Tudo Por Você
Sabrina Ternura
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 05/01/19 22:18
Editado: 06/01/19 01:00
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 2
Comentários: 0
Total de Visualizações: 89
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 413
[Texto Divulgado] "Por trás da porta" ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Não recomendado para menores de dezoito anos
Capítulo Único Tudo Por Você

A noite chega e meu coração dilata...

Dizem que é no esplendor do amanhecer que a venda da noite se desfaz e que, a cada nascer do sol, um novo recomeço surge. Especulam que a esperança da alvorada é uma semente semeada na alma de quem a vê, mas o que posso entender quando nada sinto com tamanho acontecimento?

Existem coisas fora do alcance de meu entendimento, que ultrapassam os conhecimentos vagos que permeiam o âmago e que afogam meu coração, pois é na calada da noite que vejo e sinto tudo com a clareza da luz da manhã. Quando o breu sombrio recobre minha visão, a solidão diz-me que é hora da perdição. No rio de prazer, afogo cada melancolia que vaga pelo meu caos. A cada toque malicioso, preencho o vazio de uma vida incompleta. A consumação do ato, é o ápice.

Quando um segundo se passa, me levanto como se nada tivesse acontecido. Visto minhas roupas como quem tem ciência de seu destino. Recebo o pagamento de minha performance hoje para garantir o sustento de amanhã; para ter certeza que a noite é minha sina, mas o amanhecer é daquele que tem meu sangue — daquele pequenino ser humano que não tem consciência de nada e que tive que deixar, por saber que é impossível uma mulher despedaçada ser mãe de alguém tão completo.

Ando pelas ruas em direção ao lugar que meu filho se encontra: a casa da família que o acolheu quando deixei-o em frente a porta na pequena cesta, enrolado com o cobertor que continha seu nome. Minha companhia é o envelope escrito “Para George” que contém todos os meus pagamentos. Entre becos e ruas desertas, chego ao fim de minha rota e insiro dentro da caixinha de correspondência o envelope. O silêncio que pesa na noite é quebrado por meu sussurro:

— É tudo por você.

Viro-me e refaço todo meu caminho, tendo discernimento que, enquanto me deito em camas alheias para ser a válvula de prazer de alguém, ele repousa sua cabeça no travesseiro tranquilamente, a espera do amanhã. Eu sou a noite, a escuridão. Ele é o dia, o aurorescer.

Dizem que a esperança vem ao amanhecer, mas tudo o que consigo ver é um mar de trevas, quando os raios de sol atingem a janela. Especulam que, quando você vende sua alma, tudo se torna obscuro e, com isso, devo concordar.

A noite chega e meu coração dilata, mas sei que é tudo por você.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Sabrina Ternura

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Reflexivo