Salem 1623
Filipe Alves
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 31/10/16 23:29
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 262
Usuários que Visualizaram: 13
Palavras: 662
Este texto foi escrito para o concurso "Concurso de Halloween" No Concurso Oficial de Halloween da Academia de Contos, apoiado pela DarkSide Books, convidamos os participantes a escreverem textos no estilo "creepypasta", ou seja, obras detalhadas de terror escritas com o objetivo de assustar os leitores e deixá-los se perguntando o que é real e o que é ficção na história. Ver mais sobre o concurso!
Não recomendado para menores de dezoito anos
Capítulo Único Salem 1623

Salem 1623

Noites escuras e mais densas cobriam a pequena cidade de Salem, a caça às bruxas já perdurava por quase um século pelo mundo todo, relatos contam que a Inquisição em países como Alemanha e Inglaterra era de certa forma horripilante, qualquer um que fosse minimamente suspeito seria levado para os vastos testes que poderiam ser feitos para descobrir indícios de bruxaria, muitos acabavam morrendo sem nem ter algo envolvido.

Aquela noite estava calma, e um pequeno bar onde homens bebiam, algo estava prestes a ocorrer, muitos homens usavam da caça às bruxas para se aproveitarem de mulheres inocentes, e naquele dia não foi diferente, um soldado tentava tocar uma jovem mulher, este passava a mão pelo corpo da garota que não deveria ter idade o suficiente para entender o que ele queria, sua mãe observava de longe, mas nada poderia fazer, se tentasse interferir, poderia ser denunciada como bruxa.

Os toques pegajosos e nojentos do homem pela intimidade da garota, parecia não incomodar os outros visitantes do bar, ele passava a mão pelo corpo com volúpia, e decidiu que já era hora de consumar aquele corpo, segurou a garota nos braços com força, e a levou para os aposentos que haviam em cima do bar, se antes já era ruim, agora os toques eram violentos, a roupa dela havia sido rasgado, o soldado passava a língua pelo corpo, e a garota podia sentir que ele estava se excitando com aquilo, e ela só possuía um desejo, que aquilo acabasse logo, que aquele homem terminasse isso o mais rápido possível, e nesse momento ela começou a fazer pedidos, mas diferente das outras mulheres, a garota apesar de jovem já tinha desisto de acreditar em um Deus, seus pedidos eram deferidos a outra entidade, aquele que ouvia tudo, e que se oferecesse a dose certa do que ele pedisse, seu desejo era realizado.

Não demorou até a voz começar a ecoar em sua cabeça, possuía um charme, “Desejas que isto acabe? Sabe que posso realizar seu pedido, além de acabar o homem irá sofrer o triplo que lhe fez sofrer até agora, nossa troca pode ser simples, você precisará arrancar o coração dele, e ainda fresco devorar cada pedaço, depois vá a floresta quando a lua estiver no seu ápice. Desejas que isto acabe? ”

Não foi muito difícil escolher, no seguinte instante em que pensou a resposta afirmativa, era no exato momento me que o homem tentava penetrar a garota com seu órgão, e em um minuto seus olhos olhavam para a garota com prazer, desejo, no minuto seguinte ele estava aterrorizado, sombras estavam saindo da garota e agarrando cada parte dele, e onde antes ele sentia prazer, agora o sentimento era de como se dentes tivessem brotado no órgão da garota e comiam cada parte do seu pênis. Era doloroso, mas algo o impedia de gritar.

Os olhos da jovem estavam negros, e o homem sentia medo, muito medo, seus sentidos estavam todos lhe abandonando e o vazio que restava era preenchido com a mais pura dose de medo, logo ele já estava caído no chão, enquanto a jovem usava suas próprias unhas para abrir um buraco em seu peito, ele queria morrer, não estava aguentando suportar a dor, mas algo também não o deixava morrer, em seus momentos ele implorava a Deus, mas sua voz não seria ouvida por este.

Seus olhos só conseguiam transmitir um sentimento aterrorizante, seu peito havia sido totalmente aberto, e o monstro que estava em sua frente agora arrancava seu coração, e ainda fresco era devorado pedaço por pedaço, e o homem sentia a dor de cada mordida percorrer por todo seu corpo, sua boca se abria para gritar, mas nada saía, nenhum som, e aquilo só acabou quando o coração foi totalmente devorado, naquele exato momento suas funções vitais pararam e foi permitido que este morresse, mas antes disto acontecer, ele proferiu a palavra que estava presa durante aquele tempo todo.

Bruxa. ”

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (2)
Postado 03/12/16 12:58

Simplesmente perfeito. Adorei cada palavra desta história. Um fato ficticio que daria mega certo em um livro. Parabéns.

Postado 11/01/19 20:13

Gente, que conto foi esse? Adorei!

Meus parabéns ♥