A Margarida
Nilton Victorino Filho
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 19/07/19 10:31
Gênero(s): Cotidiano
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 5min a 7min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 96
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 857
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Capítulo Único A Margarida

A moça do São José, que já era madura, foi a primeira pessoa que me fez rever os conceitos, toda essa coisa de mocinhos e vilões, bem e mal, enfim...essa papagaiada toda de filosofia e, fazendo isso, tive que admitir que eu não era um guri tão bom assim, vou logo me desculpando disso e usando a desculpa mais esfarrapado do mundo..."eu era criança".

Bom, todo menino que chegava no ano que ia completar os dez anos, passava para a quarta série e saia do pátio do São Pedro para o São José.

Essa praxe era um ritual de crescimento e, como tal, provocava nos internos um certo medo, não pelo ritual em si, efetivamente, se passava das mãos da carinhosa Rúbia para as mãos da Margarida.

A mudança dava calafrios, já contei em postagem passada que, para fugir das chineladas da Cinira, eu e meu amigo Fernandinho, usávamos a tática de correr, bater na parede e voltar, cada qual para um canto, no fim das contas, a pobre se cansava e não acertava nenhuma pancada, ou seja, nádegas ilesas.

A Margarida era o gatilho mais rápido do Oeste, a cada chinelada, havia a garantia total de uma nádega atingida, se o leitor não me acredita, presta atenção nisso:

Num finzinho de tarde, começo de noite, assim que a janta foi servida, a moça foi levar aquele carrinho de ferro de volta à cozinha, nesses poucos minutos de sua ausência, deu-se início à um falatório entre os meninos, que virou discussão e acabou em briga, sabe como é briga né???metade de um lado e metade para um outro, o único que não foi para lado nenhum, foi o Xavier, aquele guri que tinha uma saúde debilitada.

A Margarida entrou no refeitório sem dizer um a, fechou a porta atrás de si, tirou do pé o chinelo que, graças a Deus não era de borracha e, com a habilidade de um pistoleiro do velho oeste, passou a distribuir chineladas, à torto e à direito, trinta meninos era o efetivo de cada pátio, em todos os vinte e nove, ela deu duas chineladas, uma para cada lado da bunda, o Xavier estava sentado e sentado ficou, no fim, ela tirou uma nesga de cabelo dos olhos, soltou o chinelo no chão e o calçou, sem qualquer sinal de que isso a tivesse cansado.

Ah, deixa eu me corrigir, a moça era muito melhor que qualquer pistoleiro...58 chineladas por minutos, que marca incrível.

Não era bela, a Margarida, já passava dos trinta e cinco e pintava os cabelos, as enormes unhas sempre num vermelho chamativo e batom em cor igual, sua voz era meio grossa, cabelos grandes amarrados sempre, suas calças apertadas ao corpo, ajustavam aos seus mais de um metro e oitenta.

Por mais que eu gostasse da Margarida e note que esse gostar, já era um sinal de submissão à força feminina, fui convidado a participar da força tarefa que se vingaria da moça.

Juntaram-se ao bando vingador o Vladimir e o Adilson, que eram os chefes, o Alaor, o Oscar, o Luís Carlos Pezinho, o Silvano, o Fabiano e esse seu criado aqui.

O plano era bem simples, um susto na moça nos vingaria de todo mal que ela nos tivesse impingido, ah...a moça se arrependeria do dia que havia nascido.

A Margarida, por esse tempo, não morava no colégio feito as outras moças, que tinham seus quartos no hall das moças, quando chegava, por volta das duas da tarde, entrava pelo portão da garagem, subindo da lavanderia, dois lances de escadas davam acesso ao hall da cozinha, nos postamos no primeiro lance dessa, das nossas posições uma longa linha de costura se estendia ao chão, na ponta havia uma meia grande e preta de seda, o piso estava devidamente encerado, quando ela abria a porta vidrada de correr e iniciou a caminhada pelo saguão, uma coisa enorme passou na sua frente, parecia uma cobra, não me lembro o que veio primeiro, o grito de horror ou o baque do corpo ao chão, em todo caso, a gangue ria em alto volume.

O problema de planos mirabolantes de criança de dez anos é que eles só têm a primeira parte e, eu gostaria de dizer que essa vingança lavou nossas almas...ah, eu queria mesmo, mas...

Assim que a Margarida se recuperou do susto, se levantou e partiu como um foguete, subimos alguns lances de escadas e ela atrás, paramos na ante sala da clausura, ali era um local de silêncio total, paramos e ficamos encurralados, a Margarida venceu os últimos degraus da escada e parou, pensamos mesmo que ela ia respeitar aquele lugar, em câmara lenta ela pôs o dedo indicador na boca, tirou o chinelo do pé e, numa precisão cirúrgica de dar inveja, deu as chineladas...lépt, lépt, lépt...sem fazer barulho.

Pegamos castigo e, mais tarde, nos deliciamos com o prazer de ver a Margarida mancando no pátio, por uns dias sentávamos de lado, as chineladas podem não ter feito barulho, mas, foram fortes.

O que mais me incomodava com relação à Margarida era o fato de, mesmo eu não gostar muito dela, ela me adorava.

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 08/10/19 22:25

Eu ri muito com esse relato. Comparar a Margarida com um pistoleiro foi ótimo.

Geralmente, quando se ouve o nome Margarida, se pensa em alguém delicada, educada e sorridente, tão bela quanto a flor que lhe dá nome, mas essa Margarida está mais para Viole(n)ta ou até mesmo Azaleia.

Essa Margarida aí certamente terminou no malmequer. kkkkkkkk

Parabéns!