Maremotos (Terminado)
Alien
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 13/09/17 16:27
Editado: 13/09/17 18:54
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 13/09/17 18:53
Avaliação: 9.76
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 82
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 453
[Texto Divulgado] "Arco e flecha" Se por um acaso você caiu aqui de paraquedas, saia enquanto é tempo. Não estou de brincadeira e nem quero ver crianças chorando e fracos se chocando com o que vou contar. Essa é minha história, e sim eu sou aquele que assustou e ainda vai assustar a todos vocês.
Não recomendado para menores de catorze anos
Maremotos
Capítulo 16 Capítulo 16

Veja bem, a minha situação é frustrante.

Eu quero ficar sozinho e me fazem companhia. Eu quero companhia e todo mundo vai lá puta que pariu e me deixam jogado sem nada interessante a fazer. Não tem internet, deu problema e os caras simplesmente não vieram arrumar. Minha mãe ainda me entregou uma pilha enorme de folhas entre conteúdo, revisões e trabalhos da faculdade para fazer. O Thiago que vivesse a base de conteúdos chatos, televisão e remorso.

Marcos tinha vindo me visitar em casa, parecendo arrependido e sem graça, me assegurando que, se alguém tinha culpa na história toda, essa pessoa era ele. Comunicou também que o carro tinha seguro, que os outros ocupantes também estavam bem, que isso seria apenas lembrança de uma noite ruim. Para eles, só pode.

Luiza, Luiza da minha vida. Sua doce voz penetrara meus ouvidos naquela noite de forma tão melódica quanto um piano e tão perturbadora como um mosquito. Querer fugir e também ouvir mais um pouco. Sorrir extasiado e chorar como uma criancinha ferida. Em meio ao desejo de não ter te conhecido eu também penso que a minha vida teria sido em vão de alguma maneira, sem razão aparente. Como se eu fosse um mar e necessitasse de maremotos para viver.

Acho que chamam de catatonia isso de estar preso no corpo imerso em sentimentos e totalmente alheio ao mundo exterior. Desligado, eu não senti que meus olhos estavam úmidos e que me minha face estava torcida em agonia. Mas ela viu.

Kelly me olhou chocada e ficou parada imóvel por alguns instantes, só visualizando a mutação da minha expressão em pânico total. Então ela fechou a porta com calma atrás de si e veio até mim, me dando um abraço.

Compreensão e carinho. O olhar dela era como comer um pedaço de chocolate, tranquilizante e acolhedor. Sentada na beira da minha cama ela não parecia disposta a sair sem saber de tudo e tentar me ajudar. Juro que não sei o que se passava na minha mente naquele instante, mas chega um ponto em que a carga emocional negativa começa a pesar dentro de você. Então eu contei tudo pra ela, tudo mesmo. Desde as minhas conversas com Luiza, os textos que me serviam de alívio, minha relação com a mãe, as fases e o desfecho de tudo: como eu havia gostado de estar com ela e o que havia acontecido comigo no acidente.

Por um momento eu esperei alguma reação ensaiada, algum daqueles discursos prontos de ajuda a perturbados, que iniciavam com uma frase de entendimento, seguida de toda uma conversa motivacional. Só que quando eu falei "é isso", tive todos os meus ossos apertados num abraço.

Eu não estava sozinho.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Comentário Favorito
Postado 14/09/17 23:50

Até agora esse é o meu capítulo favorito. O Thi mostrando os sentimentos totalmente para alguém. Finalmente, né?

"Como se eu fosse um mar e necessitasse de maremotos para viver."

O que dizer? Eu realmente não sei. Queria muito falar alguma coisa, mas não sei exatamente o que dizer sobre. Só sei que eu amei isso!

#ad01 - 101(dalmatas)/154

Postado 17/11/17 14:14

Deve ser sufocante viver confinado em si mesmo :/

Aaaah <3 que bom que gostou!

Postado 30/11/17 17:18

101(dalmatas) KKKKKKKKKKKKKKKKK, desculpa, mas eu ri!

Postado 30/11/17 22:54

Foi mais forte que eu!

Postado 30/11/17 17:17

Essa parte: "Luiza, Luiza da minha vida. Sua doce voz penetrara meus ouvidos naquela noite de forma tão melódica quanto um piano e tão perturbadora como um mosquito. [...] Como se eu fosse um mar e necessitasse de maremotos para viver.", me deixou maravilhada!

BMW, com seguro...gente, será que eu quero ser adotada pela família do Marcos? Será que ainda da tempo de me colocar dentro de um cesta e ir para a frente da casa deles? Brincadeira, rs.

Por mais que eu já esteja shippando a Kelly e o Thiago, sinto que esses dois serão grandes amigos! Ainda bem que ele tem a ela para compartilhar seus temores internos. Talvez, Luiza tenha o "atormentado", porque ele precisava descobrir novamente o real significado da amizade e, de alguma forma, seguir em frente!

E sim, Thi, você não está sozinho <3

Parabéns pelo capítulo!

Postado 03/12/17 15:22

Que bom que gostou bastante!

Em tom de brincadeira né... eu tbm gostaria kkkk

Boa percepção!

Muito obrigada!

Postado 05/12/17 20:36

AMÉM AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

QUERO BEIJAR OS DOIS NA BOCA!

Tô falando, uma merda vem, mas a vida é um Bon Air que leva todo o vestígio fétido embora, deixando tudo cheirozasso!

(Que? Ok. Desculpa a comparação horrenda)

THIKELLY é minha religião!