Vai e vem pelo tempo I
Viajante do Tempo
Tipo: Lírico
Postado: 11/09/20 14:46
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 68
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 327
[Texto Divulgado] "A esperança na sombra da morte." Ódio ou Esperança? Qual desses sentimentos poderia proteger o amor?
Não recomendado para menores de catorze anos
Capítulo Único Vai e vem pelo tempo I

Vai e vem pelo tempo

O verão não faz ficar quente

Não aqui

Mas não deixa esfriar

Fica algo indefinido

Não quente

Não frio

Mas sempre com neve

É início de 2017

Quando a conheço

Em quatro meses

Depois

Eu fui capturado

Pela segunda vez

Um ano antes

Eu estava envolvido

Não era amor

Talvez paixão

Mas sempre terminava na cama

Uma chama

Não apagava nem crescia

E sem espaço para poesia

Um ano depois

Nunca mais ouviria sobre ela

Nem de seu corpo

Nem seus gemidos

Nem de sua fala mansa

Para me seduzir

Eu fui capturado

A liberdade era uma mentira

Ainda é

Mas a ingenuidade reinava

Apenas para testar

Onde eu iria

Isolado

Feito para agradar outros

A mente era onde as barras estavam

Eu fui chamado de várias coisas

Para destruírem meu ser

E aceitar as algemas

Sem “mas”

Algo indefinido

A dois anos eu a satisfazia

Não era poesia

Nem pude dizer adeus

Mentiras bonitas

Para uma cama

Não dizia quem ama

Não era eu

Não era ela

Ia e voltava

Com queria deixar

E sempre era comigo

Na cama a rolar

Se eu não tivesse confessado

Minhas vergonhas a ela

Quem sabe não teria isto acontecido

Quem sabe cada um em uma cama

Teria dormido

Quem sabe se eu tivesse sido forte

E dito não

Teriam me ignorado

E não me levado

Fui levado escravo três vezes

Mas a verdade

É que antes de ser escravo de homens cruéis

Fui escravo de uma mulher

Escravo de conversas quentes

Pernas envolventes

E mãos que me deixavam nu

Nu de corpo

Preso pela alma

Um peito acolhedor

Lá não tinha espaço para a dor

Nem amor

Era uma conversa distante

E conversa não era o forte

Fui escravo

Não era rosa

E nem cravo

Apenas vivia atrelado

Em seus braços e pernas

Nunca houve prisão tão boa

Apenas para um dia

Descobrir que nenhum tipo de prisão

É bom

Artur Poeta da Neve

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Postado 13/09/20 14:37

Este é um poema repleto de um sentimento muito forte, muito triste...

A vida é cheia de vais e vens, mas, nem sempre isso é algo bom...

Para ficarmos nus de corpo, é muito importante também ficarmos nus de alma, e é muito triste quando isso não ocorre.

Parabéns pelo tristemente belo poema!

Um abraço <3

Postado 13/09/20 16:30

Obrigado minha querida, logo postarei as continuações!

Abraço!

Postado 15/09/20 14:05

Apesar de nenhuma prisão ser boa, percebe-se que as lembranças são vívidas e ainda vagam na alma do poeta, fez parte da história, de certo modo foi bom enquanto durou e isso é tudo...

Também não é assim a vida? Com seus encontros e desencantos?

As dores fazem parte do processo de crescimento e precisam ser vividas...

Lindo poema!

Postado 15/09/20 14:39

Obrigado, fico feliz que tenha apreciado!

Postado 16/09/20 03:37

Parabéns pelo belo poema!

Acredito que, por mais doloroso que seja olhar para trás, sempre temos que fazê-lo e conforme pegamos o hábito, percebemos que cada vez que olhamos, vemos de formas diferentes e tomamos aprendizados diferentes. O que é a vida de um artista se não momentos entre a tristeza e a felicidade?

Novamente, meus parabéns! Estou indo para a parte II!

:)

Postado 16/09/20 14:41

Obrigado pelo comentário, não é apenas como se ele relembrasse, mas como se revivesse!

Outras obras de Viajante do Tempo

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Erótico ou Adulto

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo