A carta.
Pequena Estrela
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 29/06/20 15:45
Editado: 01/07/20 10:41
Gênero(s): Drama Romântico
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 72
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 681
[Texto Divulgado] "A última mitologia " Apresentarei aqui meu conteúdo definitivo. Pelo menos por um tempo. Varios personagens interessantes e outros menos aparecerão Apreciem
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Espero que gostem, fiz uma carta romantica entre uma moça que já não está nesse plano para seu amado, a idéia é expressar sentimentos doces apenas.

Capítulo Único A carta.

Quando John pela milésima vez entrou naquele quarto intocado, o qual ele mesmo não se atrevia a entrar havia quase 2 anos, sentiu o ar lhe cortar e causar arrepios e uma dor dilacerante, algo que lhe vinha toda vez que sua amada Mary, lhe vinha na cabeça.

Mary havia ido embora para sempre, por uma doença sem cura, deixando-o só neste mundo, ele e suas lembranças, lembranças de Mary Whitney.

Entrou devagar, passo a passo e via o como tudo estava intocado, nada havia sido mexido, os perfumes dela permaneciam sobre a grande penteadeira colonial, a cama de mogno milimetricamente arrumada, havia poeira na janela e manchas de chuva, como naquele dia em que ela morreu, tudo permanecia o mesmo. John sentia que se fechasse os olhos conseguiria voltar para aquele dia fatídico só de ficar naquele quarto, que um dia foi da pessoa que ele mais amou.

Sentou-se na cama e alisou o lençol rosa pálido e com bordados floridos, seus olhos ardiam como brasas, inundado pelas lembranças amargas ele sussurrava copiosamente:

"Doce Mary...por que me deixaste?"

Em meio de suas lamurias e devaneios, ele notou algo transparecer por baixo do travesseiro, algo que ele não lembrava de estar ali, ergueu e notou, era uma carta, e pela letra delicada no papel pardo ele sabia quem era o remetente....

Abriu com dedos trêmulos o papel encardido pelo tempo e leu as letras cursivas.

E estava escrito:

"Querido John, se encontrou esta carta significa que não fui forte o bastante, sei que colocou expectativas em minha melhora, sei que queria comemorar a Páscoa comigo desta vez, mas foi inevitável minha partida, eu sentia que deveria ir, estava se tornando fatigante ficar deitada a tomar sopa e ficar de repouso, queria ser livre, e como minha carne se encontrava adoentada, libertei então minha alma, e agora estou bem, ou espero estar, espero que o paraíso celestial seja um lugar com muitas margaridas, lembra do quão eu amo margaridas?.

Eu fico triste em ter te deixado, planejei tanto para nós, queria ter um filho, e um cachorro enorme chamado Tiny, ainda se recorda? Planejava também ir para Nova York... tantas coisas.

E agora que vou embora só existirá você... E não mais Mary e John, o casal maluco da rua Blindertein, mas é bom, assim as pessoas não ficarão tão impressionadas ao te ver na rua, agora que não está mais na companhia de uma maluca que se recusava a usar espartilhos e adorava andar descalça por achar saltos ridículos e incômodos.

Mas vamos ao que importa, só quero dizer a ti que nunca e em hipótese nenhuma vou esquecer de você, que sempre vou ama-lo como a lua ama o rio, que todas as noites passa a se refletir naquela imensidão azul, o amarei para sempre, enquanto o sol e o arco-iris existir, você foi a luz que iluminou a escuridão indecifrável da minha alma, e sempre serei grata a você por tudo o que fez, e sei que no futuro, fará coisas que me deixará orgulhosa, você nunca me decepcionou John Mackenzie, nunca. Eu que lamento te-lo decepcionado, ao não ficar com você para sempre em vida, mas você sempre terá a mim em espirito, eu o guiarei pela estrada vazia que é esta vida.

O amo, e espero que seja feliz mesmo após minha partida, não parti infeliz, parti bem, tranquila e serena, e principalmente feliz com a vida que tive ao seu lado.

Viva meu amor, por você, e por mim.

Da sua e só sua, Mary"

John deixou-se levar pela emoção, e como um homem humano e longe da sociedade londrina, ele chorou, chorava de alegria, de tristeza, chorava por mil motivos.

Chorava por que agora sua amada estava em paz, e ele também estava.

"Oh, Mary, eu sempre a amarei" _ sussurrava o rapaz, em forma de promessa.

Abriu então a janela daquele quarto, com um pouco de esforço por estar sem uso, e deixou o ar entrar, e o cheiro das rosas entrarem.

Rosas lembravam Mary

Porém ela sempre amará margaridas...

E ele sempre amaria Mary.

❖❖❖
Notas de Rodapé

TERMINEI

AAAA

AMEI ESCREVER ISSO

beijocas.

Apreciadores (2)
Comentários (2)
Postado 29/06/20 18:38

Sem.... palavras....

Mas você sabia que a mulher que vlad III se a apaixoxonou também era mary..... mary harcker.

Uma feliz...ou não.... coincidência

De seu: tepes

Postado 29/06/20 23:26

Mesmo com mais de 600 palavras, parece curto e, de fato, é... Uma cena curta com uma carta longa.

Contudo, esse final é de emocionar até um "anti-romance". Rosa = Mary = Margarida; de certa forma, engraçado.

Existem muitas vírgulas e nem todas devem estar corretas, como também, um errinho de escrita; acredito não atrapalhar na leitura...

De mais a mais, agradeço por compartilhar sua obra.

Assinado alguém que gosta de jasmim, <3

Postado 01/07/20 10:42

Vaaleeeu pelo comentário, adoro suas analises querida Shizu, e já até arrumei os errinhos ortograficos, valeu por avisar <3

fico feliz q tenha apreciado!

Postado 01/07/20 12:39

Fico muito feliz que releve meus comentários, mas peço para que tire o sublinhado, ele estraga o seu texto, estrelinha.

Espero ver mais textos teus por aqui, <3