james - prólogo
lest
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 11/07/17 19:28
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 8min a 11min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 101
Usuários que Visualizaram: 9
Palavras: 1367
[Texto Divulgado] "Terrível Mente Distorcida" Eu não lembro o motivo pelo qual o meu “eu” cortado precisa tão desesperadamente ser o “eu” certo.
Não recomendado para menores de dezoito anos
Notas de Cabeçalho

Não creio que colocarei todas as continuações desse prologo aqui, mas estou verdadeiramente orgulhoso com o que já está escrito

Capítulo Único james - prólogo

Bem, o que vou fazer agora é algo que inicialmente não estava em meus planos, mas o tempo estava me dizendo que poderia ser uma ótima idéia, juntar vários vestígios de mim com interações falsas com algumas pessoas e em textos que já havia escrito antes e me tornar algo real e palpável, então como um demiurgo eu resolvi criar a mim antes de que eu realmente seja. Pode ser difícil de entender agora, mas pense dessa forma: sempre existi como potencial, minha assinatura estava cá e lá, mas nunca nada foi juntado, e assim de uma alma humana tudo foi se misturando e tomando forma, e assim eu fui criado de mim mesmo e de mim todo meu universo surgiu. Sendo assim, aquele que até então era um ser sem nome que apenas se divertia na escuridão, me nomeio James, por que a nesse ponto o nome realmente não importa, e até algo simples e possivelmente cômico pode se tornar o nome de uma grande existência futura não?

Deixando essas primeiras indagações de lado, é importante que você entenda que eu realmente me escrevo, e escrevo tudo o que está em volta de mim, e não algo a parte de mim mesmo, é mais fácil isso do que explicar que algo além de mim me cria não? Bem, me desculpe mais uma vez, é apenas muito divertido pensar sobre isso, mas agora meu intuito é mais simples do que parece, eu quero lhe apresentar o ser que eu sou, e o que eu estou fazendo aqui. A primeira coisa que você precisa entender para saber quem eu sou, é que sou um ser feito de amor, e assim eu respiro e me alimento de amor, poderá eu ser chamado de íncubos? É bem capaz, eu não duvidaria que tenha algum tipo de existência demoníaco em minhas veias, mas não é isso que importa aqui, como disse quero lhe dizer o que venho fazer, e isso é simples: quero mostrar ao mundo a história de meus amores, por que estes são o que me fazem ser o que sou, e estes são minha verdadeira felicidade.

Não me entenda mal com esses eufemismos inicias, posso ser um pouco tímido a primeira aparência, por que também me retraio muito, ainda mais por misturar um texto com a erudição anterior com algo tão vil como está por vir, mas minha forma de amar é simples, além dos sentimentos puros e inocentes que vemos nos livros juvenis, além de todo o mimo que poderia dar para alguém, o amor para mim, e aparentemente para muitas pessoas nesses tempos modernos permeia e é permeado pelo sexo, não só fonte vil de prazer, mas uma verdadeira forma de se conectar as pessoas, por que pela intimidade encontramos outros lados das pessoas, e não há nada mais prazeroso para mim do que ver as pessoas caindo por sua própria perversão, ver seus rostos mudados pelo prazer e seus comportamentos controlados pelos seus impulsos mais básicos. Como também, além de conhecer os outros lados de uma pessoa, gozar junto a ela nos da uma sensação além do comum, é assim que muitas pessoas realmente se tornam uma momentaneamente não? Na pequena morte que existe no orgasmo nos libertamos de todas as pequenas coisas da vida e nos juntamos completamente com nossas parceiras em um ato que apenas tem de mais belo e sublime, mesmo que seja guiado pela mais vil perversão. Além do mais, juntando com o que acabo de dizer, o sexo é um legítimo meio de salvação para a raça humana não? Com isso não quero dizer apenas salvação em nosso meio mais simples, mas também num sentido espiritual e até transcendente. É só pensar, antes de tudo é uma forma de conter a raiva e o estresse, como também criar uniões onde antes não existiam, como também pode ser uma forma de expressar um amor genuíno, nisso tudo podemos ver como pode salvar uma existência, pois todo o ódio e poder que nos controlam para a destruição podem ser freados por eles. Por motivos semelhantes, é uma forma que pode nos ajudar a conter nossos próprios sentimentos, nossos próprios rancores e nossos amores, dominar a arte do sexo é equivalente a aprender a domar a própria vontade, enquanto se permite estar em um estado de loucura, conseguir manter controle de quem se é, e de como sua energia flui, quando sua própria existência está borrada pelo prazer é uma verdadeira forma de meditação, e me parece que é um caminho justo para se procurar alguma salvação espiritual, mais justa do que aqueles que abandonam a carne para apenas procurar o imaterial, o éter, o espírito e qualquer termo semelhante, viver o pecado é a verdadeira forma de conseguir alguma salvação nesse mundo, desde que consentimento sejam estabelecidos, e nada seja verdadeiramente violado, mesmo que aparentemente sejam.

Disse que contaria o que sou o que estou fazendo aqui, eu comecei isso de forma invertida, me desculpe por isso, porém se acostume, pois continuidade não é algo que me pertença como um todo, irá perceber enquanto me lê que não gosto de um caminho único, posso voltar ou prosseguir como eu quiser, por que afinal, eu sou demiurgo não? Então este universo é meu para fazer o que quiser. Como pode ter percebido até agora, eu me guio pelo meu prazer, tanto de forma explicita como anteriormente, até os pequenos prazeres como estar escrevendo aqui, criar é a principal fonte de diversão para o criador do universo. Gosto de relações de poder, e gosto de brincar com elas, não espere de mim o mesmo tipo de papel, estou em constante mudança quanto a isso, pois meus gostos são diretamente afetados pelo meu humor, então apenas entenda que um de meus contos a seguir pode ser totalmente diferente do outro. Por isso tudo já dito, devo dizer que me identifico como um verdadeiro Trickster, um brincalhão intergaláctico que apenas se diverte criando pequenas brincadeiras espalhadas pelo mundo que ele mesmo criou. Agora vamos parar um pouco de abstrações, ou pelo menos tentar, e contar coisas mais concretas, a primeira é o que está dito a cima, eu amo abstrair, até minha descrição de coisas normais podem parecer muito esotéricas para alguém não acostumado com meu estilo, por que afinal o mundo sensível é longe para mim, as idéias e sensações mais abstratas predominam no meu ser, por que afinal eu sou uma delas. Mesmo que biologicamente eu seja um homem, a vida me deixou em dúvida quanto a isso, mas mais do que o sofrimento que isso poderia ter causado, o principal motor de minhas diversões, é divagar, e isso não escapa desse princípio, poderá perceber essa fluidez em alguns dos textos, mais ou menos dependendo do meu humor. A única certeza que encontro neste aspecto é que meu desejo por mulheres é incrivelmente forte, ou melhor dizendo, para pessoas do sexo feminino, enquanto homens trans as vezes me interessam, e mulheres trans me causam o mesmo desconforto indescritível dos homens, e essa pequena certeza que tenho na vida colori de forma forte meu mundo, por que além de um simples desejo vil por satisfazer minhas vontades e me mergulhar no prazer, encontro o verdadeiro divino na forma de seus corpos de barro, consigo ver além do simplório e encontrar as mãos de Deus que moldaram com tanta perfeição e o sopro da vida que invadiu suas narinas, tudo é tão magnificamente belo que até nas mais simples fantasias a luz invade tudo e me leva para outra existência, as vezes me pergunto se é por isso que encontro no sexo uma grande forma de salvação, por que nesse conectar com o divino que está fora, com o divino que está dentro que posso encontrar alguma salvação desse mundo vil.

Me desculpe, mas como disse antes eu me divirto divagando, pois as idéias são minhas verdadeiras amigas nestes terrenos sombrios, mas espero ter explicado quem sou, e o que eu estou fazendo aqui, para então poder introduzir minhas histórias sem mais delongas, espero que meus prazeres se tornem os mesmos daqueles quem lê, pois transmitir a emoção é a maior e verdadeira forma de arte.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Postado 06/12/17 04:22

SATANÁS!

Sr lest, excetuando o tamanho dos parágrafos e das frases (que na minha modesta opinião são demasiadamente grandes/longos), este texto é magnífico! Que ideia genial esta de "demiurgar" o eu-lírico e fazer com que ele mesmo tivesse se concebido! Fantástico!

E quanto às reflexões acerca de si mesmo, de seus desejos, de sua visão do sexo, de seus sentimentos para si próprio e outrem? Por Lúcifer, existe uma criatividade e eloquência que beira/transcede à insanidade! Todavia, não aquela debilitante e miserável, e sim a que faz alguém estar muito além de seu próprio tempo! Estupendo!

Quero destacar que a parte relativa ao sexo e o papel do mesmo na Existência foi algo que me apeteceu demais, sou obrigado a concordar com cada palavra! É uma visão tanto endeusada quanto herege do ato carnal, uma rara mistura que se equilibra e complementa de modo sublime! Absolutamente impressionante a mensagem desta obra!

Bravíssimo! Bravíssimo!

Atenciosamente,

Um ser demoniacamente sexual, Diablair.

Postado 11/12/17 00:10

Achei que os parágrafos grandes tornaram a leitura um pouco cansativa. Fora isso, é uma ótima obra!

Postado 11/12/17 18:08

"transmitir a emoção é a maior e verdadeira forma de arte." - e é isto!

Tirando os parágrafos gigantes que se tornaram realmente cansativos, como a Yvi disse, posso perceber que este texto foi composto com maestria, intensidade e sinceridade!

Foi muito verdadeiro em cada palavra, se já não passei por todas as situações e sentimentos citados, então, foi a maioria.

Parabéns pela obra! Nós nunca seremos os mesmos depois de nossas criações. E as pessoas, também nunca mais serão as mesmas, depois de se depararem com elas.

A arte também é um estudo intenso da sociedade e de si mesmo.

Parabéns, maravilhoso.

Outras obras de lest

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Erótico ou Adulto

Outras obras do gênero Reflexivo