Sintonia Ensolarada (Em Andamento)
Flo
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 06/08/17 10:11
Editado: 06/08/17 10:23
Gênero(s): Aventura Drama Reflexivo
Qtd. de Capítulos: 1
Cap. Postado: 06/08/17 10:11
Cap. Editado: 06/08/17 10:23
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 59
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 361
Não recomendado para menores de catorze anos
Sintonia Ensolarada
Notas de Cabeçalho

Eu tinha tentado postar na Spirit Fanfics porém não deu repercussão, então aqui estou.

Capítulo 1 Prólogo

Todos os dias, um menino doente, sentado em sua cama de madeira, sentia o cheiro das flores em plena primavera, invadirem o quarto, dançando pelos ares e empestando o aglomerado de casas com aquele perfume suave e doce. Tudo na mesma monotonia, o menininho poderia ouvir o carpinteiro serrar as tábuas e o sapateiro englorar canções natalinas. Uns outros meninos brincavam alegremente pela estrada de chão, não importando se a suas condições estavam perfeitas ou não.

Dona Helena, mãe do menininho doente, havia lhe feito uma promessa faz muito tempo; quando chegasse a primavera, poderia deixar aquela cama para brincar por três únicos dias. Por este breve motivo, o garoto encheu-se de uma euforia contagiante, logo após, uma crise de tosses violentas, alastrou-se pelo ar da casa, atirando o menino no chão. Joelhos fracos e pernas bambas não segurariam o impulso de sua doença. Helena afastou os cabelos do rosto do rapazinho. Pequenas mechas encaracoladas escorriam de seu cabelo cor de mel.

Um sorriso apareceu nos lábios de Dona Helena, por mais que sejam apenas por alívio, inspirou o menino a continuar. Queria conhecer o mundo à fora. Por enquanto, a mãe apenas permitiu olhar o exterior mais atentamente pela janela da sala principal (o casebre só tinha três salas, bem pequenas) que o garoto nunca visitava, suas crises de tosses sempre lhe venciam, trazendo dor para suas cordas vocais e pulmões.

A casa de madeira era rústica e escura, a varanda com duas poltronas de balanço eram mais do que velhas. Não que isso signifique que as outras casas sejam luxuosas, a Vila do Rio sempre fora simples, porém havia algo especial em sua paisagem; todos pareciam ser frutos das árvores altas e frondosas.

O menino deu poucos passinhos, colocou-se na ponta dos dedos e apoiou a base do queixo na madeira que pendia a janela. Observou um mundo muito bonito, farto de flores e cores lindas, um gramado verdejante e vários lavradores sentados em beira rio jogando conversa fora. Virou-se de imediato para sua mãe, ela assentiu, com lágrimas finas nos olhos e o garoto deixou a casa, apreciando tudo que tinha direito, mas foi tomado por sua doença.

❖❖❖
Notas de Rodapé

A capa ta feia mas vai assim mesmo

Apreciadores (2)
Comentários (1)
Comentário Favorito
Postado 06/08/17 12:13 Editado 06/08/17 12:15

Antes de mais nada, preciso dizer que tenho uma paixão imensa por histórias tristes, por doenças incuráveis, e amores correspondidos mas que não podem se concretizar...!

E essa sua história já me fascínou desde o início Srta. Flo!!!

Senti uma Onde de amor por esse menino doente... e também por sua triste mãe...

Me parece que está história vai ficar cada vez mais maravilhosa!!!!

P.S: A capa está extremamente bonita!!! E amei a frase "talvez as árvores sejam lindas mesmo" <3

Um abraço! Meiling!

Postado 06/08/17 13:34

Agradecendo o comentário, é muito bom receber incentivos e elogios.

Fico muito feliz que você tenha gostado! Eu também gosto muito de ler/escrever histórias tristes, parece que temos algo em comum <3

Estou escrevendo o segundo capítulo que será postado em breve, obrigada mais uma vez por ler a minha história... E gostar da minha capa :)