O Fracasso do Êxito
Scheffer
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 24/05/18 19:19
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 215
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 394
[Texto Divulgado] "Descartável" Sabe, eu costumo fazer uso da escrita para desabafar, às vezes da fala também (mas não se pode falar por aqui). A questão deste poema é justamente esta: por que diabos você nem ao menos me escreveu adeus? Foi um descarte, como se o ser humano fosse descartável. Talvez aqui fique, já, uma ressalva: Não confunda às coisas, você não pode comprar tudo. E mais uma lembrança: O ser humano sente! (Parece óbvio, não?) Mas, acredite, há pessoas que parecem ter dificuldades de compreender isso. Boa leitura :*
Livre para todos os públicos
Capítulo Único O Fracasso do Êxito

“Bem-aventurados aqueles que cresceram na vida. Hoje, adultos, possuem uma boa casa, um bom carro, conforto, comodidade e tudo mais que o dinheiro pode comprar. Estes sim, possuem êxito na vida”. Mas, o que seria ter êxito ou uma vida bem-sucedida?

Diante de uma crise de valores, colocamo-nos a refletir, como diria a propaganda do Pão de Açúcar: O que faz você feliz? É fundamental para observarmos o que há de errado. Note, que involuntariamente, a palavra felicidade atrela-se ao êxito, a ponto de podermos decifrar esta pergunta, e responder o que é ter êxito.

Desde pequenos, somos programados a enxergar o dinheiro como um meio de conseguir o que queremos. Nossas alegrias, são fundamentadas nos presentes que ganhamos quando fazemos aniversário, quando chega o natal, dentre outras datas comemorativas. Observe em seu meio, se o que digo aqui, não é de fato realidade. Observe o quanto uma criança fica feliz ao ganhar um objeto, mais que por exemplo, ganhar um abraço.

Depois desta etapa, seguimos na busca dos objetos que, acreditamos, tornar nossas vidas melhores. Fundamentamos a escolha de nossa profissão, muitas vezes mais no retorno financeiro, do que a aptidão, afinidade e bem-estar que tal profissão nos proporciona. As consequências de nossas bases, fundamentadas no poder de compra, acredito nunca antes, estar tão evidente. Estamos vivendo em uma crise de valores, subestimando as pequenas coisas da vida, deixando “para lá” o que realmente deveria importar.

A prova disso, são os índices alarmantes de depressão, não só em pessoas pobres, mas inclusive, em indivíduos com estimado poder aquisitivo. Nota-se que o mesmo ponto, é alcançado por pessoas diferentes, a infelicidade, que parece surgir de um vazio, reflexo de uma sociedade que instrumentaliza o ser humano e humaniza um objeto. Ter êxito neste caso, parece fracassar quando a missão é ser feliz. Em um mundo destes, nossas almas parecem clamar por paz interior, solidariedade e amor ao próximo. Atributos que nenhum dinheiro no mundo pode comprar.

A conclusão que chego, é que está mais do que na hora de revermos nossos conceitos, começando por nós, propagando para nossos filhos uma educação que saiba valorizar as virtudes humanas, como o respeito, a justiça e a gratidão. Só assim, enfrentando todos os preconceitos impostos por uma sociedade de consumo, é que compreenderemos a essência de uma vida bem vivida, fundamentada na inteligência emocional, racionalidade e humanidade.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (2)
Postado 29/05/18 19:51

Isso me lembrou de uma frase do filme clube da luta "Compramos coisas que não precisamos com dinheiro que não temos para impressionar pessoas que não gostamos".

São os reflexos do capitalismo que te ensina a nunca estar satisfeito e sempre 'precisar' comprar mais, no final isso chega até a determinar o seu valor na sociedade com a hierarquia social quanto mais você tem melhor você é... Quem não tem nada passa a ser ninguem...

Muito bom texto, uma reflexão importante com argumentos bem articulados, gostei muito!

Obs:.Adorei o termo "Fracasso do êxito" deu um impacto muito legal, parabéns pelo trabalho.

Postado 01/06/18 19:40

Olá Vanessa, primeiramente gostaria de agradecer a leitura e seu comentário bem pertinente e complementar.

Sabe, eu confesso que já nem sei de quem é a culpa, se é do capitalismo, ou se é de quem criou ele (o ser humano). Por vezes fico refletindo, por que é que continuamos na mesma?

Mas enfim, acredito que a mudança deva partir de cada um, só assim conseguiremos mudar alguma coisa...

Abraços!

Postado 24/11/18 13:48 Editado 24/11/18 13:52

NUNCA VI NENHUM SMURF DEPRESSIVO, eu brinco dizendo que a vila deles longe do capitalismo seria um lugar perfeito... Um modo de vida muito mais simples e prazeiroso... Todos se ajudam trabalhando a servço uns dos outros, por um bem maior e comum, desta forma, ninguém nunca terá menos.

Sua obra me trás uma reflexão interessantíssima e importantíssima! Há tempos eu procurava por algo dotipo, que me despertasse essa faísca.

O mundo está doente, todos estamos.

"Observe o quanto uma criança fica feliz ao ganhar um objeto, mais que por exemplo, ganhar um abraço".

Essa passagem chega a ser surreal de tão realista que é, se quando crança eu tivesse valorizado mais abraços e coisas que são capazes de me abastecer por toda a vida ao invés de me importar com coisas fúteis e dispensáveis, teria sido mais feliz e liberta. Eu deveria ter ouvido minha mãe, ela sempre me disse isso. Felizmente, eu cresci e tenho a felicidade de me deparar com pessoas extraordinárias que assim como você, têm uma certa sensibilidade para sentir o mundo com todas as suas vísceras... Isso com certeza é difícil e triste, Mas é recompensador, pois os atentos sobrevivem, eles ganham o mundo... Os sensíveis se destacam. OVELHAS NEGRAS REVOLUCIONAM,

Enfim, esta reflexão e a sua obra num total é incrível! Deveria estar nos livros das escolas. Eu apoio. OASIPAOSIAPOSI Te agradço por tê-lo postado e peço perdão pelos devaneios supracitados. <3

Outras obras de Scheffer

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Reflexivo