Nada é tão ruim que não possa piorar
Meiling Yukari
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 04/08/20 21:15
Editado: 03/05/21 21:56
Avaliação: 9.4
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 6
Comentários: 8
Total de Visualizações: 313
Usuários que Visualizaram: 12
Palavras: 591
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de catorze anos
Notas de Cabeçalho

Quando vi a imagem número 9 do Desafio de Imagens, pensei em algo completamente fora dos padrões, tanto da própria imagem, quanto de mim mesma, já que não costumo muito escrever comédia. Então encarei isso como um duplo desafio hahaha

(Ah, é que santos me lembram anjos, por isso pensei em tudo isso, rs)

Capítulo Único Nada é tão ruim que não possa piorar

Mestre acordou com o pé esquerdo, literalmente caiu da cama ao tentar se levantar e pisar em falso no sapato virado. Puta merda, ele pensou, ô azar do caralho.

Mas tudo bem, se recompôs e foi direto comer. O pobre coitado não foi capaz de acreditar que suas bolachas haviam desaparecido, e logo foi perguntar de pessoa em pessoa, dentro daquela maldita república, quem havia sido o ladrão vagabundo que estava roubando sua comida.

– Foi mal ae, tava mó brisado e nem pensei direito antes de comer toda a bolacha da casa, então relaxa irmão, que não foi só a tua não – responde Dirceu.

Mesmo com o estômago roncando decidiu fazer a higiene matinal, e logo foi enfurecido para o banheiro. Sentou no trono e descarregou a bucha mais rápido que o de costume. A única coisa devagar ali era mesmo a sua percepção, que só percebeu que não havia papel depois da obra feita.

– Puta que pariu, seu lazarento!!!!!! – berrou Mestre, não conseguindo segurar as palavras de indignação. E ficou queimando a cabeça para decidir se devia berrar pedindo papel para algum companheiro da república ou não.

Se apercebendo do estrago de sua obra, resolveu que era melhor não arriscar ficar sem limpar a bunda, então engoliu o orgulho e berrou desesperado para que alguém lhe trouxesse o papel. E claro, ainda teve o infortúnio de ter que se levantar do trono para abrir a porta.

E bom, nem é preciso dizer que esse foi um grande erro, que resultou na urgência de Mestre tomar um belo banho, pois papel nenhum iria funcionar naquelas circunstâncias. E olha, se tinha algo nesse mundo que Mestre odiava com todas as forças, essa coisa era banho matinal.

O cara só não se matou ali mesmo, perfurando seu pescoço com um cano de metal enferrujado do chuveiro antigo, porque com o andar da carruagem, era capaz de sobreviver a isso e ainda pegar tétano. Vai se fuder, vida bosta do inferno, reclamou ele em voz alta na hora em que sentiu a água gelada tocando-lhe o corpo.

Terminado esse sacrifício, foi novamente para a cozinha e pegou um resto de lasanha velha que encontrou no fundo da geladeira, e meteu tudo na boca, gelado mesmo, afinal naquele muquifo que chamavam de república, já estavam sem gás por uma semana, e sem perspectiva de mudança.

Bando de folgados do caralho que não compram nem a merda de um gás, resmungou Mestre, afinal nem todos ali eram pobres, havia os medianos que estavam ali só para poderem usar o dinheiro em drogas, ou só para não se sentirem sozinhos. Ele se enquadrava no último caso, mas seu pai não lhe dava um centavo a mais do que o dinheiro do próprio aluguel, pois era um mesquinho com seu filho.

Olhou para o relógio, já estava 15 minutos atrasado do horário que costumava sair de casa. Pegou sua bicicleta capenga, caindo aos pedaços, e se pôs a pedalar freneticamente. Estava indo tão rápido que perdeu a direção e se enfiou no jardim de uma casa. Saiu todo espetado dos cactos ali presentes e viu sua bicicleta toda despedaçada na calçada.

– PRONTO, TO FUDIDO, SEU LAZARENTO DO CARALHO – esbravejou Mestre enquanto chutava os escombros de sua bicicleta, para então sair correndo, tentando chegar a tempo de fazer sua prova na faculdade.

E é claro, vocês já sabem, né? Depois de correr incansavelmente por 40 minutos, o sofrido maltrapilho não conseguiu chegar a tempo, e pegou uma DP.

Esse pobre coitado merecia ser canonizado como o Santo dos Azarados.

❖❖❖
Notas de Rodapé

*DP significa "dependência", ocorre quando uma pessoa reprova em uma matéria/disciplina na faculdade e ela precisa fazer novamente no ano seguinte.

Espero que tenha sido uma leitura legal de algum modo!

Muito obrigada! <3

Apreciadores (6)
Comentários (8)
Comentário Favorito
Postado 04/08/20 22:52

Logo no início do texto me peguei rindo alto! Além do azar crescente do protagonista, a narração leve e descontraída contribui muito para que o leitor tenha uma experiência de leitura realmente divertida.

Me senti mal por ficar rindo da desgraça alheia, mas é impossível não rir. Só na parte da DP que senti compaixão pelo personagem, pois entendo bem a sensação kkkkkkk

Obrigada por compartilhar conosco esse texto. Foi uma interpretação muito boa e diferente da imagem e ficou genial.

Parabéns, como sempre, srta. Meiling ♥

Postado 05/08/20 12:39

Aaaaaa quanta felicidade <3

Fico tão contente em saber que a leitura do meu texto lhe fez rir hahahahaha

Muito obrigada pelo seu lindo comentário cheio de elogios tão fofos ♥

Um grande abraço para a senhorita!!!!!

Postado 05/08/20 00:25

Nossa eu ri tanto com isso tudo que vc escreveu, foi divertido demais, o mocinho não tinha sorte mesmo, sortuda é vc que escreveu, pq vc escreveu muito bem, podia tentar mais as comédias viu, pq ficou muito bom *_*

Postado 05/08/20 13:08

Muito obrigada, fico feliz em te fazer rir com meu texto!!

Abraços!!!!!!

Postado 05/08/20 09:50

Olha , se eu tivesse um dia ruim como o desse cara, preferiria me matar ou ser morto haha

Postado 05/08/20 13:15

HUAHAUHAUHAUAHUAUHAA SEU COMENTÁRIO ME FEZ RIR MUITO!!!!!!!!!

Mas eu compartilho completamente da sua opinião, viver dese jeito não é vida kkkkkk

Muito obrigada pelo comentário!

Abraços!!

Postado 05/08/20 10:15

Pobre jovem, ele deveria procurar algum tipo de benção/exorcismo, hahahaa.

Mas o que me matou mesmo foi "O cara só não se matou ali mesmo, (...) porque com o andar da carruagem, era capaz de sobreviver a isso", essa parte foi muito boa, parabéns.

Sem muito a dizer término agradecendo por compartilhar sua obra e participar do desafio.

Assinado uma pequena vampira, <3

Postado 05/08/20 13:17

A benção vem depois do exorcismo, pra garantir que fique tudo bem hahahaha

Tinha que ter uma parte mais mórbida, se não, não seria eu né kkkkkkk, fico muito feliz que a senhorita gostou dessa parte!!

Muito obrigada!!

Um abraço!

Postado 05/08/20 11:47

Ri horrores, achei fascinante e engraçado e ao mesmo tempo tive dó do personagem kkkkkkkkk

parabéns!

Postado 05/08/20 13:19

Aaaaaaa muito obrigada!!!!

Seu comentário tão fofo me encheu de alegria!!!

Rir da desgraça alheia não significa que também não ficamos com dó do coitado kkkkkkk

Um grande abraço!!!!

Postado 26/08/20 20:15

Eu já vi gente azarada, mas pqp!!!! Estou rindo até agora da situação. Bom, eu até pensei em dizer que ele deveria olhar pelo lado bom, mas acho que até o lado bom seria afetado pelo azar, então é melhor deixar do jeito que está mesmo! kkkkkkkkkk

Muito bom! Parabéns!!

Postado 27/08/20 13:21

Infelizmente lados bons não existem para pessoas como ele HAUAHUAHUAHAAUHA

Agredeço muitíssimo por você ter gostado dessa minha estranha criação de comédia!!

Um abraço <3 <3 <3

Postado 04/10/20 15:48

Coitado! Deu dó hein?! Você é uma fiandeira muito má por ter escrito essa infindade de desventuras em série pro coitado...

Obrigada por compartilhar conosco! :)

Postado 05/10/20 13:04

Muito coitadinho mesmo hahahahaha

Nos fios da vida que eu fosse tecer, com certeza teriam muitas tragédias hahahaha

Muitíssimo obrigada por ter vindo comentar em meu texto!!

Um grande abraço <3 <3

Postado 18/07/21 13:54

Gostei muito do estilo, da linguagem. Fiquei pensando no final enquanto lia, afinal de contas, sempre tentamos imaginar o desfecho da história. Então, deparo-me com esta parte: "[...]tentando chegar a tempo de fazer sua prova na faculdade." Logo pensei "ele vai conseguir chegar à tempo, mas há de ter se confundido com a data da prova, chegando na que seria aplicada a prova, que estava completamente vazia."

Muito bom o texto, querida Meiling.

Outras obras de Meiling Yukari

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama