me permitido isso...

Muito obrigado por ter feito eu ganhar meu dia e por tamanha demonstração de respeito, carinho e apoio por alguém como eu... Muito, muito obrigado MESMO, de tudo o que me sobrou de coração!

Postado 08/10/16 21:29

Tocante e soa tragicamente verídico.

Adorei!

Postado 11/10/16 09:04

E o é, Srta Aline... E o é.

Muito obrigado, de todo o resto degradante de meu coração...

Postado 09/10/16 09:47

Pelas garras douradas do Leão rei

Estou encantada com seu texto

De novo!

Seu texto é incrível

Ele me passa algo místico e misterioso

Algo junto com uma tragédia tão grande

Estou surpreendida

Me encantou novamente

Me surpreendeu novamente

Seus textos são um dos meus favoritos

Parabéns Diab seu texto está incrível

Postado 11/10/16 09:09

Uau! Este comentário foi muito impactante! Sério, eu me sinto até aturdico com a palavra "místico"! Surpreendente são seus comentários, minha cara e querida leitora Gabi! Sou muito privilegiado por ter sua presença , carinho e apoio!

Muito obrigado, de todo o resto infecto de coração!

Postado 10/10/16 10:31

Que texto triste, de uma pessoa condenada a sofrer eternamente. Chegou a me abalar aqui...

Parabéns pelo texto, Diab. Tua obra é incrível e como utilizaste a chuva o deixou ainda mais intenso.

Postado 11/10/16 09:15

Não digo eternamente, posto que um dia a Morte chega... Mas, dadas as circunstâncias, o jugo/preço de tantas coisas mal feitas/não feitas/desfeitas é bem devastador mesmo...

Despedício define.

Muito obrigado e desculpe pela má impressão, monsieur LEcrivain...

Postado 10/10/16 21:45

Nossa, moço, que coisa triste. Chega até a ser um pouco agoniante de ler.

Muito bom! Principalmente a "imitação" com a chuva. Parabéns!

Postado 11/10/16 09:17

É apenas a verdade, moça... Só e infelizmente...

Muito obrigado, de todo o resto desse lixo cardíaco que retenho no peito..m

Postado 12/10/16 11:29

Sinceramente, esse foi um texto incrivelmente triste e torturante... um poema que transborda sentimentos de dor, sofrimento e angústia a cada infeliz linha...

Foi extremamente maravilhosa toda a construção da estrutura, todas as belamente melancólicas palavras usadas...!!

Parabéns querido Diablair... <3

Gostei muito da intensidade e profundidade dessas palavras...!

Um enorme abraço, de uma criatura que gosta muito de você... Meiling...

Postado 12/10/16 15:01

Ao menos, existem breves momentos/eventos excepcionalmente gratificantes e privilegiados... Como a ocasião em que a conheci, Srta Meiling.

Muito obriggado por todo o carinho, apoio e presença nos meus textos e na minha vida. De todo o pouco coração podre e infecto que me resta...!

Postado 12/10/16 23:37 Editado 13/10/16 00:14

Há sim, é preciso dizer... tuas palavras bailam numa tristeza tão encantadora e fatidica que trás para consigo uma magnetude explendorosa. Excelente poesia meu caro. Palmas e mais palmas para ti.

Postado 13/10/16 00:06

Quão belas, gentis e gratificantes me foram estas palavras, Srta Maria... Um verdsdeiro bálsamo para o que resta de mim aqui nesse âmago inutilizado e imundo...

Muitíssimo obrigado... Gratíssimo...

Postado 18/10/16 16:34

E, mesmo que não quiséssemos, mesmo que nos perdêssemos em qualquer preguiça salvadora, ainda participaríamos da poesia (dessa poesia de morte, desse uivo que você solta, meu caro, desse destino, dessa pura falta de escolha) apenas para melhor nos aniquilarmos, ainda nos aniquilarmos, quando já não sobrasse coisa alguma...

Vá para o inferno, meu amigo, com todo o respeito. Isso está fantástico.

Postado 21/10/16 22:23

Meu Mestre, amigo e Irmão... Roubaste minhas palavras de uma forma que somente uma pessoa fez... E bem sabemos quem foi. Satan, como o senhor pode ser tão dolorosamente parecido?!

Decerto não há de mensurar o quanto o senhor me deixou aturdido, honrado e agradecido/agraciado agora! Todavia, humilde e intensamente lhe agradeço de todo o meu maldito e ignóbil coração...

Muito, muito obrigado. Sério. De verdade...

Postado 14/02/17 15:42

Como de costume, naturalmente submergida, nessa caos digno de ser lido por Deus e o mundo. Tu deve estar me vigiando, suas palavras, elas me conhecem e me contorcem tão bem... Vamos ser melhores amigos?

Postado 28/02/17 02:36

Primeiramente, perdão por não ter respondido antes, devo ter apagado a notificaçåo por engano. Segundo... Eu é que me vejo submergido na grandiosidade da tua escrita e pessoa, Srta Janeiro... Praticamente no leito do Abismo.

Sejamos! Sejamos até mais!

Gratíssimo, gratíssimo!