Águas Profundas (Em Andamento)
Esfinge
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 18/06/22 15:54
Editado: 19/06/22 21:22
Qtd. de Capítulos: 19
Cap. Postado: 18/06/22 17:32
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 8min a 11min
Apreciadores: 1
Comentários: 0
Total de Visualizações: 39
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 1352
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Águas Profundas
Capítulo 6 Capítulo 6

Longe de onde Aydan e os outros estavam, o puma corria pela floresta para fugir da chuva que estava caindo. Ele encontrou uma caverna pequena e se escondeu, largando o embrulho no chão. O bebê começará a chorar e ele desconfiava que era de fome.

"Ótimo, agora o que eu faço com você? O próximo templo é muito longe daqui"

Nesse momento, uma raposa vermelha entrou na caverna rosnando atrás do intruso que tivera a ousadia de entrar em sua casa.

O puma rosnou e colocou seu corpo na frente do filhote humano.

A raposa iria atacar, porém o bebê chorou alto. O puma recuou um pouco e apontou a pata para o bebê. A raposa também saiu da posição de ataque desconfiada e deu uma leve olhada no rostinho vermelho de choro. Logo depois, iniciou a transformação.

− O que você faz com esse bebê ômega? − A raposa deu lugar a um homem de longos cabelos escarlates e olhos da mesma cor.

Até mesmo entre as bestas, havia um código de conduta não-escrito, elas eram seres inteligentes, orgulhosos e tinham seus princípios que cruzavam uma linha fina entre a violência e a razão. Nessa linha, uma besta jamais mataria ômegas, marcados ou não, muito menos crianças e filhotes.

O puma se transformou para poder explicar a situação.

− Atacaram o templo que existe no pé da montanha, mataram todos os monges e não tinha sinal dos ômegas que estavam lá, eu encontrei somente esse bebê deixado na floresta.

− E por que veio para cá? Você planeja cuidar dele numa caverna?

−Eu planejo levá-lo até o outro templo.

A raposa observou o pequeno que tinha cansado de chorar.

− São dias de viagem, você é burro? Filhotes humanos são frágeis e morrem por qualquer coisa, ele parece estar com fome.

− Idiota, eu sei que ele está com fome e sei que é frágil. Eu parei aqui por causa da chuva, acha que eu queria ter entrado nessa caverna fedorenta? − O puma olhou para ele com raiva.

− Ora seu! − Uma veia brotou em sua testa.

−Se não vai me ajudar, não atrapalhe. Eu não tenho tempo de brigar, aliás, esse pode muito bem ser seu companheiro.

Ele não sabia, mas tinha pisado em um calo, deixando a raposa ainda mais brava.

−E daí? Quem disse que eu quero um companheiro? Imbecil. − A raposa deu as costas e foi para os fundos da caverna.

− Se você não queria, porque veio morar perto dos humanos? eu moro aqui faz um século e sei que você vivia aqui bem antes de mim.

A raposa fechou os olhos e se conteve para não chutar aquele idiota, pois não queria cuidar de criança nenhuma.

Nem todas as bestas queriam constituir família, então se tornavam nômades, vivendo aqui e ali, bem longe dos seres humanos, a expectativa de vida variava por espécie, podendo viver séculos ou até milênios. Ele mesmo era uma raposa velha, uma das últimas de sua espécie.

Depois que os seres humanos começaram a cultivar métodos de artes marciais, energia de chakra e magia, eles se tornaram ainda mais ambiciosos por poder e riquezas. Caçando bestas mágicas e usando suas peles, seu sangue e até sua carne para consumo próprio. Muitas bestas decidiram se refugiar na floresta para evitar o confronto, mas a cada dia o homem tomava mais e mais espaço.

Ele mesmo havia se isolado para cultivar seu poder nessa caverna escura, meditando por sabe-se lá quantos anos. Quando ele terminou de cultivar, descobriu que os humanos tinham criado uma aldeia, se mudando para aquela região, se multiplicando como coelhos. Ele se disfarçou e foi pessoalmente investigar, descobrindo a porra de um templo com ômegas. Era tarde demais para fugir.

−Cala boca e cuide da sua vida. Eu deixo você ficar, mas amanhã você vai ter que se virar com esse filhote.

−Ok, como se eu quisesse ficar aqui. − O puma embalava o menino tentando acalmá-lo

− Não adianta balançar, ele não vai parar até mamar. Eu vi como as mulheres humanas fazem. Elas tiram o seio para fora e esse monstrinho se gruda o dia inteiro.

−Eu tenho cara de mulher, por acaso?

−Ai que burro..eu vejo que terei que falar detalhadamente. Você vai até a aldeia e arruma uma mulher para amamentar, ou uma que saiba outra forma de fazê-lo comer.

O puma rosnou com a ideia.

−Ir numa aldeia de humanos? Você só pode estar de brincadeira.

−Eles não vão saber que você não é um deles, eles são pessoas ignorantes sobre magia − Ele estava perdendo a paciência com aquele puma.

−É mais os humanos também não gostam de ômegas marcados e eu falo o quê? Conto que eu achei na floresta?

−Aff...tá, eu vi que terei que me meter...eu o levo e uso minha magia para cobrir o sinal. Vamos, a chuva parou.

A raposa pegou o bebê no chão e ambos correram para o vilarejo.

−Você fica aqui e espera eu voltar.

Uma fumaça rodeou o corpo dele, deixando a aparência de um homem maltrapilho e sujo.

O puma ficou admirado com aquele poder, mas por fora ele fez uma cara de nojo. A raposa entrou no vilarejo e demorou algumas horas, saindo com uma garrafa de leite e com o bebê enrolado num pano limpo.

− Admita que eu sou bom demais. −Ele sorriu e entregou o bebê como um pacote.

− É, você se fez útil, eu irei indo então, talvez eu consiga chegar lá em dois dias.

− São uns seis dias de viagem.

− Não é só você que tem poder. O puma virou-se para ir embora, mas lembrou de um detalhe. − Avise quantas bestas você conseguir sobre o que aconteceu no templo, talvez algumas delas queiram ir atrás dos assassinos.

O outro homem revirou os olhos.

−Tá.

Os dois homens se transformaram e cada um foi para o seu lado.

Em uma árvore próxima, um pássaro negro ouviu e observou toda a história. Ele pensou por um momento e depois voou para longe.

• ────── ✾ ────── •

Na mansão, Aydan e seus irmãos foram acordados logo cedo com a movimentação dos guardas que entraram em sua cela e arrastaram os dois ômegas para fora, eles gritaram e Aydan e os outros tentaram ajudar em vão. Ele gritou e amaldiçoou todos eles, mas ficou em silêncio quando aquele homem desprezível surgiu.

-Quanta gritaria, vocês querem tanto vir junto? -Raiden chegou perto da grade e Aydan quase chorou de raiva. -Seu desgraçado, o que vai fazer com eles?

−Você quer ver? Guardas, tragam esse também.

Rinne e Rute seguraram o irmão.

− Nem por cima do nosso cadáver!

−Ah é? O que você acha disso Aydan..eu posso levar um dos seus irmãos no seu lugar, talvez essa jovem. -Seus olhos se encheram de malícia e ele olhou para Rute.

−Eu vou por conta própria! − Aydan se livrou do braço dos dois. Ele sabia muito bem o tipo de manipulação que Raiden queria e do que ele seria capaz. Ele não permitiria que ele tocasse seus irmãos, nem que para isso ele se sacrificasse.

−Por favor, irmão...-Rute pediu baixinho

−Tudo bem, Rute. Eu sou mais velho e sei me cuidar, cuide de Rinne enquanto eu não volto.

Rinne se sentia enjoado e tonto. Ele tentou falar, mas não conseguiu.

Assim, Aydan seguiu Raiden até uma carruagem.

• ────── ✾ ────── •

Após a saída de todos, o carcereiro fechou a grande novamente e Rute observou seu irmão sumir pela porta.

−Rute..eu não me sinto bem. -Rinne falou e suas vistas ficaram escuras, desmaiando no chão.

−Pelos deuses Rinne! Rinne! − Ela virou o irmão e passou a mão no rosto, a testa estava fervendo e seu rosto vermelho. − Ai droga, ah não Rinne, por favor, não entre no cio aqui!

Aquele era um sintoma do primeiro cio. Eles sempre perguntavam como seria seu primeiro cio para os monges e Aydan também dissera sua experiência.

Rute suspirou preocupada, todos os homens que faziam a guarda eram alfas e um ômega em cio era uma tentação.

−Que os deuses nos ajudem.

❖❖❖
Notas de Rodapé

No próximo capítulo saberemos o que aguarda nosso grupo. Hoje foi para acrescentar alguns personagens e mostrar o ponto de vista das bestas mágicas.

Nessa história eu uso nomes variados como "besta espiritual" e talvez "bestas demoníacas" mas em resumo, nessa história elas podem ser animais mitológicos e folclóricos, que podem atingir um nível de poder e assim assumir a forma humana, se quiserem.

Apreciadores (1)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!