Embaralhada
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 28/02/17 20:49
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 4
Comentários: 2
Total de Visualizações: 467
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 383
[Texto Divulgado] "Tulipa do ex amor" A descoberta da falta de amor próprio após tropeços na vida amorosa
Não recomendado para menores de doze anos
Capítulo Único Embaralhada

Fui arrastada para perto do núcleo por um véu que me sugou ao se espalhar, deslizando pela praia - as sombras então, enegreceram a costa e vagaram rapidamente através das profundidades, chegando a pior escuridão, jamais vista pelo ser humano.

E eu ainda ousei respirar o pouco de ar restante em meus pulmões, enquanto o vento salgado me varreu para longe - para perto do caos - embaralhando meus ossos, fazendo-me ficar apenas apenas com retalhos velhos que eu decidi chamar de pele.

O sal do oceano temperou meus olhos e me lembrou de nomes e sentimentos que há muito morreram, presos ou afogados em meus dedos e garganta.

Pouco a pouco, fui afundada em minhas mais sinceras tristezas, caí de cabeça em uma parte rasa demais, que eu sempre pensei conhecer tão bem, porém, este nível de profundidade, foi apenas mais uma singela miragem.

E neste segundo, no qual me encontro, não sou capaz de sentir meus pés flutuando acima de minha cabeça; esqueci-me de como respirar, vou me encrustando magicamente a esta sensação distante e ao mesmo tempo querida, que aos poucos me afaga os lábios rachados, os retalhos enrugados, as veias estufadas, os olhos marinados e a mente enevoada.

Existe nome para isso...

Será que eu apenas o imagino...?

Não, de fato está presente, ao meu redor, tendo o controle sobre mim...

Que gosto é este? Que sela e permanecerá por fim, como a última das memórias fabricadas por algum ser pequeno dentro de mim; afinal, que gosto é este que adormece pálido em minha língua...?

Esta deve ser a sensação pela qual contei os segundos em ordem decrescente, desde que eu abrira os olhos pela primeira vez, esta deve ser a sensação pela qual eu ansiei e temi, durante todo o tempo que pensei ter controle sobre aquilo que leigos costumam chamar de vida.

Eu sou um volume vacilante que se dissolve na calmaria de um grande nada da cor azul-marinha.

Está quase chegando aquela hora pela qual sempre e quase que nunca esperamos... Ela me faz ser devastadoramente bela, e já foge de meus dedos, antes mesmo que eu desapareça.

Mas ela hesita, surpreendentemente, permanece, me ajuda a contar, agora, ao vivo, meus últimos grãos de areia da grande ampulheta, que pêndula, na ponta de uma colher, logo mais, se espatifa.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Aos seres embaralhados, com sensação de afogamento, minhas sinceras condolências, e, aos seres que nadam de linha em linha, em cada conto, em cada rima, também presto minhas condolências, pois sei eu que estamos todos sendo puxados em conjunto para o núcleo... E nem sequer nos damos conta disso.

Ah, e obrigada, também.

Apreciadores (4)
Comentários (2)
Postado 02/03/17 21:59

Meu grau de interpretação de texto/sentilentos é desprezível quando me deparo com algo desta magnitude... Só pude ter como base uma das histórias mais bizarras que li de Constantine na HQ honônima d Vertigo. Só posso dizer que senti-me oprimido, deprimido e, de alguma forma que me escapa, retratado nesta obra tão robusta e elevada.

A senhorita tem uma capacidade absurda de expressão, brincando e reinando nos textos como uma vespa perante uma colméia. Fustiga-nos o coração e a mente com suas obras e esta não me é exceção nem excessiva em sua primazia única.

Parabéns, Srta Janeiro. E perdão.

Atenciosamente,

Um ser de existência embaralhada até o nível do desperdício irrevogável, Diablair.

Postado 03/03/17 02:08

E eu me sinto absurdamente feliz, pois seus comentários equivalem a duzentos de pessoas que simplesmente rolam a tela pra baixo e falam "Muito bom".

Cada frase sua, é como um tiro que passa atravessado, me dando mais tons, mais notas, mais nuances, profundidades, desejos, palavras, contrastes, é uma inspiração mútua, eu é que te agradeço e te peço perdão por te deixar assim.

Seus embaralhos, me ajudam a embaralhar os meus. Obrigada!

Postado 02/05/17 23:59

Cara, extremamente expressivo!

Deixou eu, que está com a mente lerda pela falta de horas dormidas, ligadíssima no texto. Muito bom! <3

Postado 03/05/17 15:18

AAAAA tu é tão amor! Obrigada! <3

Postado 03/05/17 17:30

De nada <3