Um pouco dos poucos que vivo e escrevo. (Em Andamento)
Scheffer
Usuários Acompanhando
Tipo: Antologia Poética
Postado: 22/01/17 12:13
Editado: 03/03/18 16:37
Tags: tempo
Qtd. de Capítulos: 21
Cap. Postado: 04/02/18 15:01
Cap. Editado: 11/02/18 09:07
Avaliação: 9.46
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 71
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 175
[Texto Divulgado] "Pindorama" Ei, você soube das últimas notícias lá do interior? Não? Eu sei de tudinho porque estive lá. Algumas coisas eu mesmo vi e outras eu ouvi falar, mas quem me contou jurou por Deus que foi verdade. E eu acredito. Depois de tudo que eu vi, não duvido de mais nada. Esse mundão é doido demais, é sim. Hum? Quer saber o que aconteceu? Olha lá que a história é grande e maluca pra danar. Mas vem cá, chega mais perto que eu conto sim. Lenda? História de pescador? Aqui não tem isso não. Aqui tem bruxa, espírito bom, criatura do mal e herói. E é tudo de verdade.
Livre para todos os públicos
Um pouco dos poucos que vivo e escrevo.
Notas de Cabeçalho

Um pouco de desgoto, também faz parte da vida.

Capítulo 17 Quando a vida não tem gosto

Quando a vida não tem gosto,

Pouco adianta procurar posto,

Tudo possui o mesmo rosto,

O mundo está sempre maldisposto,

Passa-se janeiro, chega agosto,

Persistindo no mesmo encosto.

Quando a vida não tem gosto

A cena congela em um estado febril

Não tem mais azul, nem mesmo um tom de anil

São todos cinzas, os dias, que nos causam calafrios,

Injúrias de um nunca, que sempre passa por um fio.

Quando a vida não tem gosto

O sofrimento é o agora,

Mesmo passando-se às horas,

Ele nunca vai embora,

Mesmo fugindo para fora,

Ele sempre revigora.

Quando a vida não tem gosto

O âmago acaba sendo decomposto,

Por tristeza e desgosto,

A melancolia vira pressuposto

E tudo acaba deposto,

Sempre em um mesmo poço.

Quando a vida não tem gosto

A angústia torna-se casa,

A insônia uma morada

O desalento, meu onde morar

O medo nosso lar

A falta de esperança o lugar.

Quando a vida não tem gosto,

Tudo fica tão assim,

Que é difícil ressuscitar boas lembranças,

E retomar o melhor em mim.

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 08/02/18 22:57 Editado 08/02/18 22:59

Novamente um poema incrível. Gosto muito da maneira que essa antologia está sendo desenvolvida, pois ela mostra a essência humana em várias áreas com diversas emoções.

Neste poema o eu-lírico é tão verdadeiro, que me vi em cada palavra, pois quem nunca sofreu de angústia que atire a primeira pedra. Cada estrofe nos mostra da maneira mais poética possível o quão duro é viver com este sentimento amargo no peito, mas principalmente, sentir a melancolia na pele e na alma.

Parabéns não somente pelo poema incrível, mas também por essa antologia que sempre me surpreende mais e mais ❤