Monster
Miyu
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 22/08/20 17:57
Editado: 22/08/20 18:13
Gênero(s): Drama Fantasia
Avaliação: 9.53
Tempo de Leitura: 7min a 10min
Apreciadores: 3
Comentários: 4
Total de Visualizações: 295
Usuários que Visualizaram: 12
Palavras: 1261
Este texto foi escrito para o concurso "Challenge Musical" A proposta do “Challenge Musical” é simples: vocês terão que escrever uma obra com base na interpretação de uma música. Ver mais sobre o concurso!
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Olá! Essa história é para o concurso Challenge Musical. Por um momento, eu pensei em fazer uma música do Ben Platt, porque tudo que ele faz é obra de arte. Depois, pensei em fazer de Dear Evan Hansen, pelos mesmos motivos. Só que, enquanto eu alterava o texto pela milésima vez, lembrei-me da música de Frozen e eu adoro a Elsa e adoro a música.

É isto, essa história é inspirada na música Monster de Frozen: The Broadway Musical. Espero que gostem. :)

Capítulo Único Monster

Você nasceu com uma maldição.

No começo, você não via assim. Você ainda tinha a melhor irmã do mundo e os pais mais gentis também. Então, naquele tempo, tudo era mais fácil e simples. Era até certo pensar em quão sortuda você era por ter tudo, inclusive poder construir bonecos de neve no castelo. Seu poder era benção e união.

Então em um instante tudo quebrou. Você percebeu o quão forte era e o quão perigosa poderia ser. Anna era tudo que importava, mesmo naquele tempo e quando você a viu tão pequena, tão fraca e tão congelada, o seu coração partiu em milhões de pedacinhos e o medo se instalou no lugar. Aquele momento ficaria em suas memórias para sempre. Tão frio que cortava.

Vocês cresceram depois. Seus pais morreram, Anna ficou sozinha - era mais seguro - e você ficou presa em seu próprio castelo. Além do fardo de ter uma maldição consigo, você precisava carregar mais um: ser a rainha perfeita que sua mãe era.

Ainda sim, você fugiu. Depois daquela coroação real, depois que Anna te fez perder o controle e revelar os seus poderes, depois dos olhares de medo, você simplesmente criou algo que nem entendia e partiu para o desconhecido. Sozinha, como sempre deveria ser.

Nos primeiros instantes, isso te deixou cheia de medo. O mundo era muito grande para alguém tão pequena quanto você e o mundo era muito frágil para um poder tão grande quanto o seu. Só que depois esses pensamentos foram embora e você se permitiu rir. Permitiu ser livre.

Foda-se o mundo, foda-se a corte e a população de Arendelle. Eles ainda podiam estar bem, porque tinham Anna e ela era a escolha certa. Sempre foi.

Construir um castelo para viver foi fácil. Você estava sozinha há tanto tempo que nem se importava com o vazio no seu coração. Estava tudo bem, porque aquele lugar no meio do nada não tinha ninguém para machucar. Era o melhor para você e para todos.

Só que ainda tinha Anna e ela sempre precisava fazer o certo. Ela foi atrás de você, você a afastou e ela te fez perceber que mesmo que estivesse solitária, seus poderes ainda afetavam o mundo. Ainda afetavam Arendelle e, principalmente, ainda afetavam sua irmã.

O medo se instalou de novo. Talvez ele nunca tenha ido embora de verdade e, como consequência, você expulsou Anna de sua vida novamente. De repente, estar naquele castelo voltou a ser uma prisão e ser você continuou sendo a droga de um fardo.

Por que você tinha que ser a merda de um monstro? Qual era o problema com suas mãos, com seu corpo? Qual era a bosta que você tinha feito na vida passada para precisar carregar uma maldição como aquela? Como você poderia descongelar tudo se aquela tempestade era você?

Depois que Anna foi embora, o noivo idiota dela apareceu. Ele te salvou - mesmo que você achasse que merecia morrer - e te levou como prisioneira. Você sempre se sentiu presa, mas agora estava no sentido literal. Um monstro enjaulado.

Você descobriu, ainda na prisão, que sua querida irmã estava morta. Você a afastou por temer o pior, você tentou de tudo e falhou mesmo assim. Então tudo que conseguiu fazer depois disso foi fugir. De si mesma. De todos.

Até que se lembrou de algo. Anna tinha ido até você para parar a tempestade, não porque te amava. Ela era a nova rainha, mesmo não tendo falado isso. Anna tinha que cuidar de Arendelle, mas você a matou antes que isso fosse possível. Ao menos, você tinha que parar a tempestade. Devia isso.

Sempre iriam a ver como monstro. Você ainda se lembra da voz do seu pai e das vezes que ele pedia para você não sentir, mesmo quando seu poder parecia crescer cada vez mais. Sentimentos te tornavam fraca, mas agora os seus por Anna estavam te fortalecendo. Era a única coisa que te mantinha viva.

Finalmente tinha chegado a sua vez. Você tinha que derrubar a maldita porta que construiu por anos, tinha que liberar seu poder. Você não podia simplesmente se esconder dessa vez.

A tempestade continuava ali. A voz do seu pai continuava em sua mente, chegando em seu coração. Não sinta. Não sinta, porra.

O medo estava começando a te invadir, a voz que dizia para você não sentir ainda estava em sua mente, como um mantra bobo e inútil. Se você não sentisse, a morte não viria. Não sinta medo, não sinta nada e tudo ficará bem. Você não machucará ninguém se não sentir, mas as consequências já estavam ali.

Você tinha sentido. Até demais. Sentimentos presos tendem a explodir em algum momento. Eles mataram sua irmã e estavam levando você e Arendelle junto, apesar disso se conseguisse salvar apenas seu povo. Aqueles que te julgaram como monstro, então tudo estaria bem.

Você sequer se importava em morrer no caminho. Toda aquela dor que seu reino sentia começou por sua culpa. Você sempre foi um monstro, era por isso que seus pais te trancaram no quarto. Era por isso que fechou suas portas por tempo demais.

Apenas um monstro preso e domesticado. Agora que estava solta, você não sabia o que sentir. Só sabia que a culpa continuaria sendo sua.

Você está correndo, seu coração está congelado e também está em uma guerra que não sabe exatamente onde começou ou como. Uma voz bem baixinha pede para desistir.

Tudo que já fez falhou, então por que seria diferente dessa vez? Se só se entregasse para o noivo de Anna, tudo ficaria bem. Ele te puniria por coisas que merecia e Arendelle estaria segura se uma corda estivesse em volta de seu pescoço.

Se você morresse o verão retornaria, não é? O inverno iria embora e o calor chegaria. Eles seriam livres, a morte de Anna não seria em vão e tudo ficaria bem. Você se vê chamando sua mãe e perguntando isso para ela.

Não. Uma voz, dessa vez maior, diz com certeza.

Você não pode fugir mais uma vez, precisa consertar a confusão que fez. Precisa parar a tempestade de uma vez por todas. Salvar o mundo de si mesma e trazer o sol de novo. O sol que Olaf tanto sonha e ama.

Então você olha para tempestade, olha para Arendelle e imagina sua doce irmã. Antes de desaparecer no gelo, você vai fazer as coisas certas. Vai fazer de tudo para isso.

Anna ainda está no seu coração. A única que não te via tanto como um monstro. Você ainda tem o sangue dela correndo pelas suas veias, então se ela sempre fez o certo, de alguma forma, você vai conseguir fazer o mesmo.

Arendelle ainda te vê como monstro, você ainda vê a si própria como um, mas essa noite você não pode ser esse monstro. Não, essa noite você não será um monstro.

Você vai salvar Arendelle. Por Anna, por seus pais e, principalmente, por si.

Durante apenas uma noite, você precisa sentir. Então tudo para por um instante e você vê. Sua maldição ainda está ali, tudo está, mas você ignora.

Por um maldito dia, você deixa isso tudo de lado. Deixa sua maldição para lidar com o outro fardo: ser rainha. Essa noite, você não é um monstro. Você é Elsa e vai fazer tudo certo dessa vez.

Durante apenas uma noite, você vai parar de fugir para enfrentar o medo.

É assim que, depois de tanto tempo, você levanta sua voz. Dessa vez, para o centro da tempestade.

De qualquer forma, o frio nunca te incomodou mesmo.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (4)
Comentário Favorito
Postado 12/09/20 23:54

Por mais que imaginamos a dor da Elsa no decorrer do filme, acompanhar essa visão dela foi muito impactante. A escolha da música, assim como o tema abordado, foi interessante de ler, e de uma sintonia maravilhosa.

A solidão por detrás de cada palavra é palpável, assim como o sentimento de exclusão que nos domina. A culpa que a Elsa carrega em seu peito é enorme, mesmo não sendo diretamente sua culpa tudo que ocorreu, ainda assim esse sentimento predomina, e vê-la se personalizar em um fardo é muito angustiante e triste.

Ainda mais que, apesar de tudo, ela irá se permitir sentir tudo para salvar sua cidade, fazendo a escolha certa dessa vez.

O interessante é eu consigo captar uma crítica também nesse contexto, o modo como podemos utilizá-la no dia a dia. Quantas Elsas já não passaram em nossa vida? Quantas Elsas não denominamos como monstros por não tentar entendê-las? Quantas Elsas não se refugia no próprio mundo, imerso em seu próprio silêncio?

Não tenho palavras para descrever o que senti ao ler essa obra maravilhosa.

Meus parabéns pelo texto. E muito obrigada pela sua participação ♡

Postado 17/10/20 08:09

Olá! Primeiramente peço desculpas pela demora.

Eu fico muito feliz por ter gostado e por eu ter conseguido expressar os sentimentos dela!

Eu não sou muito boa respondendo comentários, porque nunca sei muito bem o que dizer. Então eu quero que saiba que estou realmente agradecida por esse comentário maravilhoso. Ele esquentou meu coração!

Obrigada, flor. ♡

Postado 27/08/20 17:18 Editado 27/08/20 17:20

Existem dores que nos marcam profundamente e situações que são capazes de nos destruir em proporções inimagináveis. Somente a solidão pode tentar apaziguar a tempestade em nossos corações, às vezes.

É exatamente esse conceito tão profundo e bem desenvolvido em sua obra que encanta e prende o leitor. Acompanhar a trajetória de Elsa, seus sentimentos e conflitos familiares são elementos que tocam demasiadamente o leitor. A música se harmoniza com as palavras e tudo parece ser uma única coisa. Com uma narrativa extremamente descritiva e muito criativa, esta narradora consegue nos prender em sua história cheia de reviravoltas do início ao fim. E o final? Surpreendente!!!!!!

Obrigada por compartilhar essa história conosco! A leitura foi incrível! Boa sorte no concurso!

Parabéns, Miyu

Postado 17/10/20 08:04

Oi oi, peço desculpas por demorar tanto para responder.

Eu fico imensamente feliz por ter gostado e por ter aquecido totalmente meu coração com esse comentário tão fofinho. Sério, não tenho palavras para expressar o quão feliz estou. Obrigada por isso! ♡

Postado 28/08/20 19:15

Senhorita Miyu, seu texto está perfeito!!

Eu adorei o modo como você foi fazendo essa narrativa tão triste, e tão emocionante!! Pude sentir a dor presente em cada palavra, e no final pude me emocionar profundamente!!

Amei demais a frase sobre levantar a voz para o centro da tempestade, isso foi tão lindo!!

Parabéns pelo texto!! <3

Um abraço!! <3

Postado 17/10/20 08:05

Oi, tudo bem?

Desculpa por ter demorado para responder... aaaaa fico muito feliz que tenha gostado!

Obrigada por ter comentado! Um abraço ♡

Postado 18/07/21 14:57

Querida Miyu,

em seu texto há muito sentimento e frases fortes. Porém, no meu "ponto de lida" (kkk piadinha), o desenvolvimento foi muito rápido.

Sinto como se houvesse um contraste entre os sentimentos maravilhosamente propostos e o ritmo bastante acelerado da narrativa. Gostaria de ter degustado mais todas as dores ali presentes.

Abraços!