Brasas
Lucia
Tipo: Lírico
Postado: 04/08/20 01:42
Editado: 05/08/20 19:42
Gênero(s): Drama Poema Reflexivo
Avaliação: 9.53
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 7
Comentários: 6
Total de Visualizações: 198
Usuários que Visualizaram: 10
Palavras: 202
[Texto Divulgado] "Ícaro e o Sol" Eu te destruo sem querer e você faz o fogo que há em mim ficar maior você é o Icaro e eu o Sol nos amamos... mas se eu te destruo, por que ficas?...
Não recomendado para menores de doze anos
Capítulo Único Brasas

As brasas chiavam embaixo de suas solas

O ar aumentava a pressão

O fogo queria consumir tudo

Assim como sua vontade de consumir o mundo

Como sua ânsia de consumir todos e cada um

Queria ser lembrado, queria que estivesse marcado

Como o único que construiu e o único que poderia destruir

Queria a vitória e a glória.

Queria consumir tudo.

Sua boca se abriu em uma gargalhada silenciosa

A brasa continuava a queimar e o oxigênio extinguia-se

As tatuagens de chamas queimavam figurativa e literalmente

Os olhos, única coisa diferente de tons em vermelho,

Giravam enlouquecidos procurando a hora da destruição

As brasas chiavam embaixo de suas solas

Queimavam seus cabelos, coloriam seu rosto com tons de cinza

O fogo já estava para realizar seus anseios e desejos

Se não fosse para ser marcado pelo sucesso

Seria marcado pela coisa mais próxima

Seus olhos se abriram para a escuridão

A glória não estava mais próxima

O vermelho não manchava mais

O oxigênio estava para ser usado como deveria

Porém, a destruição ainda era iminente

Em seus movimentos clamava por liberação

Assim como ele por sucesso

As brasas chiavam embaixo de suas solas

Afinal a vitória estava a um passo da Destruição

❖❖❖
Apreciadores (7)
Comentários (6)
Postado 04/08/20 02:07

Eu serei sincero: meu nível de interpretação de texto sempre foi fecal. Então, desde já desculpe se não captei a mensagem que a senhorita de fato desejou passar com estes versos sombrios.

Todavia... Eu pude ver Lúcifer e sua ambição/danação (tal qual retratada na versão cristã da história) de certa forma representado aqui. E também me lembrei da cena memorável do filme A Cruzada quando o protagonista e Saladino discutem os termos de rendição ou destruição absoluta de Jerusalém.

Por fim, vi a essência gananciosa e autodestrutiva do próprio ser humano nestas linhas... E isso me foi delicioso.

Muitíssimo obrigado e parabéns pela rara postagem, Srta Lucia!

Atenciosamente,

Um ser com brasas (ou seria somente esterco incandecente?) ardendo nos resquícios da alma e que também adoraria ver o mundo inteiro ser incinerado, Diablair.

Postado 04/08/20 17:35

Olha só, não sou tão fã de coisas mais arrepiantes de terror assim, mas eu gostei do seu jeito de escrever, foi muito legal a história do poema parabens viu *_*

Postado 04/08/20 21:03

É sempre um deleite receber uma notificação sua! Antes mesmo de começar a leitura, meu coração já me dizia que algo surreal de bom viria.

Fiquei impressionada com o nível de lirismo que estes versos possuem. Além de emanarem uma profunda insanidade, o eu lírico nos transporta para essa fogueira que, apesar de brilhar imensamente, é rondada pela mais significativa escuridão. Afinal, essa é a cor da destruição - do pó viemos, para as cinzas retornaremos.

Ler estes versos é como entrar em combustão espontânea. As chamas atingem o leitor através da melodia mórbida e sombria que as estrofes emanam. Quando terminei a leitura, pensei: "existe vida depois desse poema? Não sei", porque senti que essa iminente destruição não é restrita somente aos dois personagens, mas, sim, a todos nós. E, pelos deuses, que deleite ser destruida por você.

Não vou negar que, talvez, eu tenha levado para o lado malicioso da coisa, rs. Acredito que, melhor do que um poema bem escrito e elaborado, são as infinitas possibilidades de interpretação que mostram o quanto o leitor se aprofundou na leitura e o quão talentoso é o escritor por criar não apenas um, mas, sim, vários mundos que possibilitam infinitas oportunidades interpretativas.

Obrigada por compartilhar conosco este poema incrível. Apareça por aqui mais vezes, por favorrrrrrrrrrrr! Saudades demais!

Parabéns, Lucinha ♥

Postado 06/08/20 21:19

Antes de qualquer coisa eu queria dizer que é uma desvantagem eu comentar, uma vez que eu acompanhei todo o desenvolvimento. Na verdade, foi graças a minha pessoa que esse texto saiu. Graças ao desafio que eu te fiz, ao tema que eu te dei. Ta, eu sei que foi por causa da tua vontade de escrever! Kkkkkkk. O tema proposto foi: Sonhos interrompidos.

Na primeira vez que li o texto, pensei em algo como o suicido. Talvez pela minha mente distorcida e por pensar em escrever algo do tipo quando escolhi o tema para você escrever. Não sei se contei, mas eu tinha acabado de ver um documentário sobre uma catástrofe natural e fiquei pensando em coisas aleatórias, mas que faziam sentido no final das contas.

Como já havia falado, o bom da obra é que ela é aberta para a interpretação do leitor. Aberta para que ele passe um pouco dele para o texto e vislumbre o infinito de possibilidades escondidas em cada linha.

Bom, para aqueles que possam ler meu comentário, vou deixar aqui o significado que a minha Hyu deu para o texto (vendo que ela não responde comentários ¬¬)

O sonho do eu-lírico é o sucesso, no caso, a fama. A vontade dele é tão grande que, ao despertar, o pânico o consome. Por mais que ele lute pelo que quer, a ponto de correr o risco de se destruir, não dá certo. E foi por isso que a vitória estava a um passo da Destruição. (espero ter explicado direitinho)

Parabéns, Hyu!! <3

Postado 21/08/20 00:04

Me faz pensar sobre como incendiamos nosso próprio eu... Como quando nos destruímos, pisamos com as solas em cima de nossa própria cabeça e nos tornamos nossa própria danação...

Como sempre, uma facada em meu coração, vejo que me identifico MUITO com seus escritos, é bom não me sentir sozinha.

Sua forma de expressão é única, você é gigante Lúcia! Que prazer é poder ler suas obras!

Parabéns por mais essa... Queimada, queimando ou às cinzas, você fez e continuará fazendo, incêndios eternos dentro da minha alma!

Postado 14/09/20 14:53 Editado 14/09/20 14:55

Essa senhorita Lucia maravilhosa <3

Não posso deixar de dizer que eu enxerguei tudo como um suicídio extremamente sentimental, no sentido de que o que culminou nessa situação foi sobre um caso de amor não correspondido.

A Flávia explicou a verdade por trás do poema, que é a fama, mas meu eu leitor ainda está incendiado pelo prisma erótico e sofredor dessas brasas aqui escritas!

E "a vitória estava a um passo da Destruição" justamente porque o eu lírico sairia vitorioso sobre o amor não correspondido no momento em que se destruísse no fogo... (perdoe-me, sou Doentia em meus pensamentos...)

Obrigada por compartilhar conosco esse poema maravilhoso <3

Um grande abraço <3