Um pouco dos poucos que vivo e escrevo. (Em Andamento)
Scheffer
Usuários Acompanhando
Tipo: Antologia Poética
Postado: 22/01/17 12:13
Editado: 06/08/17 11:41
Tags: tempo
Qtd. de Capítulos: 10
Cap. Postado: 06/08/17 11:41
Avaliação: 9.7
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 17
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 324
Livre para todos os públicos
Um pouco dos poucos que vivo e escrevo.
Notas de Cabeçalho

Depois de algum tempo, eu voltei! :)

S-A-U-D-A-D-E, "palavra triste?!" é proeza e também dor, uma síntese de seu valor...

Capítulo 10 Saudade

O nome é proveniente do Brasileiro,

Mas é sentimento que vaga o mundo inteiro!

E ao tentar traçá-la,

Desperta-me velozmente do imo

Adentra o pensamento e coração

E difunde-se pelo corpo com branda ilusão.

Saudade é o fazer sofrer da alma

E quando invocada

Faz-se ligeira na chegada.

E quando vinda à tona

Mesmo que por uma ingênua descrição

Machuca, fere sem qualquer afeição.

Saudade é quando nossa consciência íntima entoa,

Ao lembrar daquele gesto, daquele toque, daquela pessoa,

fazendo apontamentos palpitarem à toa.

Saudade é buscar alento nos sentidos

Ouvir vozes distintas sem um eco entoado

É repassar imagens como metragens

É sentir o toque sem ser tocado

É inspirar aromas sem odor algum

É contradizer com o cotidiano mesmo com tanto em comum.

Saudade é o poder que entra em cena

E instiga talentos da imaginação

É o atiçar de nossas frágeis carcaças

Fazendo-nos sentir a opressão estomacal

Fazendo oprimido, o pobre coração, de forma colossal

Fazendo a adrenalina exceder em nossas veias de maneira desigual

Causando-nos alucinógena comoção descomunal.

Saudade é o tentar atenuar pelo sonhar,

É fornecer alento para a vontade

Através da lembrança...

Tornando-nos ingênuos como criança.

Saudade é não poder tanger e vivenciar,

Apenas recordar.

Está sempre engatilhada

E mostra-se feroz quando invocada

A qualquer momento,

Visitando-nos através de um objeto,

Um lugar, sempre pelo indireto.

E para o desespero rotineiro

Não há tempo derradeiro

Aparece-nos o ano inteiro...

Saudade é o pressagiar

E às vezes, resulta-nos o chorar.

É o sentir e não poder possuir

É o querer e não poder viver

É a consciência do passado

Aguerrido, desbravado!

que aparece quando precisamos de atenção.

Vem, fornece-nos alento

E de brinde toda a emoção

Para reviver, despertar, chorar,

Amar e perdoar...

Mas faz bem em vir para amenizar.

É a saudade que comprova que amamos

Que nos importamos e retira-nos

Do modo inconsciente, mostrando-nos carentes

Da necessidade de gente,

Interligando sonhos, com um falso futuro à frente.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Hey, esse tem até um vídeo rolando no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=oSQnWn1_GHo caso tiver interesse, confere lá!

OBRIGADA PELA LEITURA <3

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 09/08/17 19:26

A saudade é tudo isso mesmo. Que nem a gata que eu tinha e morreu, juro que eu posso imaginar e até sentir o cheiro do pelo dela às vezes. Infelizmente são coisas que vão se apagando com o tempo, mas as lembranças sempre permanecem ali, se acumulando dentro da gente.

Uh, eu amo aquela música do Nando Reis (Por onde andei, versão com a Cachorro grande), mas parece que ela sempre alfineta a gente! Kkk. É incrível.

Gostei muito da sua poesia! Todos sentimos saudades :P