Contos de Sangue e Flores (Em Andamento)
HaterDoMundo
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 14/08/16 17:21
Editado: 13/09/16 10:39
Qtd. de Capítulos: 4
Cap. Postado: 14/08/16 17:21
Cap. Editado: 14/08/16 17:23
Avaliação: 9.1
Tempo de Leitura: 5min a 7min
Apreciadores: 4
Comentários: 3
Total de Visualizações: 602
Usuários que Visualizaram: 12
Palavras: 900
[Texto Divulgado] "a dança" sabe-se lá quanto vinho tomamos naquele quarto, de repente tu ligaste o rádio, colocou a musica lenta e pediu para que eu pegasse sua mão, e eu o fiz. dançamos desajeitados, rindo como tolos, nem sabíamos direito os passos, mas tudo bem, só nós estávamos lá, e estávamos felizes. era o que valia.
Não recomendado para menores de dezoito anos
Contos de Sangue e Flores
Notas de Cabeçalho

Este é o primeiro de diversos contos que planejo postar aqui. Divirta-se.

Capítulo 1 O Inferno de Um Homem Sem Coração

-- Sabe... O mundo todo gira junto uma vez por dia. Sim. Todos nós nos movemos em círculos de um lado para o outro do Sol, todo o santo dia... Um saco, né?

O cheiro de gasolina e esgoto empesteava o banheiro já apertado. Não era possível identificar o que estava mais sujo, a privada aberta com um facão a apoiando, ou a pia com sua torneira enferrujada, sabão ensebado e uma gosma marrom impregnada.

O chão sujo estava alagado, formando pequenas ondas de agua quente ao redor dos pés inquietos do homem e da banheira que tomava quase todo o espaço do pequeno cômodo. Sob ela haviam papéis rasgados e molhados. A maioria eram contas de luz, água ou panfletos de uma "nova churrascaria" que tinha aberto a cinco anos atrás.

A luz fraca que iluminava o local imundo vinha de dois pontos. Uma pequena janela que servia de suporte a uma espécie de porta escova de dentes abandonado. E uma lâmpada incandescente pendurada no teto aos pedaços.

O ultimo detalhe a ser notado, em um dia qualquer, poderia ser o suporte para toalhas, prezo precariamente acima da pia, ou o encanamento enferrujado que deveria ser o maior depósito de tétano da cidade. Todavia, aquele não era um dia normal. Os últimos, na verdade, os primeiros elementos a se observar naquele banheiro sujo eram os dois homens:

Um de meia idade com barba cheia e grisalha, que observava o outro de pé com uma garrafa de gasolina nas mãos e um olhar sombrio indecifrável.

O outro homem tinha olhos cheios de ódio e a boca tapada por uma fita. O mesmo estava amarrado por toda a extensão dos braços e pelas pernas, jogado e sem camisa dentro da banheira suja e quase vazia. Seus olhos de ódio podiam transpassar, também, um pavor e medo enorme.

-- O que estou querendo dizer... É que a porra dos seres humanos tem muito em comum. Mas mesmo assim não tem como todos nos darmos bem, não é? - O homem de meia idade deixou a garrafa de gasolina no chão e se inclinou para pegar o facão afiado que apoiava a tampa da privada, fazendo-a se fechar com um baque plástico que ecoou pelo banheiro alagado e imundo. - Alguns de nós não podem viver sabendo que o cara que estuprou e matou sua filha se safou da cadeia porque simplesmente "tinha contatos".

O homem abriu a porta velha, junto a um sorriso, e trouxe um pequeno banquinho para se sentar próximo ao outro.

-- Alguns de nós precisam de algo para aliviar um pouco a dor, sabe? - Se inclinou sobre o homem indefeso que se contorcia o máximo que podia. - Algo como vingança.

Pouco a pouco o grisalho deslizava a lâmina pela pele do outro, como se limpasse a sujeira que a tampa da privada deixara na faca. Com os movimentos bruscos do estuprador, pequenos cortes já apareciam na pele e manchavam a faca de vermelho escuro.

-- Minha pequena Hearth.. Ela ia pra faculdade de filosofia. Ela amava as palavras dos antigos filósofos... Você não deve entender nada sobre eles, não é lixo?

Então a força chegou as mãos calejadas do homem que começou pouco a pouco a cortar finos pedaços da pele do ombro esquerdo do outro, que gritava por detrás da fita.

-- Baltasar dizia que o desprezo é a forma mais subtil de vingança. Então comecei com ele. Eu o alimentei e o fiz crescer e crescer até chegar ao ponto de virar asco e nojo. Um puro desejo de extermínio. Depois de sentir isso eu me senti mais livre que nunca na minha vida. Era fácil. Eu só precisava te fazer sofrer. Esse se tornou o objetivo de toda minha vida! - A faca pareceu ter entrado mais fundo, dado à expressão de agonia excruciante do outro.

--E também tem Confúcio que disse: "Antes de sair em busca de vingança, cave duas covas." - Olhou de relance para a própria cintura, checando o revólver que lá estava. - Bom... Podemos dizer que esta parte está arranja.

Assim que terminou o que queria fazer, o homem grisalho se levanta, batendo as mãos no colo para tirar os pedaços de pele que lá havia caído. Ele sorriu mais uma vez para a o coração de carne viva que tinha feito no ombro do assassino.

-- Agora você também tem um coração, como eu a tinha. - Afastou o banco com a perna esquerda enquanto puxava o tanque de gasolina do chão, para depois despejar seu conteúdo por toda a banheira e sobre os cabelos meio esverdeados do estuprador. - Como se sentirá quando o perder? Como se sentirá quando perder a vida? Na verdade acho que não vai sentir nada, mas...

Puxou uma caixa de fósforos do bolso e a acendeu na frente do rosto do outro.

-- Sabe?... Epicuro, o favorito de minha Hearth, dizia que a justiça é a vingança do homem em sociedade, como a vingança é a justiça do homem em estado selvagem. Bem... - Atirou o fósforo aceso na banheira cheia de gasolina, ateando fogo ao estuprador.

-- BEM VINDO A SELVA, ANIMAL!

O grisalho ficou observando as chamas consumirem pouco à pouco sua vítima. Quando o fogo queimou a fita, ele se deleitou com os berros de dor do outro.

Por fim, com um sorriso no rosto e um gargalhar insano, a noite é fechada com o som de um disparo e o cheiro de carne queimada.

Fim...

❖❖❖
Notas de Rodapé

Texto escrito ontem no celular. Como sempre, tem uma violência bem pesada, então se não gostarem desse tipo de coisa é melhor nem ler. Embora espere uns comentários legais do pessoal lindo desse site.

Apreciadores (4)
Comentários (3)
Postado 14/08/16 17:59

Eu fiquei bem tenso enquanto lia, deu pra sentir o clima pesado no dialógo. Muito bom, estou ansioso pelos próximos.

Postado 17/08/16 11:01

Muito obrigado!!! Era exatamente essa a sensação que eu queria passar.

Postado 11/09/16 12:52

Cara, se todos os contos que você fizer a partir de agora forem nesse nível, você vai fazer algo único! Quanta criatividade e cultura você esbanjou aqui! As frases que você escolheu, a situação que você criou, o jeito que você terminou... Enfim, tudo numa qualidade surpreendente! Infelizmente seu conto possui erros técnicos, como por exemplo dois traços ao invés de um travessão. Mas ainda sim, isso se torna nada perante sua criatividade e narração.

Parabéns pela excelente criação! :D

Postado 11/09/16 14:37

Muito obrigado. Espero realmente fazer jus a esses elogios.

Os erros técnicos são por falta de conhecimento mesmo. Nunca tive bons professores de portugues pra me ensinar gramática.

Os traços são porque não sei como utilizar o travessão no word.

Postado 11/09/16 20:05

Estou aqui para ajudar! Se quiser, te mostro como fazer e como usar! Só chamar! <3

Postado 13/09/16 10:20

Sim! Seria muito legal se você pudesse!

Postado 13/09/16 17:43

Moço, moço, moço!!!!

MOÇO VEM CÁ QUE EU QUERO TE ABRAÇAR

Que texto mais lindo <3 <3 <3 <3

Esses detalhes sobre o banheiro foram deliciosos!!!!

E saber o motivo que levou o barbudo a matar o homem.... foi espetacular!!!!

Maravilhoso!! Perfeito!!!

Adorei cada segundo da narrativa *-*

Meus parabéns por esse texto incrível...!!!

Atenciosamente, Meiling!

Postado 14/09/16 11:01

Quem sou eu para recusar um abraço?

Agradeço os elogios, mas acho que essa descrição exagerada no começo quebrou um pouco do clima.

Outras obras de HaterDoMundo

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Fantasia