Me afogo em teu ser
Viajante do Tempo
Tipo: Lírico
Postado: 06/09/16 12:04
Gênero(s): Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 556
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 308
[Texto Divulgado] "Em tempos de Corona" Olá leitor, espero que esteja tudo bem por aí (ademais, são tempos de quarentena). Falando nisso, vamos falar do título "Em tempos de corona..." - significa dizer que foi escritório prioritariamente em função dos últimos acontecimentos relacionados à pandemia mundial. Bora refletir sobre o que os últimos acontecimentos podem nos dizer? Abraços virtuais bem de clima de pandemia!
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Me afogo em teu ser

Me afogo em teu ser

Eu lembro de você

Eu não esqueço o que você me fez

Agora sou dependente de você

Eu era horrível com todos

E tudo, ódio era o que eu tinha

Não havia mais nada, apenas pontas

De emoções

Mas sufocado pelas minhas razões

E quando você perguntou o por que

Eu lembro que você começou a debater

Eu logo ameacei, com minha raiva

Enquanto a maioria recuava e deixava quieto

Você teve a coragem

E ainda provocava mais

Enquanto eu esbravejava

Minhas lágrimas rolavam

Você falava, provocava

Eu me irava mais

Mas isso não parou você

Você continuou até que você achou

Por trás de toda aquela frieza

E todo o desespero

Você encontrou

Como um garotinho assustado

Todo amedrontado

E acorrentado

Chorando sem parar

Você deu o jeito de me abraçar com suas palavras

Agora vivo tranquilo, mas

Tudo quer voltar, o parasita

Ele me provoca e diz mentiras sobre você

Ou são verdades que não quero crer?

Ele cria as ilusões

E sozinho eu não consigo lutar

Eu fico nervoso e ele se alimenta disto

Da tristeza e sussurra devagar tudo aquilo que já sei

E ele quer retornar

Ele quer a lua de ódio

Para poder retornar

Ele quer tudo tomar o meu lugar

Me perdoe por ser tão dependente

Mas lembra no filme do Hulk

Que no final ele só precisava que a Bety

O abraçasse

Então

Assim eu preciso de você

Aquela calma constante

Eterno calmante

Fico dopado

Talvez como um leão indomado

Que fica amansado com uma flor

Não sei se tal metáfora existe de verdade

Mas aqui, você domou meu ser

E fico tão maravilhado

Que parece que estou sempre falando a primeira vez com você

E fico aconchegado

E vou me afogando

Nesta imensidão e calmaria

Que é o teu ser

Eliézer Viajante do Tempo

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (2)
Comentário Favorito
Postado 06/09/16 15:55

Porque o amor faz isso, ele muda as pessoas completamente, independente do tempo que se prossiga e persista... Ele sempre muda.

O legal é que já na primeira estrofe somos presenteados com a introdução e a explicação do título. Ele era uma pessoa horrível antes de conhecê-la; havia dentro de si mesmo um parasita (pontos, também, por se referir a esses sentimentos descontrolados como raiva, amargura, ódio) que o impedia de viver. Viver como, digamos, uma pessoa normal, sem querer por qualquer coisa agredir verbal ou fisicamente.

No começo o tratamento era o mesmo, até que temos a controvérsia que começa no quarto parágrafo. De tanto persistir ela achou o motivo desse parasita existar... Encontrou uma brecha que a permiti lidar melhor com a situação, e até mesmo ajudar a controlá-lo.

Todavia, como controlar algo que faz parte de você? E que te tornou? Assim como precisamos de oxigênio, principalmente, para vivermos, o nosso querido eu-lírico precisa da pessoa amada para acalmar essa devastação que carrega dentro de si mesmo. Ela era a calmaria em noites tempestuosas.

E de fato ele literalmente se afoga no ser que o mantém. Ele se afoga na sua salvação.

Ótimo poema, rapaz. ♡

Postado 06/09/16 16:21

obrigado!!! Fico feliz por ter gostado

,

Afinal quse coloquei "baseado em fatos reais"

Obrigado moça!!

Abraço

Postado 15/09/16 12:40

"Ele me provoca e diz mentiras sobre você

Ou são verdades que não quero crer?"

Essa parte foi bem triste... bem verdadeira.

Acho que esse tipo de pensamento já deve ter passado pela cabeça de todo mundo... infelizmente :(

Amor... sentimento tão bonito, mas que por tantas vezes nos fez/faz/fará sofrer....

Belíssimo poema!!

Parabéns Eliézer!!

Um abraço, Meiling!

Postado 15/09/16 13:19

Obrigado madame,

O problema não é o amor, mas acho que nós mesmos , não sei bem,

Afinal passo por isso, mas obrigado , fico feliz por gostar do poema.

Abração amiga!!