Aquarium
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 07/11/20 15:59
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 5min a 7min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 66
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 934
[Texto Divulgado] "Agostinho dos Santos" Uma parte da vida pode ser esquecida ou ficar na nuvem, no limbo mas, um dia ela cai com tudo em você.
Não recomendado para menores de dezoito anos
Notas de Cabeçalho
Capítulo Único Aquarium

O Aquárium, costumava ser o lugar mais curioso e deslumbrante da cidade, com paredes e teto de vidro aonde peixes de todas as cores e tamanhos transitavam, chegava a ser de fato assustador, andar por sobre um vidro que te separa a sessenta centímetros de um tubarão sanguinário, ou de tanto observar o trrânsito dos peixes, sua cabeça começa a ficar pesada, você começa a ficar hipnotizado...

Agora, haviam peixes de todas as cores na grama, mortos, muito lodo e chorume pintavam as paredes quebradas do Aquárium e, para a infelicidade de Lúcia, Yvi estava prostrada na grama, tentando salvar as espécies.

Yvi era uma criatura tão estranha que revirava o estômago de Lúcia, possuía pernas de aranha robótica no lugar de pernas humanas e olhos biônicos que podiam ver em 360º. Yvi, foi uma experiência bem sucedida. A mulher transformou a si mesma em um monstro CyberPunk de arrepiar.

- Como vai a vida, Lúcia querida? - Yvi a viu chegar, mesmo estando de costas.

- Bom, levando-se em conta de que, depois da atrocidade que você fez comigo, eu não sou mais capaz de morrer, vou bem, obrigada.

- Deveria me agradecer. Quem está no branco de trás da van?

- O que restou de Meiling, penso que Manoel quer que você faça algo, mas eu te proíbo! E te bateria, se ao menos você sentisse dor, mas meu braço está machucado então, vou conter minha raiva! - Lúcia respirou fundo enquanto percebia que suas feridas já estavam cicatrizando, maldita vida eterna.

- E o doutor sabe então que minha experiência foi um sucesso... Engraçado, parece que a experiência de vocês não foi... - Yvi virou seu rosto lindo de pele negra para Lúcia, que cuspia fogo pelas ventas.

De fato, o belo rosto de Yvi, não combinava com seu corpo mecânico bizarro. Uma quebra de expectativas, era disso que ela gostava.

- Você tem uma parcela de culpa nisso. Você que fabricou os homúnculos, nós apenas os modificamos.

- Meus homúnculos são perfeitos, vocês que são burros. - Yvi sorriu - E o laboratório de vocês, também foi destruído?

- Assim como seu Aquáruim... - Lúcia insultou.

- Vai se lascar! - Yvi se levantou por inteiro, agora ela possuía mais de três metros de altura. Lúcia engoliu em seco.

- Cadê o Manoel?

- Seus olhos fodas não conseguem achá-lo?

- Sim... Já o achei. Ele está analizando os restos que o Acrimet deixou em nas paredes do Aquárium. Bom, aonde posso operar Meiling agora?

- Eu te proíbo! A vida eterna é terrível, Yvi! Eu sei que você queria me ajudar, mas não ajudou. Deixe-a descansar. Não temos tempo para isso, temos de reverter o que aconteceu.

Yvi concordou com um leve aceno de cabeça.

- Ele deve ter ido atrás da Lúcia, não sei por qual razão não me matou. Eu que "dei a luz a ele" - ela disse fazendo o sinal de aspas.

- Talvez seja por isso. Ele tem consciência, Yvi, ele não matou Meiling, ela morreu por algum outro motivo...

- Atropelada, com certeza, há umas horas atrás o caminhão do laboratório passou voando pela rua, pude ver uma mancha de sangue e veja só... - Yvi caminhou até o meio da rua, com suas oito pernas, abaixou-se e pegou um sapatinho preto, ainda calçado.

- Oh não! - Brotaram lágrimas dos olhos de Lúcia.

- Sim... O pézinho de Meiling é realmente lindo. Pena que não serve mais pra nada. - Yvi arremessou-o no mar, com seu braço esquerdo que também era biônico.

- Megera! - o estômago de Lúcia embrulhou.

- Você está muito faladeira hoje, Lúcia! - Diablerians surgiu, sujo de piche.

- Encontrou algo, doutor? - Lúcia indagou.

- Encontrei esse carinha... - Diableir mostrou um pote lacrado, com um conteúdo pastoso e preto dentro.

- Um dos homúnculos modificados. Pelo aspecto, deve ser a experiência mil e um.

- Ele foi longe! Emocionante! - Os olhos de Lúcia brilharam.

Os três pirados se entre-olharam na mesma hora que foram iluminados pelas sirenes da Polícia e o apitar latejante das Ambulâncias. Diablerius suspirou, arrepiando as sobrancelhas, elas já sabiam qual era a ideia.

- Doutor, não! - Lúcia se colocou na defensiva.

Mas ele não ouviu, abriu o pote que carragava consigo e injetou em uma das superfícies pastosas da criatura, o que continha na seringa, a criatura horrenda imediatamente pôs-se a crescer, tomando para si todo tipo de cheiro e barulho grotesco.

O vidro que a continha não mais existia, a criatura crescera tão rápido que estava maior que os três estariam se estivessem um por sobre o outro.

As mulheres estavam paralisadas, uma enfurecida, outra fascinada.

- Doutor!!! - Lúcia desferiu socos nas costas do doutor, que não se importou com isso.

- Vá, meu filho, livre-se deles! - o doutor apontou para os policiais, já em posição de atirar.

A criatura obediente e grata por ter sido tirada do vidro, avançou contra os carros, engolindo-os e engolindo tanto os guardas quanto os paramédicos.

Diablerius caiu de joelhos em prantos de emoção. Era lindo.

- Você é doente demais, vamos Lúcia, precisamos seguir o percurso. - Yvi foi andando na frente.

- Não podem saber o que criamos aqui! Vocês é que são loucas, precisamos adestrar esses bichos! Esses... Maravilhosos bichinhos... - ele olhou para o monstro que estava mudando de preto para vermelho por causa de tantos humanos que havia digerido bem ali, em cinco minutos.

- E quanto à Meiling? Talvez eu possa consertá-la. - Yvi esticou seus dedinhos metálicos no ar.

- Doutor, eu te proíbo! - Lúcia clamou.

- De novo? Melhor deixarmos Meiling descansar, por hora...

Os três olharam para frente vendo ainda o rastro de horror deixado pelas criaturas assassinas.

- O que fazemos com este? - indagou Lúcia.

- Será nosso amigo! - Yvi acariciou a criatura que agora estava quietinha, parada, parecia ter diminuído de tamanho consideravelmente - Precisaremos dele.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obrigada a quem leu até aqui, teremos continuação, em breve...

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 11/01/21 22:42

Extremamente chocada com os acontecimentos! Esse Laboratório é genial, assustador e bizarro. Amei muito.

Obrigada por compartilhar conosco.

Parabéns, 6 ♥

Outras obras de 6 de Janeiro

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Ficção Científica

Outras obras do gênero Mistério

Outras obras do gênero Reflexivo