O amigo de castigo
Nilton Victorino Filho
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 12/02/21 10:16
Gênero(s): Cotidiano
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 99
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 366
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Capítulo Único O amigo de castigo

Na verdade, não importa como começou a amizade, conta mesmo é que ela perdure e, se ao cabo de mais de quarenta anos, a recordação dela te trouxer um riso no rosto, essa é uma amizade eterna.

Quando conheci o Valdeci do lar 13, sequer eu ainda era interno do

Educandário Dom Duarte

, foi num passeio dos internos da Casa da Infância do Menino Jesus, ato que se dava para que os meninos se ambientassem na sua próxima morada, eu, o Dooley e o João Augusto conferíamos o gramado do campão, era ainda hora de jogo e ele era o goleiro, óbvio que ele não gostou.

Diante da indignação dele, rodeei o gol e disse a frase profética.

_Quando vir morar aqui, vou estufar essa sua rede.

Fui morar no lar 14, fiz amizade com todos os guris do 13, menos com o Valdeci, olhamo-nos e viramos a cara.

Em hora de recreio, brincando no lago, uns guris não ouviram o sirene e o irmão Lacídes entregou dois para o irmão Simão.

Um do lado do outro, olhando cada qual para a parede, feito dois inimigos, até a meia noite, no fim do castigo, seguimos em silêncio até o teatro, onde a subida da jaqueira e a escadinha do 13 nos separava.

Dia e mais dias, cumpri a promessa e estufei a rede do 13, no campeonato interno, no final do jogo não nos cumprimentamos.

Dois dias depois estávamos de castigo de novo, quatro horas olhando para a parede e sem olhar pro lado, um silêncio velado, temperado de ódio.

Depois do jardim circular do teatro, onde cresce uma palmeira ao centro e os buchinhos a cercam, ensaiei uma despedida:

_Tchau.

Isso saiu entre os dentes, quase não se podia ouvir.

O tchau que ele disse foi mais baixo ainda, quase forçado.

Dias depois nos encontramos na mesma situação, não aguentei:

_Caramba moleque, a toda hora você está de castigo???

_Olha quem está falando...

E rimos a valer, entramos a conversar e esquecemos que se tratava de um castigo.

O alemão meteu a cara pela janela da sala dele e sorriu irônico:

_Que bom que agora são amigos, o castigo foi aumentado em mais duas horas.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (2)
Postado 15/02/21 10:56 Editado 15/02/21 10:58

Shahahahaha! Amizade é sempre algo muito louco e não tem como, sempre há algumas rusgas na história. Mas, como o senhor bem disse, quando isso acaba for gerar algumas boas risadas e permanece fortalecendo -se a despeito do tempo, é verdadeira.

Um dos maiores alentos no/para este ambiente tantas vezes inóspito e maligno que é nosso mundo...

Que leitura leve e agradável, Sr Nilton! Muitíssimo obrigado e meus parabéns por esta obra acolhedora!

Atenciosamente,

um ser que, mesmo sendo (ou pelo menos se sentindo) um desperdício vitalício, ainda conseguiu alguns dos melhores amigos que alguém poderia ter nesta vida e neste mundo, Diablair.

#AD04

Postado 13/07/21 16:51

Seus textos são sempre uma delícia de se ler e os sentimentos e lembranças que evocam são maravilhosos!

Amo suas histórias!