Areia Movediça
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 21/02/17 20:30
Editado: 21/02/17 20:32
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 7
Comentários: 4
Total de Visualizações: 667
Usuários que Visualizaram: 15
Palavras: 332
[Texto Divulgado] "a dança" sabe-se lá quanto vinho tomamos naquele quarto, de repente tu ligaste o rádio, colocou a musica lenta e pediu para que eu pegasse sua mão, e eu o fiz. dançamos desajeitados, rindo como tolos, nem sabíamos direito os passos, mas tudo bem, só nós estávamos lá, e estávamos felizes. era o que valia.
Não recomendado para menores de dez anos
Capítulo Único Areia Movediça

Da última vez que eu me vi, eu estava afundando. Mergulhada em tristes maravilhas, eu era parte das incontáveis cicatrizes no céu; e eu possuía vontades inquietantes de querer voar.

Eu sentia o amor, do tipo que te mata e te cicatriza, sem te dar tempo de respirar, já te acalentando novamente para voltar a te abocanhar.

Mas eu drenei a minha ruína, e evoquei memórias que perdi.

Sinta o meu cheiro, prove da pele daquela que ousou perder tudo que já possuiu.

Enquanto cada parede se desfazia em minha mão, eu pensava estar descansando na areia movediça, logo, me tornando apenas mais uma sombra entre as aparições. Eu era como uma áspera e desagradável saudação. Eu me tornei a paranóia com a qual eu aprendi a viver.

Vi a mim mesma pálida, sem cor, desgastada.

Molhada pelos dedos que me tiraram de dentro da água.

Águas enegrecidas de covardia.

Seus membros todos, arderam de vontade, para me salvar, mas eu soube, naquele minuto que eles apenas escorreriam para fora de minhas mãos, e eu afundaria, incessante, cálida, novamente sozinha.

Eu forcei minha cabeça, no fundo do oceano, aonde eu era a barulhenta, eu acovardava os peixes com minha mania de perseguição - nunca há nada para procurar e nenhuma descoberta que eu fizer, estará salva entre as finas camadas de mar.

Deixei com que os meus pecados, fizessem valer os meus pulmões, então, o frio enraizado começou a vazar de cada rachadura em meu rosto, e, já não podendo aguentar mais, usei de minhas mãos afiadas para fazer o calor deles, se apossar de mim.

Fui expulsa prontamente, dos quintos dos infernos, perto de lugar nenhum, me tornei as palavras que saltavam de minha boca, fluí como uma fonte, engoli cada sangramento, ajuntei cada pequena e grande força marítima, sou a onda mais gigante, eu ensurdeço o frio.

Eu vago cegamente,

Protegendo minhas histórias embaixo dos seios,

Mas infelizmente, eu não sei para onde estou me levando...

A G O R A.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Espero que gostem, obrigada por flutuarem até este porto, naveguem em paz.

Apreciadores (7)
Comentários (4)
Postado 21/02/17 22:14

Obrigada...

Postado 22/02/17 16:43

Eita kk

Postado 21/02/17 22:33

É... Como sempre, o tal Amor fodendo (com) tudo.

Oh hell...

Mas, o que pode um ignorante e inexperiente falar sobre isso? Nada.

Todavia, isso não me impede de apreciar (perdão pelo trocadilho; desta vez não foi intencional) sua obra. É um texto muito triste, sombrio e, ainda assim, rico e belo.

Sem falar na realidade de tantos e tantas nele retratada.

Meus sinceros parabéns... E sinto muito.

Atenciosamente,

Um ser no leito das Profundezas, Diablair.

Postado 22/02/17 01:27

Toda interpretação é válida e real, de acordo com o sentimento do leitor no momento, MAS, eu fiz isso sem pensar em amor, é como se eu me visse crescer de cima, sabe nesses sonhos que você se vê de outros ângulos? Então, eu começo com algo fofinho, bonitinho, sendo levada para um passeio e termino em algo violento, sem saber para aonde eu mesma estou me levando, amor é só mais uns pontinhos no placar, acontece, e pode não ser em sentido romântico. Enfim o que eu estou falando? Acho que estou tão narcisista agora, do que quando terminei esse texto. HAHAHAHA

Desculpe os desarranjos malucos aqui, nem sei o que eu estou falando, obrigada, muito mesmo, mais uma vez por cada palavra, pode ter certeza que cada comentário seu, é o que me ajuda e o que me renova para escrever. Fico muito feliz mesmo!

Postado 22/02/17 02:29

A senhorita pode não saber o que está falando, mas eu tenho certeza do que está fazendo comigo... Só digo isso...

Postado 22/02/17 14:03

Comassim? HAHAHA. Enfim, fico muitíssimo grata por todo o apoio ás minhas prosas!

Postado 22/02/17 20:07

A maneira com qual "viajamos", como quem em empatia e amor, enquanto discorremos numa admirável decadência que esvaia todo o panorama anteriormente conduzido, como numa linha tênue prestes a se partir, é simplesmente um movimento artístico com noções realistas e especialmente criativas. (Já assistiu Black Mirr**?).

Parabéns, amei!

Postado 23/02/17 13:23

Black Mirror? Amo, SOU! Hahaha, obrigada por todo o carinho!

Postado 05/03/17 19:21

Muito bem trabalhado, estou apaixonada por este texto <3

Postado 05/03/17 21:29

AHAHAH que honra! <3

Outras obras de 6 de Janeiro

Outras obras do gênero Fantasia

Outras obras do gênero Mistério

Outras obras do gênero Reflexivo