Garraduende (Em Andamento)
Sabrina Ternura
Usuários Acompanhando
Tipo: Roteiro (Longo)
Postado: 09/10/20 02:52
Editado: 16/01/21 12:04
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 13/01/21 02:36
Cap. Editado: 13/01/21 11:09
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 14min a 19min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 68
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 2395
[Texto Divulgado] "Agostinho dos Santos" Uma parte da vida pode ser esquecida ou ficar na nuvem, no limbo mas, um dia ela cai com tudo em você.
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Garraduende
Nona Cena (Parte 2) Divisão do Sul

NONA CENA (PARTE 2): EXT. MANSÃO JASON (DIVISÃO DO SUL) - MADRUGADA.

Após se dirigir ao extremo Sul do círculo, Diablair joga sua capa vermelha sobre o próprio corpo para ficar invisível. Ele para de correr e começa a levitar de modo a ultrapassar a altura do cômodo em que a Trindade do Apocalipse se encontra, pois está intrigado com a patente do exército diante dele: há somente seres de luz. Era de conhecimento geral no mundo mágico que tais seres eram orgulhosos demais para estarem juntos sem a presença de seu falso deus. Anjos e arcanjos eram, na visão de Diablair, inimigos enrustidos que se adulavam em prol de um deus falso. Era por causa dessas inimizades escondidas que o Líder das Hordas Infernais os desprezava com intensidade. Para ele, o ódio sempre devia se manifestar em sua potência máxima.

DIABLAIR (em pensamento): É um tanto intrigante o fato de todos esses imundos estarem colaborando em conjunto sem protestar ou causar a Quarta Guerra Santa.

[Diablair, ainda flutuando e invisível, passa a analisar a estrutura em que o exército inimigo se encontra: um pouco antes da borda, encontravam-se por volta de 800 Principados com escudos altos e encostados no chão. Logo atrás deles, estava a Cavalaria Celeste, que era composta por 600 Potestades com espadas alvas e flamejantes. Três enormes catapultas encontravam-se acima das elevações do terreno. Os Querubins arqueiros estavam divididos: 300 estavam no solo ao lado das catapultas e 400 no céu, no espaço vazio entre a Cavalaria e as catapultas. A predominância dos arqueiros no céu fez Diablair arquear as sobrancelhas, pois significava que eles sabiam que o Líder das Hordas Infernais atacaria por cima, inicialmente. Além disso, eles não deixaram uma brecha sequer em sua estratégia de batalha.]

DIABLAIR (em pensamento): A conta não bate. Se são 10 mil soldados, deveria ter 2500 aqui, mas certamente faltam 400. Onde esses franguinhos estão?

[Diablair olhou mais uma vez para o terreno, analisando as possibilidades. Era impossível que eles estivessem no solo ou em trincheiras, afinal nada no terreno a olhos nus e espirituais revelou isso ao Líder. Além disso, Diablair concluiu que os 400 soldados em falta eram Serafins.]

DIABLAIR (em pensamento): Apenas alguém causaria um buraco no próprio exército. Eu jamais poderia imaginar que aquele maldito Duende conseguiria trazer para o campo de batalha alguém como Ele. Isso certamente vai ser interessante…

[Tendo chegado à conclusão de que os 400 Serafins restantes estavam protegendo o líder da Divisão do Sul em um local desconhecido, Diablair, ainda flutuando e invisível, esticou ambos os braços e, nas palmas de suas mãos, surgiram dois pentagramas.]

DIABLAIR (em voz alta): Veni, maledictus exercitus¹.

[Por um segundo, nada aconteceu. Entretanto, no segundo seguinte, um imenso pentagrama vermelho cobriu todo o campo de batalha. Mil hordas infernais começaram a sair do mesmo, fosse voando ou em carruagens. O Abismo criado por Meiling ficou completamente vermelho e, das águas do Rio da Escuridão, começaram a sair diversos demônios, que rapidamente escalavam a parede de pedra. Diablair invocou, ao todo, 3 mil soldados infernais.]

DIABLAIR (gritando): HORDAS DO INFERNO, MOSTREM AOS MORADORES DO CÉU A FORÇA DOS QUE QUEIMAM!

[Todas as hordas infernais cercam o Exército do Céu e atacam. Diablair voa na direção das catapultas. Uma enorme pedra em chamas é lançada na direção do Líder Infernal, enquanto o mesmo está no ar. Ao se aproximar da pedra, no entanto, Diablair desfere um soco poderoso e a mesma se desfaz em pedaços. Antes que outra pedra pudesse ser lançada, Diablair pousa em alta velocidade em cima de uma das catapultas, estraçalhando-a na força bruta. Uma nuvem de fumaça se levanta por conta do pouso violento do Líder Infernal e vários Querubins que estavam voando o cercam, apontando para ele suas lanças alvas.]

DIABLAIR (levantando os braços, como se estivesse se rendendo): Vocês querem mais violência?

[Os soldados aproximam suas lanças do corpo de Diablair e o mesmo abre um sorriso macabro.]

DIABLAIR: Eu escolho violência².

[Os Querubins movem ainda mais as lanças, porém Diablair repentinamente desaparece e surge atrás de um dos soldados, quebrando o pescoço do mesmo. Restava apenas dez soldados e todos eles foram golpeados mortalmente somente uma vez sem uso de nenhuma magia ou arma. Ao derrotar os anjos, Diablair saltou e destruiu as outras duas catapultas com socos fortes que abriram crateras no chão.]

DIABLAIR (observando seus demônios lutarem): Estão demorando demais para acabar com a raça dessas galinhas mal depenadas. Vou ensinar a vocês como se faz.

[Diablair levanta os dois braços e uma nuvem de moscas sai de suas mãos.]

DIABLAIR: Traga para a Terra sua podridão, Belzebu.

[A nuvem de moscas adentra o campo de batalha, atacando Principados, Potestades e Querubins. Os arqueiros começam a lançar diversas flechas de fogo com o intuito de queimar os insetos, no entanto quando elas atingem as moscas, viram pó. Diablair solta uma risada maligna ao ver as moscas adentrando os olhos azuis dos anjos. O Líder das Hordas levanta os braços novamente e uma gosma negra sai, consumindo grande parte do solo do campo de batalha.]

DIABLAIR: Destrua-os com sua ira, Azazel.

[A gosma negra começa a criar bolhas verdes e gosmentas nos corpos alvos dos anjos e um cheiro pútrido toma conta do ambiente. Os seres angelicais começam a cair em grande escala, se contorcendo de dor e nojo, padecendo logo em seguida por conta do envenenamento por enxofre. Diablair dá alguns pulos de alegria e bate palmas ao desfrutar da cena. O Líder das Hordas levanta as mãos e, em seguida, as bate no chão.]

DIABLAIR: Contamine-os com sua luxúria, Asmodeus.

[Diversas estátuas de barro sem rostos surgiram atrás dos anjos, pegando-os luxuriosamente pelos pescoços. Em seguida, as estátuas quebraram os pescoços dos seres celestiais restantes no campo de batalha. Quando o último anjo padeceu, todos os demônios no campo de batalha começaram a gritar.]

DIABLAIR: Em formação!

[Automaticamente todos os soldados infernais se alinharam e Diablair pôde ver que que não havia sofrido muitas perdas, pois ainda havia 2800 soldados. O Líder Infernal desceu da rocha que estava e se aproximou de suas tropas.]

DIABLAIR: JUDAS!

[Um cavalo negro apareceu trotando pelo campo de batalha. Quando ele se aproximou, Diablair o montou. Com um estalar de dedos, as roupas do Sacerdote da Deusa foram substituídas por uma armadura negra com diversos símbolos satânicos entalhados em vermelho.]

DIABLAIR: A verdadeira batalha começa agora.

BELZEBU (montado em um cavalo negro logo atrás de Diablair e com diversas moscas voando ao redor de sua cabeça): Então, quer dizer que Ele está aqui? Que audácia!

AZAZEL (montando em um cavalo negro ao lado de Belzebu): Quando os demais líderes infernais souberem disso, vão querer vir correndo para cá. Mas a pergunta que não quer calar é: como diabos aquele Duende conseguiu trazer esses porcos santos para cá?

ASMODEUS (montado em um cavalo negro ao lado de Azazel): Hoje aquele porco angelical pagará pelo o que fez a minha doce Sodoma… E, meu caro Azazel, creio que um dos poderes básicos de qualquer duende seja conseguir persuadir através de encantamentos. Corrija-me se eu estiver errado, meu Mestre.

DIABLAIR: Tem razão, Asmodeus. É algo tão básico que quase me esqueci. Faz sentido isso ser aplicado a seres inferiores, mas existem algumas presenças esmagadoras no campo de batalha de seres superiores. Creio que seria impossível Rumpelstiltskin tê-los enfeitiçado. Ele não teria poder para tal.

VOZ DESCONHECIDA (do outro lado do campo de batalha): Tem razão. Ele não precisou enfeitiçar os líderes das Divisões, todos vieram por livre e espontânea vontade.

DIABLAIR (com deboche): Cansou de lamber a bunda do seu falso deus e agora está seguindo Rumpelstiltskin feito um cão, Gabriel?

GABRIEL (do outro lado do campo de batalha): Falou o homem que controla o Inferno, mas é apenas o mero cão de uma deusa imunda sem poder algum. Sabe o que dizem pelo Submundo, caro Diablair? Que essa tal Trindade do Apocalipse é uma farsa e que você as sequestrou de suas verdadeiras famílias para colocar medo nos demais líderes submundanos para manter sua grandeza.

[Diablair inclina o corpo para frente, apoiando os cotovelos no pescoço de Judas. Seus olhos possuem um brilho ameaçador, mas sua expressão está completamente leve.]

DIABLAIR: Engraçado você dizer isso, concubina dos Serafins. Me soa como algo que você faria.

[O rosto de Gabriel se contorce e Diablair solta uma risada de satisfação ao vê-lo estressado. O Líder das Hordas Infernais desce de seu cavalo.]

DIABLAIR: Vamos resolver isso somente nós dois, Gabriel. Pela primeira vez na vida haja como um arcanjo e resolva isso sozinho. Estou te dando o benefício de apenas sonhar com a vitória.

GABRIEL (rindo): Sou um arcanjo, mas não sou burro. Jamais o enfrentaria diretamente, é para isso que os 400 Serafins servem.

DIABLAIR: Entendo. Mas, deixe-me perguntar uma coisa aos seus Serafins: vocês lutariam por um homem que não lutaria por vocês?

[Todos os Serafins ficam em silêncio, mas suas expressões faciais demonstram um profundo desgosto ao ouvirem as palavras verdadeiras de Diablair. Gabriel fica boquiaberto com a maneira que Diablair o humilha diante de seus homens.]

DIABLAIR: O silêncio de vocês diz muitas coisas. Não preciso que me dêem uma resposta. Vocês [Diablair se volta para seus homens], não ousem se mexer. Essa luta é minha.

[O exército infernal consente. Os Líderes Infernais encaram com orgulho seu Mestre.]

GABRIEL: Você deve se achar muito poderoso para enfrentar a mim e meus homens sozinho.

DIABLAIR: Me acho, porque sou poderoso mesmo. E tudo o que vou precisar é dar um socão no meio dessa sua cara de puta. O seu erro, Gabriel, foi ter ofendido a minha Deusa e a minha família.

GABRIEL: Se um erro significa falar a verdade, acolho com tranquilidade meu destino.

[Diablair desaparece e, logo em seguida, aparece no ar diante do rosto de Gabriel, no qual desfere um soco forte o suficiente para afundar o nariz do arcanjo. Rapidamente, o Líder Infernal pousa e, de maneira inumana, ele estica seu braço de modo a deixá-lo largo e gigante, tornando toda a sua carne desfigurada. Violentamente, Diablair move o braço e esmaga 50 Serafins. Seu braço volta ao normal, mas o Sacerdote da Deusa já está preparado para o próximo golpe: juntando as duas mãos, ele as bate na cabeça de um único Serafim, esmagando todo o corpo do ser celestial e espelhando seus órgãos pelo chão, porém o impacto do golpe continua mesmo após o Serafim estar morto, pois o intuito do Líder Infernal era acertar com violência o chão para parti-lo ao meio e derrubar 150 Serafins no Abismo. Os 200 Serafins que restaram fizeram um círculo ao redor do corpo desacordado de Gabriel, ativando suas espadas de fogo.]

DIABLAIR: É incrível como vocês agem como gado! Mesmo sabendo que essa puta celestial não lutaria por vocês, ainda assim, o protegem.

[Os Serafins permaneceram em formação, entretanto se entreolharam quando Diablair falou tais palavras.]

SERAFIM DESCONHECIDO (sussurrando): Nem sempre, caro Senhor, nos dão o benefício da escolha.

[Diablair encara com pena os Serafins.]

DIABLAIR (gritando): SAIAM DO MEU CAMINHO!

GABRIEL (atrás dos Serafins, já recuperado): Não deixem ele passar. Ergam uma barreira divina até que Rafael apareça aqui para me buscar.

DIABLAIR: O próprio Jesus poderia vir aqui para te buscar e ainda assim, eu mataria você e qualquer habitante do Céu que estiver diante dos meus olhos.

GABRIEL: Então, venha! Tente ultrapassar os Serafins. O que te impede?

[Os Serafins encaram perplexos Gabriel por oferecê-los facilmente a morte.]

DIABLAIR: O meu senso de honra me impede de ultrapassar seus pobres homens. Dizem que os demônios são nós, mas todos vocês, seres celestiais, fedem a merda e corrupção. Vocês são os verdadeiros demônios.

[Diablair começa a correr na direção do círculo de Serafins.]

GABRIEL (gritando): Ergam a barreira!

[Os Serafins não se movem. Diablair se aproxima do círculo e os Serafins abrem caminho, permitindo a passagem do Líder Infernal.]

GABRIEL: Traidores inúteis!

DIABLAIR: Cala a boca, pedaço de merda.

[Diablair segura Gabriel pelos ombros, dá um impulso para trás com o pescoço e, com violência, bate sua cabeça contra o rosto de Gabriel. Uma, duas, oito, treze vezes. O sangue azul do arcanjo cobre o rosto de Diablair.]

DIABLAIR: Eu ainda não acabei com você.

[Diablair enfia a mão direita no peito de Gabriel e, com a mão esquerda, desfere um golpe no chão para realizar um ataque mágico.]

DIABLAIR: Crucificado.

[Uma enorme cruz surge através de um pentagrama vermelho e Diablair arremessa o corpo de Gabriel sobre a mesma.]

DIABLAIR: Messorem¹.

[A criatura fantasmagórica do Ceifeiro surge diante do corpo crucificado de Gabriel, entretanto a criatura ceifadora possui uma forma feminina.]

DIABLAIR: Contemple o poder da Deusa, Gabriel.

[O Ceifeiro toma a forma completa da Deusa. Gabriel, com o rosto curado, começa a gritar.]

GABRIEL: Você não pode me matar. Eu sou o arcanjo mais poderoso!

DIABLAIR: Apenas um deus pode matar um arcanjo.

DEUSA: Você continuará sendo o arcanjo mais poderoso… no Vazio.

[A cruz começa a afundar no chão. A forma fantasmagórica da Deusa encara Diablair com um sorriso. O Líder, assim como as tropas infernais, fazem uma reverência para a Deusa. Quando a cruz desaparece, a Deusa some.]

DIABLAIR (para os Serafins): A luta ainda não acabou.

SERAFIM DESCONHECIDO: Acabou. Nós nos rendemos.

[Em vez de largarem as armas, todos os 200 Serafins restantes enfiaram suas espadas flamejantes nas próprias barrigas.]

DIABLAIR: O QUE ESTÃO FAZENDO?

SERAFIM DESCONHECIDO (com sangue saindo da boca e quase desaparecendo nas chamas): Esperamos que… em outra vida… um líder honrado como você… nos lidere.

[Todos os Serafins restantes são consumidos pelas chamas e padecem. O exército de Diablair se aproxima.]

BELZEBU: Excelente luta, meu Mestre. Certamente entrará para a história.

AZAZEL: Todos eles preferiram morrer do que lutar contra o Senhor… mas todos sabiam que Gabriel era o micróbio de excremento mais escroto do mundo mágico.

ASMODEUS: Caro Mestre, creio que devemos refletir acerca dos acontecimentos desta batalha…

DIABLAIR: Sim, Asmodeus. Há uma revolta se instaurando em nosso mundo. Vocês também sentiram a presença do outro Líder Infernal, não é?

[Belzebu, Azazel e Asmodeus acenam positivamente com a cabeça.]

DIABLAIR: “Perdão” não é algo do nosso feitio e “misericórdia” não é uma palavra do nosso vocabulário. Todo e qualquer traidor perecerá! E isso não será diferente para Leviatã, um dos setes Líderes do Inferno.

FIM DA NONA CENA (PARTE 2)

❖❖❖
Notas de Rodapé

¹ Tradução do latim: Veni, maledictus exercitus = Venha, exército maldito. Messorem = Ceifeiro.

² Icônica frase dita por Cersei Lannister em Game of Thrones.

Apreciadores (2)
Comentários (2)
Comentário Favorito
Postado 13/01/21 03:45

Satanás... Eu juro por todo o Inferno que não imaginava (ou tinha me dado conta) que o "tio Diab" estava nesse patamar de poder pessoal e autoridade no Inferno...

Estou tão feliz com toda essa consideração, malevolência, "blasfêmia" e ultraviolência aqui demonstradas que somente um abraço de destruir costelas poderia demonstrar adequadamente o quanto eu adorei este capítulo em TODOS os sentidos! Deve ter dado um trabalhão MISERÁVEL construir toda essa cena épica (assim como as demais) e eu só consigo humilde e intensamente agradecer por ter me concedido tamanha dádiva literária, querida, talentosa e overpower soBrina!

Satã, essa treta monstruosa ficou excepcional! Essa obra poderia/deveria virar um filme/seriado/anime FÁCIL! Qualidade, criatividade e riqueza de detalhes não faltam e a obra só faz melhorar a cada postagem, é impossível não se empolgar e desejar mais atualizações!

PQP, DIABLAIR ESTÁ MANDANDO E DESMANDANDO NA P%##@ DO INFERNO, CARAJO! CHUPA ESSA, LÚCIFER!

Meu muito obrigado de todo o meu coração, Divina Brina e meus mais sinceros e impressionados parabéns! Você está MITANDO LIKE A HELL BOSS!

Atenciosamente,

um ser surpreendido, agradecido e feliz pra caramba, Diablair.

Postado 15/01/21 23:20

Quando escrevi esse capítulo, fiquei pensando no quanto, até então, nós ficávamos falando que o Tio Diab era o rei do Inferno. Por isso foi impossível não escrever um capítulo que tentasse fazer jus a essa denominação e autoridade. Mas, calma, lembra que tem uma galera querendo meter a faca nas suas costas. Será mesmo que o Lúcifer não tá sabendo disso?

Obrigada pela presença e comentário, Tio Diab ♥

Postado 15/01/21 03:19

Mano, na moral! Esse tio é muito poderoso! O cara é tipo pitbull em canavial, sai derrubando tudo que vê pela frente sem nem fazer esforço! Como diz o Damon: Pelo ódio da Deusa!

Eu sempre suspeitei que o tio era uma das criaturas mais fortes da nossa família, mas aí ele simplesmente sambou na cara do Gabriel. Nem as rainhas de escola de samba superam!

Ler isso só me deixa mais agoniada para saber o que vai acontecer com a Imperatriz! Socorro!

Parabéns, Brinis!

Postado 15/01/21 23:22

A minha linha de raciocínio morreu quando li "pitbull do canavial" KKKKKKKK. PUTA MERDA, FLÁVIA!!! KKKKKKKKK

Diablair é daquela escola de samba super famosa, a Unidos por Lúcifer.

Obrigada pela presença e comentário, Flavinha ♥

Outras obras de Sabrina Ternura

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Aventura

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Drama