A tempestade
August
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 11/06/19 20:56
Editado: 09/07/19 23:21
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 77
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 193
[Texto Divulgado] "Os meninos e o poeta." Posso até nem ser aquilo tudo como autor, nem é mesmo o pretendido, não obstante, tomar um cafézinho com o poeta é uma honra que vou levar dessa divertida existência.
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Capítulo Único A tempestade

Reis estremeciam ao ouvir meu nome . Na noite escura, quando minha ordem de ataque era ouvida, os morcegos me seguiam.

Fieis companheiros de batalha, mais fieis do que muitos soldados, cujos corpos, empalados, servem de alimentos para os corvos.

O sangue deles, junto do inimigo, fertiliza o solo onde flores vermelhas da morte nascem.

Em meu caminho, cabeças eram arrancadas, corpos desmembrados e vidas ceifadas.

Nunca perdi uma batalha. Porque um rei pode perder um soldado mas o exercíto sem o rei não passam de um bando de desajustados.

Porque das mortes você me pergunta? Aqueles velhos caqueticos e religiosos condenaram a mulher que eu amara.

Apenas por suas superstição ridicula. Eu , que por muito os defedi, fui traido.

Me chamaram de filho do demonio, uma interpretação deveras interessante de draculea.

Se eu sou o filho do demonio, este demonio irá caça-los, máta-los e empala-los até o ultimo.

Para que seus corpos provem a dor que ela provou. Sangue por sangue e vida por vida..

Os lindos animais da noite me acompanham. Sua fome é insaciável. E eles terao muitas gargantas a rasgar.

Ate o pais se tornar apenas uma floresta de mortos....

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 12/06/19 09:59

Nem gosta de RPG não rsrs, só um bocadinho né Lucas?

Postado 12/06/19 10:33

Na verdade isso é apenas uma releitura da historia real de vlad tepes