Maremotos (Terminado)
Alien
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 13/09/17 16:27
Editado: 13/09/17 18:54
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 13/09/17 18:44
Avaliação: 9.76
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 57
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 584
[Texto Divulgado] "Auto-sabotagem " Ás vezes as coisas simplesmente não dão certo.  E às vezes nem houveram chances para que desse.  
Não recomendado para menores de catorze anos
Maremotos
Capítulo 10 Capítulo 10

Zumbi. As pessoas podem mentir na sua cara, lhe dar uma surra, escorchá-lo. Só que nada vai doer, perturbar e perpetuar por tanto tempo, quanto o pensamento de que você pode estar ficando maluco. Porque isso é ser o nada, não ter ao menos a própria razão.

Pareceu literalmente o fim da linha. Eu realmente me sentia um morto vivo, deixando que essa terrível dúvida corroesse o meu ser. Não bastava me sentir estranho, tinha que ser louco? Àquele dia foi um dos piores da minha vida, sem sombra de dúvidas. Durante a noite eu esperava rever o vulto, mas nenhum sinal de fantasmas foi notado por mim ou inconscientemente anunciado pela minha família.

No dia seguinte eu estava sentado na mesa da cozinha lendo o jornal e tomando um copo de suco de uva, meu predileto. Eram duas da tarde e, sozinho em casa, eu aproveitava para fuçar a respeito de Luiza sem ser na internet e muito menos com perturbação. Meses após o acontecido, ainda não havia nenhuma novidade no caso, só que o primo dela permanecia preso numa cidade próxima a capital. Ela morara para aqueles lados antes de morrer ao se jogar do alto do prédio onde morava, no município vizinho, se não me engano. Doía muito pensar que ela tirara a própria vida ou que nunca tivesse compartilhado seu sentimento comigo. Poxa, nós não éramos amigos?...

A verdade é que depois do acontecido eu nunca mais acreditei em amizade. Possuía os meus parceiros de longa data, que vez ou outra lembravam de mim quando não se tratava de futebol ou festas. Mas aquele negócio de conversar com alguém diariamente e tal, havia morrido dentro de mim. Hoje eu gosto de pensar naquilo como uma autodefesa natural contra o sofrimento, já que essas pessoas sempre vão embora e nos deixam tristes. Só que ninguém consegue ter plena consciência de humanidade quando permanece muito tempo sozinho, a solidão torna as pessoas egoístas. Não por uma questão de maldade, mas sim pelo "modo automático" desenvolvido durante o tempo solitário.

Alguns dias depois, meu aniversário chegava e o tão esperado início das aulas na faculdade também. Cada vez que eu me lembrava da segunda, bufava e revirava os olhos de estresse. O curso de Direito tomaria boa parte do meu tempo livre e isso reduziria bastante os meus momentos de ócio na internet. Mas a rotina nova também fazia acender em mim uma nova fagulha de esperança quanto a felicidade. Quem sabe eu não me destacava no curso e me tornava um advogado muito bem sucedido? E inspirando-se nessa ilusão, quando chegou o dia, eu estava muito animado . Ao anoitecer, entrei no ônibus como quem entra na sua própria limousine pela primeira vez. Típico de calouro.

Já no campus, chato como só eu conseguia ser, me recusei a participar dos trotes. Aquele negócio de não ser aceito pelos outros não me importava, eu só não queria ter que participar de algo que eu considerava babaquice.

Como em todos os primeiros dias, foi uma noite tediosa e chata, eu não conhecia ninguém na turma e só fiquei quieto no fundo da sala balançando a minha caneta. Quando desci no ponto de ônibus já era bem passado das onze da noite. A minha casa estava toda escura e silenciosa quando tirei a chave do bolso e a abri. Quando liguei a luz, vários gritos de "Surpresa!" me fizeram quase pular de susto.

Mas quando vi uma Luiza sorrindo e tremeluzindo ao fundo, eu realmente desmaiei.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Comentário Favorito
Postado 14/09/17 22:45

Olha aí um ato bom! Finalmente! Recusar o trote. Sério, aquilo é um inferno! Eu fiquei com glitter grudado até na minha alma e o troço não saiu nem depois de uma semana. Chega a ser mais assustador que o vulto que ele viu.

Beleza, alguém definitivamente precisa chamar aquele exorcista! O mais rápido possível. u_u

#ad01 - 095/154

Postado 17/11/17 13:54

Hahaha eu não entendo como funcionam esses trotes. Mas, realmente, eu posso imaginar como deve ser um inferno se livrar de glitter D:

Coitado dele hahahahaha.

Postado 30/11/17 16:03

Coitado do Thiago! Não basta tudo o que está acontecendo, ele tem que ser perturbado por assombrações (ou seria por seus próprios pensamentos?).

Acredito que, mesmo ele e Luiza sendo amigos, acho que essa situação toda não seja algo fácil de se contar. É importante compartilhar, mas imagino que ela tenha sentido medo de ser julgada ou de que ago pior acontecesse a ela (e talvez ao amigo). A questão é que nunca vamos saber (eu acho) os motivos para ela ter escondido isso. E é mais do que compreensível ele não querer mais amigos depois do ocorrido.

Festas supresas me deixam tão contente, mas acho mais agradável quando elas não tem fantasmas.

Parabéns pelo capítulo!

Postado 03/12/17 14:58

Isso fica a critério de cada um.

Pois é, não há como saber. São muitos motivos mesmo! Pra começar, é algo que vai afetar toda a família, é muita pressão...

Somos duas kkkk

Obrigada!

Postado 05/12/17 18:30

JESUS MARIA JUSÉ

Que vidinha complicada a dele!

Nunca fiquei num impasse tão grande de amor, ódio e empatia pelo mesmo personagem. Por mais que eu saiba que tu não o criou para que ele fosse um impasse...

Parabéns, não canso de dizer isso!