Anamnese
SAIDA
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 10/03/17 19:03
Editado: 11/03/17 21:17
Gênero(s): Crônica Drama
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 4
Comentários: 2
Total de Visualizações: 278
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 355
[Texto Divulgado] " Apenas se jogue!" seja da altura de um pé, ou de um precipício para haver aventura tem que ter um inicio. tudo começa do momento em que tu se jogas.
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

"Agradeço aos meus Avós pelas suas histórias e depoimentos. Não tive certas oportunidades sequer semelhantes ou de igual beleza." Com amor. F. Meonni.

Espero agradar. Uma boa leitura!

Capítulo Único Anamnese

Vultos memoriais incendeiam minha mente. Saudades...

Éramos crianças, como quaisquer outras. Brincávamos em infindos mundos limitados somente pelas divisórias avacalhadas e descoloridas de nossa bastilha. A engenhosidade imperava de modo que jamais atingíamos um ápice tangível. Pela alvorada, trovões rugiam com grande brado e clarões deparavam brechas irreparáveis. Como um mercador ambulante o vento assobiava nos minguados becos e ruelas, em uivos e abalroamentos, de obstáculos descuidados em carreiras, cortando aquele silêncio fúnebre e matinal. Um espetáculo celeste em amplo decoro surgia. Gostaríamos de nos banhar naqueles temporais comtempláveis. Porém sempre o cuidado maternal, senão único, nos impedia. Estranhamente, por ora houvesse tantas aflições e temores, também havia maravilha e deleito. Nesta hora, não havia no pouco nada inteiro. Despencava em lágrimas nosso humilde e sentimental telhado, servindo-lhe de lenços sóbrias panelas. E ainda, buscávamos suster expectativas de um dia ensolarado, otimistas. Nossa mãe-pai recorria aos seus orixás e por vezes até Deus.

Tua face me é às vezes um simples fulgor, âmbar e escarlate.

Éramos crianças, e não compreendíamos suas angústias. Tampouco o plangor de sua alma aflita. Resguardados abaixo das camas, sentíamo-nos ali seguros, num ritual hílare. Inalcançáveis arrelvávamos de quando em quando às asas de nossa guardiã. Os pisos gélidos por certos instantes de costume, tornavam-se confortáveis, e por ele sentíamos dormências em sua temperatura. Folgada próxima a uma das janelas, como menina, cuidava de ocultar suas lamúrias e por certo não desejava ser vista desse modo, ligeiramente, as expressões de sua fase sofriam uma espécie de conflito. Por vezes, buscando decifrá-los, embora fosse subitamente restrito à nossa compreensão. Acreditávamos de que era mais uma luta diurna, de mãe, também parte da batalha de muitas outras. Vulnerável, sua proteção se desmanchava às aguas, porém, logo, ressurgia de um modo assombroso e mágico. De um tom mogno pincelado aos raios do sol, sua pele aquecia-nos, em colo. Cantarolava músicas desconhecidas. Juntávamos vozes, histórias e forças. Riamos e sorriamos.

Me confortam as lembranças que ainda vivem em mim.

Erámos crianças e mal sabíamos a guerreira que tínhamos. A infância fora medíocre, mas o amor superava qualquer condição. E com ela tínhamos tudo. Erámos crianças...

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obrigado por ler! ^^

Apreciadores (4)
Comentários (2)
Postado 11/03/17 02:03

Isso foi lindo, como todo texto seu, mas talvez mais, pois eu amo tanto a minha mãe e também sinto isso sempre. Ela me poupou e continua me poupando de muitas coisas, ela luta sozinha, os filhos são das mães, por benção ou pesar. Obrigada por este texto, o carinho, as temperaturas, as mudanças de cenário... Tudo quentinho, tudo aqui bem perto. Parabéns mais uma vez, você nunca me decepciona com seus textos! <3

Postado 11/03/17 20:57

Muito obrigado Sr.ta 6 de Janeiro ^^

Postado 05/06/18 19:59

Senti cada palavra na alma. A leitura bastou para que um transbordamento me invadisse, pois a mulher de conflituosas expressões, me fez recordar da mulher que me cuida até hoje. Mesmo de longe, sei que ela olha por mim e me abraça nos dias tempestuosos.

Aos olhos de uma criança, o amor de mãe basta. Não é possível entender na pouca idade, os fatos que levam o sofrimento, mas é possível, de alguma maneira, amadurecer e admirar a força de nossas progenitoras. Cada uma é extraordinária a sua maneira e isso... ah! Isso sim é o que precisa ser poetizado.

Obrigada por essa obra maravilhosa. Guardarei-a em meu coração, pois ela aquece a alma.

Meus parabéns! <3

Postado 22/07/18 17:04

Obrigado Sr.ta Sabrina Ternura ^^