Uma carta ao [meu] pequeno príncipe (Em Andamento)
Cria de Minerva
Usuários Acompanhando Nenhum usuário acompanhando.
Tipo: Antologia Poética
Postado: 06/02/20 19:01
Editado: 30/06/20 15:33
Qtd. de Capítulos: 2
Cap. Postado: 06/02/20 19:01
Cap. Editado: 30/06/20 15:33
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 0
Comentários: 1
Total de Visualizações: 301
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 373
[Texto Divulgado] "Hoje já é o amanhã" Com o olhar lacrimejante, eu percebo: hoje já é o amanhã e, novamente, não fiz nada.
Livre para todos os públicos
Uma carta ao [meu] pequeno príncipe
Capítulo 1 O viajante

Durante toda a vida, nunca levei a sério as emoções. Pensava ser indestrutível e guardava cada pedacinho de sentir dentro de uma caixinha, bem fechada. Até que um belo dia, um pequeno viajante apareceu. Os cabelos loiros tão macios quanto nuvem, o sorriso tão travesso quanto o farfalhar das árvores. Por um momento, pensei estar conhecendo o pequeno Príncipe mas, aos poucos, aprendi que aquele visitante era tão único quanto. E, assim como o pequeno príncipe, eu para sempre lembrarei dele ao olhar para o céu, afinal, seus olhos são tão negros quanto.

Aqueles olhos puxados puxaram consigo toda a tristeza que em mim existia, aquele abraço era mais aconchegante que o sol. Porém, descobri que ele vinha de uma Cidade Lunar, e as vezes me pego pensando que existe uma música inteirinha inspirada nele. Esse viajante possuía pouco tempo de experiência, cometeu tantos erros que chegaram a ser grotescos. E a cada palavra cortante como o vento, meu coração se parecia um pouquinho mais com a lua, se enchia de crateras. Será que foi por isso que você fez morada em meu coração? Era aconchegante e lembrava sua casa? Ou você realmente apreciava minha companhia?

Aos poucos, aquele sorrisinho de lado que passei a conhecer tão bem, trazia paz ao meu coração e o som de sua gargalhada fazia tremer todo o meu corpo. Seus lábios eram quentes feito brasa, porém aconchegantes como os raios de sol.

Assim como a lua, você iluminava os meus dias escuros e sinto falta disso. É claro que posso acender uma lamparina, mas nada se compara ao brilho natural dos seus olhos. Eu gostaria que você ficasse, mas talvez não fosse o melhor para nós. Eu queria viajar o mundo, e ele queria voltar ao seu Reino. Tudo bem, eu sabia desde o inicio que você era um viajante e não um morador. Mas ao partir, você levou consigo algo vital para minha existência. Meu coração.

Porém, hoje, ainda restam resquícios seus, que fazem meu estomago girar em 360. Talvez esteja criando velocidade para que você entre na sua nave e volte. Talvez seja a esperança de que, de tanto elogiar seus olhos que eram lindos feito as estrelas, você tenha as ido buscar pra mim

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (1)
Postado 08/02/20 10:17

Adorei a obra. Simplesmente maravilhosa

Postado 30/06/20 15:11

Ah, obrigada! Fico muito feliz e lisongeada.