Maremotos (Terminado)
Alien
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 13/09/17 16:27
Editado: 13/09/17 18:54
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 13/09/17 18:46
Avaliação: 9.76
Tempo de Leitura: 3min a 5min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 48
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 627
[Texto Divulgado] "Auto-sabotagem " Ás vezes as coisas simplesmente não dão certo.  E às vezes nem houveram chances para que desse.  
Não recomendado para menores de catorze anos
Maremotos
Capítulo 11 Capítulo 11

"Thiago, meu Deus, meu filho! Acorda!"

Sob os gritos histéricos de minha mãe, eu me recordo de ter acordado deitado no sofá com dezenas de olhares assustados me encarando. A luz da sala me cegava e eu enfiava o braço na frente da cara enquanto meu pai me ajudava a sentar. Ainda meio tonto, minha cabeça doía quando eu tentava me lembrar os últimos acontecimentos. Um copo de água me foi entregue e eu bebi alguns goles o segurando com as duas mãos, porque eu estava tremendo.

As lembranças foram voltando à minha mente e então comecei a olhar para todos os lados desesperado. Era Luiza? Ela ainda 'tava na sala? Realmente, eu andava vendo fantasmas pela casa? "É agora que vão me dopar de vez", pensei enquanto abaixava a cabeça e ignorava todas as perguntas que me faziam.

"Ele andou comendo muito pouco, deve ser anemia. Amanhã mesmo eu o levo consultar!" De novo, minha hipocondríaca mãe se manifestou. Não contestei e nem resmunguei porque era melhor ir a um médico que dizia que eu tinha de carência de ferro do que a um que insinuava que eu tinha parafusos soltos.

O que eu queria mesmo naquele outro dia era tomar café da manhã e ficar no computador, mas as coisas nunca são exatamente como a gente quer. Então apenas procurei apagar temporariamente a aparição da minha cabeça e curtir o que haviam preparado para mim naquela noite. "Vocês fizeram brigadeiro?" Perguntei com olhos pidões na direção de Talita. "Claro, bobinho! Achou mesmo que tu só ia ganhar presente e ser esquecido? A gente sempre comemorou!"

Acabei sorrindo com o comentário de minha irmã e ela me ajudou a levantar. Então Jonathan, gritando qualquer frase louca, ligou a música. Das caixas de som do Home theater, começou a tocar uma das minhas músicas preferidas da banda Engenheiros do Hawaii: Depois de nós. Todos já haviam se convencido de que tinha sido só um susto, aí da cozinha vieram minhas tias trazendo bolo, salgadinhos e docinhos para uma mesa desmontável que meu pai tinha colocado no meio da sala. Os móveis estavam fora de lugar e arrumados de modo com que todo mundo tivesse onde sentar. A vibe no ambiente era incrível e fazia eu me sentir amado pela minha família, como há tempos não ocorria. Logo arrumaram a mesa, abaixaram a música e começaram a cantar parabéns pra mim.

Envergonhado, eu mexia as mãos e olhava reto para o nada, meu típico olhar vazio. Mas ao contrário das outras vezes, nessa era apenas desconforto. Porque por dentro, me sentia vivo e grato por terem realmente lembrado do meu aniversário.

Quando acabou, meus velhos amigos vieram me cumprimentar, meus tios e primos (meus avós já eram todos falecidos) me dar abraços e algum presente. A música voltou a animar o ambiente e tocava alguma canção do Cazuza. Meu cunhado tinha até providenciado músicas que eu gostava e que não faria ninguém reclamar. Se ele tivesse posto heavy metal, eu duvidava muito que todos no ambiente estivessem tão alegres. A festinha continuou por mais ou menos uma hora, porque a maioria trabalhava no dia seguinte.

Quando na casa só restara os devidos moradores, meu pai disse que podíamos ir dormir porque já era tarde e que podíamos arrumar as coisas no dia seguinte. Cansado, obedeci rapidamente e quando deitei na cama logo apaguei.

De manhã cedo acordei logo depois das oito e fui direto pro banheiro tomar banho. O meu corpo quente exigia do chuveiro uma temperatura que deixava o cômodo cheio de fumaça e embaçava todos os vidros.

E foi no espelho da pia, que algo ou alguém havia se aproveitado disso para me dar outro susto: de modo tremido e escrito numa letra desleixada, lia-se "parabéns".

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Comentário Favorito
Postado 14/09/17 22:52

Nada melhor que um médico te passando comprimidos de ferro depois de você ter desmaiado por ver sua "namorada fantasma". Chega a ser reconfortante.

Brigadeiro é a segunda melhor parte da festa para mim! A primeira são os maravilhosos docinhos de leite! *----*

Espelho, fumaça, mensagem... A coisa começou a ficar bem mais interessante agora! Assustadora, sinistra e interessante. Quero realmente saber aonde isso vai parar.

#ad01 - 096/154

Postado 17/11/17 13:58

Eu acho que é a segunda porque eu amo bolo. Mais precisamente, eu amo certo tipo de merengue que eles geralmente usam nos bolos hahaha.

Aquela garota é Lúcifer.

Postado 30/11/17 16:09 Editado 30/11/17 16:10

Eu só sou a mãe dele gritando no começo do capítulo, rs. Mas, enfim, pelo menos ele teve uma festa surpresa e conseguiu aproveitar. O que me deixou ainda mais feliz foi ele ter se sentido amado e contente por toda sua família estar lá.

E olha só essa Luiza causando tumulto, genteeeeeeeee! Super normal chegar na sua festa surpresa e encontrar sua falecida ex-namorada lá para cantar parabéns! NORMAL! Quem nunca, não é mesmo?

Esse finalzinho do capítulo me deixou arrepiada. Adoro histórias assim, mas é bizarro o que está acontecendo com esse guri!

Parabéns pelo capítulo!

Postado 03/12/17 15:01

Hahaha a mãe dele ama muito o filho <3 de seu jeito neurótico, pelo menos.

Esse é um ponto chave, ele sentir-se amado.

Gente, medonho demais.

Obrigada!

Postado 05/12/17 18:33

Eu sempre quis ter uma festa surpresa... Mas essa com fantasmas e desmaios eu dispenso! HAHAHAH

Se bem que, de desastrada que sou, eu faria pior.

Parabéns, cada vez mais cativante!