Mitologia
Cria de Minerva
Tipo: Lírico
Postado: 05/10/19 12:36
Editado: 05/10/19 12:38
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 121
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 358
[Texto Divulgado] "Weapons" Um texto exclarecedor sobre minha atual vida e situação, sobre oque penso e entendo
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Mitologia

Durante toda a história,

maldições aos heróis foram sentenciadas.

E, é claro, que minha história não seria indiferenciada.

Minhas feridas não foram curadas

ou acariciadas.

Mas sim, associadas.

Assim como Calipso, fui expulsa.

Condenada a viver em uma ilha, com o coração em repulsa.

A espera de um novo amor.

Assim como Eco, condenada a repetir

toda a dor a quem quisesse ouvir.

Mas o pior ainda estava por vir.

Não amaldiçoaram apenas a mim, mas sim

aquele que amei.

Culpa minha! Já que contra os deuses blasfemei.

Foi assim que, em pedra, me transformei.

Bastou observar seus olhos,

que não brilhavam mais ao me encarar,

no mesmo instante, senti o corpo pesar.

Petrifiquei por inteiro, incapaz de me mover.

Como eu poderia prever?

Já que para mim, você era como Midas.

Tudo que tocava,

se transformava em ouro.

Assim como teu cabelo louro.

Porém, me esqueci. Para alguns, era sinônimo de mau algoro.

Isso nos leva a história do touro.

Condenados a um labirinto,

guiando-nos por puro instinto.

Eu, rezando aos deuses para que o amor não estivesse extinto.

Porém, sem nenhum fio de Ariadne para nos guiar

De nada bastava

Rezar ou

amar.

Temia que os deuses pudessem me cegar,

E, assim como Hércules, eu estaria destinada a meu amor, matar.

porem, nessa história, sempre me identifiquei com Aqueloo. Já que toda minha fartança,

Se empenharam em levar.

Mas tudo bem, se eles pudessem você deixar.

Cansada de tanto girar,

Agora, poucas deusas poderiam me amparar.

Afrodite, por favor, ensine ao cupido essas flechas disparar.

Já estou cansada de tanto ele errar.

Hecate, por favor, use de sua magia,

para que eu consiga minha alforria.

Que esse amor é uma prisão, isso já me ocorria.

Nice, por favor, me dê a vitória,

para que eu alcance toda a glória.

Cansei de toda essa teoria,

dessa teologia.

Mas não me esquecerei de Perséfone.

Que fora condenada, assim como eu,

a viver no submundo,

compartilhamos de um sentimento mútuo.

Peço, oh bondosa deusa,

que o meu coração floresça.

Mas por favor, somente as rosas, não quero plantas degenerativas.

Pois, afinal, essa coroa de espinhos, pertence a outra narrativa.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (2)
Postado 06/10/19 17:20

Nossa é uma obra figurativa riquissima. Uma obra que mostra o mais diversos estados do coração, misturado a um rico conteúdo mitológico.

Fiquei até empolgado pra escrever.

Postado 06/11/19 23:51

Ah, muito obrigada, colega! Quem ficou empolgada a escrever, foi eu! Com um comentário tão doce quanto o seu. Fico feliz e grata que tenha gostado, espero que acompanhe os próximos. Seu elogio foi riquissimo à mim, como pessoa e escritora.

Um beijo!

Postado 06/10/19 20:34

Quanta entidade aclamada!

Muito legal! Parabéns!

Postado 06/11/19 23:50

Poxa, Francisco! Fico felicíssima que tenha gostado, a opinião do leitor é MUITO importante para mim. Espero que você leia e aprecie outros textos, comentários como o seu incentivam a continuar.

Beijinhos!

Outras obras de Cria de Minerva

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo

Outras obras do gênero Romântico