alto teor alcoólico
Hyperemesis
Tipo: Lírico
Postado: 11/02/18 18:36
Gênero(s): Poema Sátira
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 50
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 259
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Capítulo Único alto teor alcoólico

eu me abandonei entre os túneis viscosos das palavras

TODAS ELAS GARGALHAVAM

palavras rotas, encardidas, velhacas, eivadas

EU ME TORNEI UMA PALAVRA

cada cano pingava uma trapaça

ploc ploc ploc ploc

a madrugada vomitava alucinações que cantavam

transmutavam-se em verde-água ou tons violentos de laranja

EU QUERIA VOMITAR UM MUNDO DESFEITO

um féretro que seguia sua elíptica enodoada

ao redor do Forno Crematório

EU ACENDIA UM CIGARRO

a supernova cancerígena entre quatro paredes cinzas

EU ME DISSOCIEI COM A MINHA PRÓPRIA DISSOCIAÇÃO

vômito vômito vômito vômito vômito

A SOMBRA DE UMA DISFORIA SOBREPOSTA AOS SEGUNDOS

a mentira esquecia que ria

sobrenadando em cabelos que me comiam

ploc ploc ploc ploc ploc

EU TIVE UM GRANDE AMOR A CADA SEMANA

EU TIVE UMA MORTE EM CADA MALTRAPILHA DANÇA

FODI FODI FODI FODI FODI

a carne usurpadora se retorcia no império de quinquilharias

EU ENTREGUEI MEUS CHEQUES SEM FUNDOS

queimando queimando queimando queimando

EU COMETI TREZENTOS SUICÍDIOS E SOBREVIVI ASFIXIANDO-ME

mendicância mendicância – AR AR AR AR

fingi orgasmos

cuspi escárnios

beijei os inimigos

amaldiçoei todos os espectros de amigos

EU VIREI ESTÓRIAS MAL CONTADAS

ri ri ri ri ri ri ri ri

não tive de onde sair nem para lugar para ir

descrucifiquei-me para não ser adorada

mas as línguas me lambiam e rosnavam ávidas

forjei espelhos e tornei infinda a desgraça

UIVOS UIVOS UIVOS UIVOS

as portas dos hospícios me caçaram

todos os terreiros batucavam

passei três noites na cadeia

KOBOA KOBOA KOBOA

ESQUECI-ME DE MIM ESQUECI-ME DE TI

E ME TRANSFIGUREI EM BITUCAS DE CIGARRO

EM UM TERRENO ABANDONADO

❖❖❖
Notas de Rodapé

estou morta, obrigada.

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 12/02/18 15:30

Novamente, uma obra intensa e com um incrível jogo de palavras. Parabéns, Ema!