Sem Forças
tori vibks
Tipo: Lírico
Postado: 24/10/18 17:12
Gênero(s): Poema Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 20seg a 27seg
Apreciadores: 2
Comentários: 0
Total de Visualizações: 49
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 54
[Texto Divulgado] "O olhar de Jurema" Jurema, uma brasileira comum, tem seu dia a dia e sua reflexão sobre sua vida narrada neste conto, que visa mostrar uma breve descrição do brasileiro em geral.
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Viver sem saber o que queremos, faz com que vivamos como boneco dos outros...

Capítulo Único Sem Forças

Tamanha é a agonia da minha alma...

Que a culpa em mim jogada

É aceita.

Não tenho forças para sorrir

Quem dirá existir.

Nessa alma ferida e despedaçada

Não se encontra nada.

Alegria...

Surpresa...

Felicidade...

Se um dia existiu.

Foi à uma eternidade.

Dor...

Medo...

Desgosto...

A minha "felicidade"

É a desgraça do outro.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obrigada por ler, estou aberta a critica e sugestões

Apreciadores (2)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!