Intermúndio
SAIDA
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 25/02/17 16:51
Gênero(s): Crônica Drama Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 57seg a 1min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 311
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 152
[Texto Divulgado] " Apenas se jogue!" seja da altura de um pé, ou de um precipício para haver aventura tem que ter um inicio. tudo começa do momento em que tu se jogas.
Não recomendado para menores de doze anos
Notas de Cabeçalho

Espero agradar, Boa leitura!

Capítulo Único Intermúndio

Os riscos diários, efêmeros e afanosos me prezavam o incômodo da vida. De motivos sóbrios para seu desprezo. Meus arcos-celestes iam desde o branco ao negro de um colorido surreal. Marginalizado dentre os panoramas paradisíacos, meus desejos cativos descabiam o corpo sereno numa névoa densa e translúcida. É aqui que encontro companhia, que é tão somente a minha. Talvez a solidão me mataria, ou antes, presenteara-me com o abandono e seus afins mais solitários e súbitos. Não me é má ideia, ou me levará a um prejuízo imensurável e nefasto, apenas proverá delícias silenciosas e inqueridas. Mistérios como quem com pálpebras fechadas em pressão, vê o sol brilhar em toda a sua glória. Nesta condição fantástica ouço minhas vozes em suas profundidades, e com elas sigo iluminando a vida alucinada. Vida que a muito desconsidero e pouco estimo. Mas, se eu vier a morrer, estarei sorrindo... E talvez sozinho eu possa viver.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Espero que tenha gostado. Obrigado.

Apreciadores (3)
Comentários (2)
Postado 26/02/17 19:32

Lembrou-me demais uma pessoa a quem tanto estimo e, por não comprrender, acabo decepcionando vezes sem conta (ou, talvez, não mais...). Acredito que seu texto retrata fielmente as sensações/sentimentos/pensamentos (ou a falta/deformidade deles) não só dela, mas de certa forma os meus e o de tantos, tantos outros e outras...

Belíssimo! Bravíssimo!

Atenciosamente,

Um ser sem palavras, Diablair.

Postado 27/02/17 16:28

Creio de que qualquer realidade com que construímos, dentre os panoramas moldáveis, além da cultura real e consumável, reflete veemente às sensações de espírito, por vezes, da alma, sem compreensão de outrem necessariamente. O sentimentalismo me é a temperança da realidade difusa.

Muito obrigado!

Postado 27/02/17 17:35

Esse é o Felipe que eu conheço! Que texto esplendoroso! Achei aqui tantas palavras que eu sempre pensei que faltassem, é como uma sensação múltipla que me acaricia e me joga de cima de um morro, me identifiquei tanto com esses sentimentos e sensações descritas! Obrigada por isso, você é demais!

Postado 27/02/17 20:23

Muito Obrigado Sr.ta Capre! ^^