Maremotos (Terminado)
Alien
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 13/09/17 16:27
Editado: 13/09/17 18:54
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 13/09/17 18:47
Avaliação: 9.76
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 56
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 558
[Texto Divulgado] "Terrível Mente Distorcida" Eu não lembro o motivo pelo qual o meu “eu” cortado precisa tão desesperadamente ser o “eu” certo.
Não recomendado para menores de catorze anos
Maremotos
Capítulo 12 Capítulo 12

"O que são aparições" era o que eu pesquisava naquele início de tarde após o meu aniversário.

De manhã, tinha ido consultar e o médico me solicitara alguns exames que eu faria na semana seguinte. A casa já havia sido organizada e limpada, então eu podia ficar em paz no meu quarto.

Antes daqueles acontecimentos, jamais passara pela minha cabeça a ideia de "seres do outro mundo" rondando alguém de verdade. Não que eu fosse completamente descrente, só não via motivo algum para acreditar em relatos de pessoas que podiam estar fazendo aquilo tudo apenas para aparecer, ou então em vídeos e fotos facilmente editados.

A gente sempre costuma imaginar que alguém que vê fantasmas tem probleminhas na cabeça, essa é a verdade. E talvez esse seja um dos maiores atos de burrice de muitos seres humanos, acreditar cegamente em todos os lados negativos.

Mas isso eu ainda me recusava: assumir que estava louco. Porque era isso que a maioria das pessoas diziam sobre pessoas que "viam" fenômenos paranormais. Até hoje eu me pergunto o que realmente é ser louco ou depressivo, porque ambas denominações parecem se fundir às vezes. Se eu estivesse mesmo depressivo, já não teria tentado suicídio, cedido aos remédios ou tido surtos?! Porque eu jamais havia tentado ou tido essas coisas.

Suicídio era algo que soava bem interessante para mim às vezes. Só que também me lembrava de Luiza e o quanto eu sentia a falta dela; eu não era egoísta o suficiente para deixar uma cambada de gente triste apenas por um capricho meu. A garota havia tido problemas de verdade, sofrido. Mas e o Thiago? Ah, ele era um bebezão sensível que achava que para ser feliz a vida deveria ser um conto de fadas sem nem ao menoster vilões.

A verdade é que não havia problemas na minha vida que pudessem me deprimir antes de Luiza, não tinha motivos concretos para eu escrever coisas deprimentes. Mas absolutamente tudo me perturbava, como se em todos os problemas do mundo, eu tivesse uma parcela de culpa e deveria consertá-los.

Não entrava na minha cabeça a ideia de me conformar com o imutável. E ao mesmo tempo, eu não tinha esperanças de que qualquer ação minha viesse a fazer alguma diferença. Aí eu acabava nada fazendo e continuava deprimido, esperando que algum estalar de dedos mágicos transformasse a sujeira toda num paraíso tropical. Essa era a dura realidade, a pedra no meu caminho era a indecisão, falta de atitude, falta de fé em si próprio. Não os outros.

Só que mesmo já tendo plena consciência disso, eu sabia que sempre acabaria na mesmice de um jeito ou de outro. Por isso eu bufava enquanto abria o primeiro site.

Muito esquisito, não tinha como eu acreditar naquilo. Era mais fácil pensar que eu estivesse simplesmente sob pressão e minha mente havia me criado aquelas peças, numa saudade desesperadora, esperança de ver Luiza. Mas eu precisava pagar para ver.

Comecei a ler todos os artigos que me pareciam interessantes, olhar vídeos, filmes, documentários, relatos, tudo que aparentemente não tinha um fundo cético. Também comecei a "dar chance para o azar", momentos de solidão e escuridão me causavam medo e adrenalina, e eu os preferia a todo custo.

Mas passou um dia, uma semana, um mês, um bimestre da faculdade... e nada de paranormal havia acontecido novamente.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Comentário Favorito
Postado 14/09/17 23:04

É como o Johnny Depp falou: Loucura é só uma questão de ponto de vista.

O problema do Thi é que ele sabe o que está acontecendo, mas prefere ficar parado e esperar a solução chegar até ele. E para piorar ele ainda sabe que essa bendita não tem pernas e que se ele não tentar encontrar, nunca vai conseguir se curar.

Pode até ser meio sinistro o que eu vou dizer e tals, mas talvez, bem lá no fundo, ele goste da atual situação dele e prefira viver desse jeito. #corre

#ad01 - 097/154

Postado 17/11/17 14:02

Ah, mas isso é verdade! Não precisa correr não kkk. É aquela coisa de estar acomodado... acontece muuuito em casamentos.

Ele tá esperando mesmo.

Postado 30/11/17 16:16

A gente nunca entende a loucura, até viver ela na pele. E a gente nunca acredita em fantasmas, até um aparecer na nossa festa de aniversário para cantar parabéns. É engraçado como precisamos ver para crer em certas coisas.

Eu concordo com a Flávia sobre o quanto o Thiago é acomodado com as situações. Ele vê o mundo explodindo sobre sua cabeça, mas continua mesmo assim. Ele é aquele tipo de pessoa que gosta de deixar tudo para depois. Depois que o mundo explodir, aí sim, ele deicide tomar alguma providência. Vai ver o guri tá perturbado por causa da faculdade, afinal, quem faz Direito e continua com os neurônios no lugar? KKKKKKKKK

A concepção de suicídio dele foi a coisa mais sensata que ocorreu até o momento (depois do pão com ovo após o término do namoro, rs). Pelo menos ele entende que não é a solução e que existem outras alternativas, desde que estejamos dispostos a agir.

Parabéns pelo capítulo!

Postado 03/12/17 15:06

Falou tudo!

É, realmente. É como se ele tivesse preso numa bolha. E talvez não quisesse furá-la.

Ainda não conheci ngm kkk

Sim, só lhe falta a tal da atitude né hahaha

Obrigada!

Postado 05/12/17 20:23

Já passei por fases da vida em que eu via muitos vultos e ouvia barulhos e rostos saindo das paredes (que coisa, não?).

Mas era uma fase igual a que ele está agora, perdido... Desolado... A partir do momento em que comecei a me conhecer, me amar e estar bem resolvida com o mundo à minha volta, essas coisas desapareceram.

Nós somos o vulto que nos assombra de noite.

E é isto.

Interessante capítulo, espero do fundin da alma que ele possa se amar também.