Juventude Perdida (Em Andamento)
Julih
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 08/01/17 01:30
Editado: 07/04/18 02:14
Qtd. de Capítulos: 31
Cap. Postado: 07/04/18 02:14
Avaliação: 9.72
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 141
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 356
[Texto Divulgado] "Por trás da porta" ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Juventude Perdida
Notas de Cabeçalho

Depois de longos tempos, cá retornei

Capítulo 31 Como porcelana

A garota pálida como a neve estava deitada na banheira da casa da Aria, com as pernas para cima e a cabeça quase que completamente submersa. Aria bateu na porta duas vezes e Sakky apenas resmungou, indicando que a morena poderia entrar. A garota de olhos verdes sentou-se no chão, próxima ao rosto de Sakky. Se a cabeça da loira estivesse em ordem, com certeza essa situação seria diferente.

– Como se sente? – Aria perguntou suavemente, ao passo que Sakky apenas lhe deu as costas. Não era por maldade, mas para que a garota pudesse ver seus ferimentos. Após conferir cada ferimento presente no corpo da loira, sorriu-lhe e estendeu uma toalha. – Acho que vai te fazer bem.

Sakky pegou a toalha com delicadeza, uma delicadeza que era estranha até para Aria, para então cobrir o corpo nu. Aria, vendo o comprimento do cabelo da outra garota, enrolou uma segunda toalha na cabeça, para que os fios molhados não encharcassem a casa. Por algum motivo, a morena se sentia vendo uma boneca de porcelana à sua frente: talvez a genética fosse culpada ou talvez fossem os ferimentos naquele corpo tão pequeno e delicado.

Os olhos azuis daquela garota tão quieta encaravam os olhos verdes desconfortavelmente, sem saber o que dizer, apenas estavam ali: observando. Sakky fitava o rosto de Aria intensamente, a ponto de poder até saber quando o coração daquela outra garota batia, entretanto… a outra ficava apreensiva, perdida em seus pensamentos e no que dizer.

– Sakky – Aria começou, enquanto que a loira apenas inclinou a cabeça. Por algum motivo, mesmo tendo chamado seu nome, a morena ficou sem saber o que dizer para a loira: talvez porque seu cabelo tenha passado na frente do rosto, quando se inclinou, e isso foi bonito. Ou, porque o pijama estava um pouco frouxo naquele corpo magro e delicado. As palavras não saiam, embora talvez nada estivesse em mente, desde o começo.

Palavras não foram mais necessárias, quando Sakky apenas se atirou ao colo de Aria, apertando-lhe a cintura com uma suavidade incrível. Palavras não eram necessárias, mas, mesmo assim, ainda havia um buraco no coração da garota loira.

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Julih

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero LGBT