Vai e vem pelo tempo III
Viajante do Tempo
Tipo: Lírico
Postado: 16/09/20 02:48
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 49
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 460
[Texto Divulgado] "Ecos do passado acorrentados pela negação" Somos os vultos nas fotos, aqueles que observam do escuro, aqueles que não estão mais mortos, o som da respiração no silêncio, a negação ecoando no futuro. Ou talvez apenas um de nós. Afundados em melancolia e no esquecimento, esperamos o momento em que voltaremos como uma folha em branco, sem nos dar conta da natureza trágica de nossa existência. Somos ecos do passado, somos o fardo e o trauma daqueles desafortunados da classe 3-3. Éramos a classe 3-3. Quem é o morto do ano? Também aguardamos essa resposta. | Oneshot Per Month Project | Mês do Terror e Horror | Outubro 2020 |
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Vai e vem pelo tempo III

Vai e vem pelo Tempo III

Eu fui solto

“Solto”

Parcialmente solto

Uma liberdade controlada

É o que todos vivemos

Eu era observado

E não sabia

É agosto de 2016

E me encontro perdido

Em cachos que desapareceram

Junto com as mentiras que ouvi

A sociedade poética

Ainda estava em alta

Alguns amigos

Ainda ficaram

Enquanto a maioria

Partia

E eram meses de diferença

Enquanto ouvia suas mentiras

Escrevia e escrevia

E mais em mentira

Me prendia

Uma amiga se foi

Os motivos eu desconheço

Nova gente conheço

Que hoje nem o nome lembro

Estava amando

O que em fevereiro

Me cansei de suas mentiras

E vi o ódio encobrir

E de repente

Nada mais dela ouvir

É final de 2016

Vi uma garota se tornar mulher

Escondi bem

O que um dia poderia sentir

É final de setembro de 2018

Ela vai embora

Sem dizer adeus

É final de julho

Ela termina com o namorado

Eu deixo claro

E ela me deixou no escuro

Ao entrar 2017

Uma amiga se torna mais

A oportunidade cresce

Embora uma gravidez dela

Aparece

Minha chance parecia perdida

O quem em semanas

Se mostrou mentira

Para meses depois se mostrar uma verdade

Enquanto alguém mais provável

E palpável era presente

Logo depois a gravida perde o bebê

Eu tenho um encontro

A ex-grávida se declara

Eu nego

O meu encontro é cancelado

Ela está perdidamente apaixonada

Enquanto eu não conseguia corresponder

Eu cancelei

Enquanto retornei a me apaixonar

Pela minha amiga

Eu estava preso

Em uma teia tenebrosa

E sendo observado

Esperavam o momento

Para me ter aprisionado

Novamente

Minha amiga disse não

Enquanto três semanas antes

Ela dizia sim

E eu não

Uma mentira?

Ou uma vingança?

Eu recebi uma ligação errada

Que pensei ser certa

Mas nunca foi tão errada

Pois deixou minha vida

Toda marcada

A ligação

Dócil

E gentil

Um romance

Os dias eram repletos de briga

As madrugadas repletas de amor

Pedidos de desculpa

E sentimento de culpa

Ela dizia que me amava

Enquanto me enrolava

Era março de 2017

Enquanto ela mentia pra mim

Pois em maio

Eu terminava com ela

E ela mentia

E me prendia

Em algo a longo prazo

Enquanto dois dias depois

De minha última conversa

Com ela

Eu fui capturado

Enquanto estava longe dela

Antes de capturado

Pedi perdão

Para minha amiga que foi rejeitada

Me rejeitou

E depois afastada foi

Por ciúme

E sem poder dizer adeus

Pois Deus

Viu

E nada fez

Dos julgamentos

As ofensas

Os açoites

As dores da noite

Lembranças

De quem queria

E de quem quis

E era longe demais

Para o cheiro da pessoa

Sentir em meu nariz

Só senti o cheiro de correntes

Sangue

E comida podre

Em meus dentes

Artur Poeta da Neve

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Postado 16/09/20 08:07

Seu poema é intenso e a cadência dos versos passa a impressão de que o eu poético recorda todas essas coisas muito rapidamente, como em flashes que vão se alternando.

Obrigada por compartilhar conosco!

Postado 16/09/20 14:43

Essa é a ideia, fui inspidaro por uma hq que gosto muito, então é como um jogo de espelhos de memória!

Postado 20/09/20 17:04

Todo o sentimentalismo aqui presente é muito forte, muito triste, muito sofrido...

Às vezes a vida é um eterno pega-pega, onde só se corre atrás dos outros que correm atrás de outros, e ninguém nunca alcança ninguém... (Retirei esse pensamento de um poema do Diablair, Pega-Pega, então, créditos para ele, não para mim, rs)

Gosto muito do modo como você vai jogando as informações e falando as datas, e tudo é realmente um vai e vem do tempo!

Parabéns, muito bom, Sr. Eliézer!

Grande abraço <3

Postado 21/09/20 00:25

Obrigado!!

Essa forma de datar as coisas tirei de meu filme favorito, watchmen!

Abraços

Postado 16/10/20 22:29

A intensidade das palavras é incrível. No início, a visão de liberdade controlada me fez viajar por vários pensamentos diferentes.

Parabéns!

Outras obras de Viajante do Tempo

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo

Outras obras do gênero Romântico