As facetas de um ser esférico #2
Raphael de Sá
Tipo: Lírico
Postado: 07/06/17 12:09
Gênero(s): Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 1
Comentários: 0
Total de Visualizações: 71
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 207
Livre para todos os públicos
Capítulo Único As facetas de um ser esférico #2

Essa nostalgia dentro de mim que se alastra daqui até Alaska

De minha força só sobrou uma lasca

Que me fala que o tempo é de lascar e das certezas só tenho uma: Dor não é biodegradável.

Saudoso que sou

Vejo a Saudade que vou

Algum belo dia Sentir

da saudade que passou.

Finjo coçar as costas

Para não perceberem

Que se eu fingir o que vocês sentem no tato

Vou ser feliz com esse abraço e só.

Tento pensar no futuro há ser alcançado

Para sair do limbo bilateral do passado

Como a certeza que o sol há de nascer

o futuro é a soma do que fui,logo fui vetado.

O tempo que tanto fiz passar a toa

Agora passeia no passado ,humilhado.

O tempo que tanto tentei parar por um ser

Me para com uma estaca em meu peito só para ser lembrado.

O mal que nos leve

Para o caminho do bem

Que a alienação seja breve

Não congestionando o tempo que tem.

A lembrança, como posso esquecer-me dela...

Minha conhecida há anos, desde que sou menino

Sempre que a visito, sua irmã infante, chuta minha canela

Por eu deslembrar de sua moradia ali por um instante

Mas recordo-me de súbito com seu chute..

❖❖❖
Notas de Rodapé

Espero que gostem rs

Apreciadores (1)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!