De Noite
Rede
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 12/03/18 14:46
Gênero(s): Mistério
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 11min a 15min
Apreciadores: 4
Comentários: 3
Total de Visualizações: 198
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 1862
[Texto Divulgado] "Espelho da minh'alma" Eis ai uma parte do que vivi, vi , morri e renasci. Sentimentos Versos Experiência Tudo numa coerência
Livre para todos os públicos
Capítulo Único De Noite

De Noite.

Nadaram por horas, tinham apenas o reflexo da lua para se orientarem. Nadavam quase lado a lado, não haviam combinados tal sincronização, talvez um instinto, uma esperança.

A noite não estava fria, a marola não estava tão forte, mas por estarem nadando a esmo, sem rumo certo, tendo apenas o reflexo da luz da lua na água, sentiam a água mais fria que estava, a escuridão mais escura do que a realidade.

Ás vezes, ficavam de costas apenas boiando, movimentos bem lentos, acreditavam que estariam recuperando as forças para continuarem a nadar. Não conversavam entre si. Apenas criam que encontrariam algo como um porto seguro para se salvarem.

Por que o navio afundou, quantos nadavam, quantos morreram, quantos ainda morreriam? Essas perguntas não vagueavam pelas cabeças daqueles que seguiam o brilho da lua na água, apenas nadavam, boiavam, nadavam, boiavam, nadavam.

As batidas de pernas com os braços eram bem cadenciados naquele grupo, apesar da escuridão, ninguém procurava ninguém, ninguém olhava para lá ou para cá, apenas para o reflexo prateado oscilando na flor d´água à frente destes.

O som de água se chocando com algo, foi percebido pelo grupo, mantiveram a mesma cadência e o mesmo rumo, três braçadas, uma respiração, voltavam a cabeça para dentro da água, três braçadas, e outra vez respiravam, cabeça para fora da água, uma respiração, e assim, o grupo seguiu nadando sem se preocupar com o barulho da água indo de encontro há algo.

Conforme o som se aproximava, mais as águas se moviam rapidamente, todos mantiveram na mesma direção, entrementes foram se distanciando uns dos outros. Já não se ouviam as braçadas ou as batidas de pernas do grupo, apenas cada um ouvia a de si mesmo.

Aos poucos, algumas ondas surgiram por debaixo deles, às vezes, as ondas os empurravam, às vezes os ultrapassavam sem lhe darem caronas. Neste vai-e-vem das ondas, ora ajudando, ora não, eles alcançaram uma praia. A noite estava tão escura quanto do início da busca por uma salvação.

Todos estavam muito distantes um dos outros, nem imaginavam quem havia alcançado a praia, se chegaram vivos ou mortos arrastados pelas ondas. Os cinco nadadores chegaram à praia exaustos, mas chegaram.

Ticiana, de pele cor de chocolate, chegou à praia apenas com as peças íntimas, pois quando começou a nadar, se livrou da roupa que pesava e lhe atrapalhava a nadar. Ela não era muito alta, mas chama-la de baixinha seria uma injúria, pois não tinha nada a ver com sua estatura.

Mantendo-se em pé por algum tempo de costas para o mar, tentava enxergar alguma coisa, algum lugar para se abrigar. O corpo que estava frio, agora agitava-se por estar diante do desconhecido, do imprevisível. Por fim, caminhou lentamente em sentido contrário do mar.

O pé esquerdo de Ticiana tocou em alguma coisa. Sem pressa, levou o pé um pouco mais para frente, era algo macio e comprido, agachou e tocou com as mãos levemente. Intuiu que era uma touceira, sentou e percebeu que a possível folhagem estava morna, que aquecia o corpo sem lhe machucar a pele. A baiana juntou as folhagens em torno dela, o calor e o cansaço lhe venceram e ela adormeceu.

Ticiana deitou em um arbusto de folhas muito compridas, as folhagens tinham uns três metros de comprimento por trinta centímetros de largura. Ticiana não dormiu, ela foi entorpecida pelos gases que a folhagem liberava lentamente.

As folhas foram cobrindo e entrelaçando todo o corpo dela. O arbusto que agora mantinha a baiana sob seus domínios tinha mais de trezentas folhas.

Totalmente dopada e imobilizada, chegaram os Cibum-Comedentis, eram mais de milhares, menores que a ponta de um alfinete. Avançaram e começaram a devorar o corpo de Ticiana. Os Cibum-Comedentis não tem língua, com vários dentes que encaixam perfeitamente, cortavam a carne rapidamente.

Cada Cibum-Comedentis comia cinquenta vezes o seu próprio peso. Em menos de um segundo davam mais de cinquenta mordidas. O movimento da boca ao fechar, levava o alimento até ao tubo que estava ligado direto com o estomago.

Em movimento continuo os devoradores mordiam, alimentavam e seguiam em frente. A saliva dessa bactéria, contém um anestésico, mantendo a vítima sempre imobilizada.

Passados dez minutos, toda a carne do corpo da baiana foi devorada, todos os Cibum-Comedentis entraram na terra em volta do arbusto, agora só havia um esqueleto e cabelos dentro do emaranhado das folhas.

Os Ossa-Comedenti chegaram mais rápidos do que os primeiros devoradores. Em número dez vezes maior, devoraram todos os ossos. Esses tinham na saliva um ácido que ao tocar no osso, tornava-o mais duro ainda. Devido ao fato que os Ossa-Comedenti devoram ossos com o mesmo processo dos Cibum-Comedentis, quanto mais saliva tinha o osso, mais duro ia ficando, ao ponto que o osso ficava tão duro, que o mesmo quebrava e esfarinhava todo, por isso, os Ossa-Comedenti que chegavam depois, só tinham o trabalho de engolir o pó do osso.

Os Ossa-Comedenti não deixaram nem vestígio de ossos na folhagem e entraram para dentro da terra, tão rápido quanto os primeiros devoradores.

Por fim, chegaram os Capillus-Comedenti, esses comeram todos os fios de cabelo, porém esses devoradores, ao comer os cabelos da vítima, não seguiam para o fundo da terra em volta do arbusto, eles eram absorvidos pela folhagem, processados com a seiva do arbusto, tornavam-se o gás que entorpecia as vítimas.

Durante cinco anos, os Ossa-Comedenti e os Cibum-Comedentis, permaneciam imóveis em pares, aos poucos eles iam se fundindo e no final dos cinco anos, a união de um Cibum-Comedentis com um Ossa-Comedenti, formava um casulo. De dentro do casulo saiam cinquenta Cibum-Comedentis, cinquenta Ossa-Comedenti e cinco Capillus-Comedenti.

Pedro Augusto, logo que chegou na praia, se manteve deitado por um longo tempo deitado na areia seca. Mantendo os olhos fechados, as roupas encharcadas, aos poucos foram secando. Sentiu muita sede, pois bebera muita água do mar quando começou a nadar.

Apesar da escuridão, levantou e seguiu pé ante pé para dentro de uma suposta mata, se apoiando em alguns troncos de árvores, adentrou a mata, porém, percebeu que seus pés estavam em algum lugar úmido. Agachou e tateou para confirmar.

Pedro Augusto estava adentrando um brejo: percebeu logo, firmando um pé de cada vez, para ter certeza que não iria afundar na terra úmida, seguiu lentamente. De repente percebeu que chegou em uma poça d’água funda.

À sua direita, havia um barranco, à sua esquerda, o brejo seguia. Apesar da escuridão, sentou se no barranco, lavou as mãos, passou água na cabeça e na nuca, em seguida cheirou a água. Percebeu que não era água do mar.

Molhou apenas a ponta da língua. Água de rio, pensou ele. Experimentou um pouco mais, foi de pouquinho em pouquinho e concluiu: a água é boa. Desceu do barranco bem devagarinho, e quando os pés tocaram o fundo do posso, a água estava na altura do pescoço.

Augusto colocou a boca na água e bebeu de goladas, quanto mais bebia, mais queria beber, mais gostoso ficava o líquido que absorvia. A cada trago, seu corpo seguia para o meio da poça. Pedro aos poucos foi perdendo os sentidos, assim como não percebeu que estava no centro de um torvelinho.

O torvelinho era o movimento dos Aquae-pluuiae-rapidiue em torno de Pedro Augusto, quanto mais rápido era o movimento, os Aquae-pluuiae-rapidiue liberavam enzimas que dissolviam qualquer coisa que estivesse dentro de uma circunferência de um metro.

Em menos de três minutos, o corpo de Pedro Augusto foi todo diluído. Agora, através da pele dos Aquae-pluuiae-rapidiue, todo o caldo do corpo de Augusto foi absorvido.

A água que estava de cor cristalina no começo, durante o ataque dos devoradores, ficou azul violeta, depois verde bandeira, todavia, após alguns minutos, os Aquae-pluuiae-rapidiue giravam mais rápidos do que no início em sentido contrário, liberavam outra substância que a água voltava a ficar cristalina e envenenada.

Cibelle, uma moça ruiva de pouco mais de um metro e cinquenta de altura, chorava muito com o rosto entre os joelhos. Passado algum tempo, levantou a cabeça e procurou timidamente algum lugar na escuridão que lhe pudesse lhe dar guarita.

A escuridão não lhe permitia ver nada. Começou a andar bem devagarinho, após andar por uns vinte minutos, tropeçou numa pedra, ao cair, bateu a cabeça numa pedra pontiaguda, desmaiou de imediato. A areia em sua volta se abriu e ela foi devorada pelos Sands-capiens. Estes devoradores eram tão agressivos, que ao devorarem suas vítimas devoravam uns aos outros também, alguns devoravam as próprias pernas. Eles eram milhões, do tamanho de uma pulga, ficam escondidos debaixo da areia.

Geraldinho Fernandes, logo que chegou na praia foi direto para dentro da mata, não enxergava nada à sua frente, apenas sombras escuras sem formas bem definidas. Após caminhar por uma hora, encontrou uma árvore muito alta e o tronco extremamente grosso.

Tocou levemente no tronco e percebeu que havia uma abertura no tronco da árvore. Colocou um braço para dentro da fenda e como não encontrou resistência, foi entrando devagarinho. Ao penetrar todo no tronco, sentiu um cheiro muito bom e quanto mais respirava, a fenda da árvore ia se fechando.

O cheiro gostoso que Geraldinho respirava, não tinha nenhum anestésico, o aroma apenas tinha o poder de distrair a presa. Geraldinho Fernandes sentiu seu corpo ser prensado pelo tronco da árvore e percebeu também que a fenda havia se fechado.

Lentamente o tronco esmagou e absorveu todo o corpo de Geraldinho. Em menos de quatro minutos, todo o corpo de Geraldinho já havia se tornado seiva da árvore e uma nova fenda se abria na árvore.

Aberlardo Adão, não se apressou a procurar ou explorar a praia na escuridão, deitado na areia seca, dormiu sossegadamente. Acordou suando frio. Sonhou com árvores devoradoras, águas assassinas, areias que engoliam pessoas ainda vivas, folhas que abraçavam pessoas para serem devorados por vermes ou bactérias minúsculas.

Aberlardo tentou levantar, mas não conseguiu. Tentou abrir os olhos, também não conseguiu, os braços e as pernas não moviam para lado nenhum.

A respiração acelerada, deu lugar para as palpitações aceleradíssimas do seu coração.

Seria a continuação dos sonhos, ou estaria consciente naquele momento? Não movia nem uma parte do corpo. Após algum tempo, desistiu de tentar e se acalmou, apenas observou seu corpo.

Percebeu que alguma coisa, muito pequena, mas em grande número, movia entre a sua pele e a carne do corpo. O couro cabeludo formigava devido ao trânsito dos invasores.

Os invasores penetraram pelas vias aéreas de Adão, pois a pele serviria de casulo para reprodução dos Vestem-viatores.

Os invasores seguiram para a testa, depois para as pálpebras, nariz, queixo, pescoço, peito, braços, pernas e finalmente nos pés. Quando todo o corpo de Aberlardo Adão estava todo tomado pelos Vestem-viatores, os mais de dois milhões, começaram a devorar lentamente, a carne e os ossos preservando a pele de Aberlardo perfeita.

Antes de amanhecer, os cinco náufragos, foram devorados sem ver a luz do dia. Tudo se passou de noite e antes que a escuridão da noite terminasse, a suposta ilha mergulhou para as profundezas do mar, pois não era uma ilha, mas sim um filhote de Prodigium que vive a mais de oito mil metros de profundidade no oceano pacífico.

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (3)
Postado 13/03/18 20:13

Sua escrita é incrível! A narração nem se fala. Parabéns!

Postado 12/06/18 18:05

Seria eufemismo dizer que esse texto está maravilhoso. Que obra incrivelmente sensacional!

Meus parabéns!

Postado 12/07/18 00:36

COMO VOCÊ CONSEGUE FAZER ISSO???

Nos primeiros parágrafos pensei "ai que lindo, amantes nadando apaixonados", depois, vi que não, ERA UMA TRAGÉDIA!! E quando eu pensei que tudo ia ficar bem... PUM!!! ILHA VIVA NA A ADORA DE GENTE!!!

Minha mente explodiu! Este conto é SENSACIONAL! MESMO!!! Sua escrita é invejável, impecável, surpreendente! Que dom, que talento!!! Parabéns por esta obra de arte sangrenta! ❤