Como tudo começou (Em Andamento)
Shizu
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 15/01/17 15:18
Editado: 09/05/18 19:57
Qtd. de Capítulos: 17
Cap. Postado: 15/01/17 15:18
Cap. Editado: 09/05/18 18:54
Avaliação: 7.1
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 5
Comentários: 3
Total de Visualizações: 587
Usuários que Visualizaram: 16
Palavras: 521
[Texto Divulgado] "O que surge do vazio... " Não existe ser humano que suporte o vazio dentro de si. Mas, o que acontece quando é uma Huldra que sente assim? Eis uma pergunta cuja resposta jamais deveria ser respondida...
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Como tudo começou
Notas de Cabeçalho

Os capítulos no íncio são curtos, visto que era para ser um rápidos e fácieis de ler... Mas tudo muda, HAHAAH.

Capítulo 1 Em um dia triste de chuva

Ao longo da existência humana diversas lendas contava "o começo de tudo", mas uma em especifico falava de um casal. Uma dama de negro e um cavaleiro de branco que amavam-se e, por isso, haviam fugido para o meio do nada em uma tentativa de recomeço.

Sem muitos devaneios começaram a construir juntos o que parecia um lugar seguro.

Iluminaram tudo o que conseguiram com bolas de fogo; brincaram de pintar manchas aonde desce vontade; fizeram guerra de planetas, os espalhando; e em algum momento dedicaram-se a um planeta pequeno.

Com suas mãos fizeram seres que eram para os dois: filhos. Os quatro primeiros eram gêmeos com funções muito importantes, em seguida ou nem tanto, deram aquele planeta uma fonte de luz para o dia e um refletor para a noite. Pensando muito mais além do presente, fizeram alguém que cuidaria dos demais planetas e continuar acender estrelas por tudo. Em fim, deram todas as suas forças para terminar o seu adorável planeta.

Foi quando tudo começou a desmoronar que separaram os sentimentos bons dos ruins... para nunca mais fazerem qualquer outra coisa juntos.

Decilhão de anos passaram para chegar em uma tarde de domingo chuvosa em que o céu chorava, como se algo muito terrível tivesse acontecido.

São tantos motivos esperando para serem criados; tantos significados para serem atribuídos; tantas escolhas para serem tomadas; tantos corações para serem quebrados, tantos humanos para serem corrompidos.

Em uma tarde de domingo, chuvosa e triste. Uma ponte determinada a atravessar um rio não muito largo, esperava ser terminada. Nesta, encontrava-se uma garota ajoelha, como se estive cansada de correr; de fugir; (ou talvez) de um "talvez". Cansada das possibilidades incertas, ela soluçava em pensamentos e chorava em cada batida.

Essa garota levou um susto quando uma voz que poderia ser um sussurro veio de trás.

– Você está bem...? – perguntou, preocupado, um rapaz de cabelos negros a serem cortados.

– Não gosto desta pergunta, faça outra – responde amargo a garota que ali se encontra ajoelhada.

– Porque não gosta da pergunta, que fiz antes? – retribui, intrigado, o jovem desconhecido e um tanto curioso.

– Ela é vazia, não vai fazer diferença a minha resposta – disse a moça levantado, ou seria melhor dizer "recompondo-se", de mais um momento de vagos pensamentos dolorosos.

– Mas para mim faz – disse, ele, de imediato olhando diretamente para o rosto choroso da menina.

Ela ficou mais assustada que quando escutou a primeira pergunta, assim respondeu sem pensar: – POR QUE...!!?? – questionando o garoto ao seu lado, que agora olhava a água do pobre rio, ao mesmo tempo que questiona a si própria.

– Se você me dizer que nada está bem, vou sentar ao seu lado em um lugar bem menos molhado e perigoso para ser o seu "porto seguro". Então, vou repetir a pergunta: você está bem? – disse sabendo a resposta desta menina frágil.

– Eu não estou bem... Nada bem... – jogou-se contra o peito do desconhecido, pedindo um abraço. Lágrimas caíram no chão sujo, molhado e curioso com o que ali nascia.

Contudo, o moço está sem reação com que está acontecendo, mas, ele sabe de todas as opções, só não sabe qual escolher.

❖❖❖
Apreciadores (5)
Comentários (3)
Postado 17/01/17 01:14

Que moço atencioso! Muito bacana isso.

E que a moça se recomponha, pelo amor de Deus!!

Postado 17/01/17 15:06

Tudo vai dar certo no final... assim espero.

Obrigado por ler.

Postado 29/01/17 04:14

Uau! Acabei de chegar e já estou amando, isso me deixou grudada! Muito bom! <3

Postado 30/01/17 13:30

Obrigada, espero que goste dos outros capítulos...E desculpa se não ficar com você espera, meu primeiro romance, haha. <3 Obrigado, novamente.

Postado 17/02/17 04:20

Ah, os dias (e principalmente as noites) de chuva forte... Aquele som e peso d'água caindo, deixando as roupas e, quiçá, a alma pesada...

A autora criou uma atmosfera de desalento logo de cara, para em seguida suavizar um pouco a cena com a chegada do prestativo rapaz. Eu gostei do modo como o diálogo foi conduzido, bem peculiar. Eu diria que até bondosamente.

Todavia... Como vejo sou doente e vejo/imagino o Mal em tudo, sigamos em frente para saber se estou fadado ao engano ou me surpreenderei (aposto na segunda alternativa!).

Sou averso a histórias de romance, mas...​ Por que não?

Existem alguns adendos que eu gostaria de fazer, mas deixarei para as MPs, tudo bem? No mais, parabéns pela empreitada e continue o bom trabalho!

Atenciosamente,

Um ser que fica na chuva, Diablair.

Postado 17/02/17 04:39

Certo.

Obrigado por ler, espero que goste da história que veio do nada para tentar ser algo...

Ansiosa e temo, os puxões de orelha por ter errado coisinhas bobas. ;--;

<3

Postado 17/02/17 05:07

Quem sou eu para puxar as orelhas de alguém (embora as suas pareçam-me bem adoráveis de se fazer isso)? Na verdade, apenas citarei algo/algumas coisas que a senhorita já sabe/viu que poderão lhe ser úteis para lapidar ainda mais esta preciosidade que é sua obra.

Tal qual fiz com a Srta Julihpata.

Mas, repito, somente o farei com a modesta intenção de ajudar e nada mais.