Oh, a escola.
Alien
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 10/06/17 22:41
Avaliação: 8.9
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 6
Comentários: 5
Total de Visualizações: 436
Usuários que Visualizaram: 10
Palavras: 315
[Texto Divulgado] "Escorpiana" Intensidade, esse é o seu nome. Aquela que sussurra, que grita e que demostra o quanto o amar é importante.
Não recomendado para menores de catorze anos
Notas de Cabeçalho

O ministério do pelo menos avisa adverte: não há nada de exótico aqui.

Capítulo Único Oh, a escola.

"Eu sou uma farsa que anda

Mas eu estou rindo de tudo."

- All Time Low

Cada letrinha é mentira. E cada sílaba. Cada palavra. Cada frase.

E cada porra de texto que eu já escrevi, todos foram uma mentira.

Na escola eu poderia ter sido como a garota americana clichê. Mas não, eu precisava ser uma desgraça para os estudos e não calar a boca diante de uma ofensa. E ganhar advertência por causa do posicionamento da minha classe, no sexto ano. Quem adverte um aluno por isso? Por ele posicionar a sua classe, de modo que possa enxergar o ultrapassado quadro negro sem estar sentado todo torto?

Já sei. A professora devia ser virginiana. E você sabe, a minha classe de ladinho devia estar poluindo sua visão neurótica.

Professoras peruas e autoritárias. Eu ainda assinei pouco aqueles caderninhos de capinha colorida.

E os meus colegas do ensino fundamental, senhor. Eu costumo vomitar por aí que eu tenho pavor de gente de classe média por causa deles. Tipo, na verdade eles nem eram de classe média e muito menos ricos. Aquela espécie de pobre soberbo e metido que ninguém gosta, sabe? Só eles mesmos se gostam.

Mas eu respeito muito todos eles. As professoras ruins me ensinaram que eu jamais devo ser como elas. E os meus colegas, que uma cabeça fechada nasce e morre com o mesmo corte de cabelo.

Tá bem, nem sempre. Mas deu pra sacar.

E acho que deu pra sacar que eu odiava a escola e tudo que envolvesse ela. E eu inclusive odiava língua portuguesa. Se disser que odeio até hoje, vai soar muito feio?

Ah, não importa. Apenas gosto de ler algo que conte alguma coisa e criar histórias. Eu já disse que geralmente nem gosto de escrever histórias também? Pois é, é chato.

Tudo é chato. E só resta rir do que é chato.

Rir de tudo.

❖❖❖
Notas de Rodapé
Apreciadores (6)
Comentários (5)
Postado 11/06/17 00:57

Oi, eu te amo. Me abraça. Ainda nem terminei essa desgraça, só queria ver tudo explodir, mas sou evamgélika.

Postado 16/06/17 11:55

Ashuashaushauhsu mas eu não! Tinha que ter explodido tudo mesmo :D

Obrigada por comentar!

Postado 11/09/17 22:55

Temos aqui uma das melhores notas de cabeçalho!

Sobre a escola, eu não vi por esse lado na minha época. Não que eu amasse tudo, mas eu posso dizer que não desgostava. (Menos matemática! Eu odeio esse treco até hoje! Por mim poderiam tacar fogo e espalhar as cinzas nas profundezes do inferno e fazer uma macumba, só para ter certeza de que nunca mais saísse de lá.)

Seu texto é ótimo!

#ad01 - 075/154

Postado 12/09/17 11:29

Kkkkkkkkkkkkkk

Pois é, eu gostaria de que tivesse sido um pouco melhor.

Após me aprofundar na Língua portuguesa eu comecei a gostar de matemática D:

Muito obrigada!

Postado 20/11/17 02:27

Ah, a escola... Tempos solitários, de certo modo. Mas, tanto as pessoas quanto os profesdores eram de outra estirpe. As gerações, o ensino, tudo era diferente desse caos degradante que se exibe vergonhosamente hoje em dia.

Sim, sou um ser antigo. Quiçá antiquado. Todavia, no meu tempo, filmes como "Mentes Perigosas" ou "Sociedade dos Poetas Mortos" não pareciam contos de fada de alguma mente insana, por exemplo. É, não posso nem irei reclamar da escola na minha época. Não seria justo ou mesmo vverdadeiro.

É uma obra imersa em uma certa tristeza, por assim dizer. E também uma poderosa crítica ao Sistema atual de "ensino" que só faz denegrir alunos e suas visões acerca dele.

Parabéns... E sinto muito.

Atenciosamente,

Um ser que também desgosta de muita coisa (especialmente a si mesmo), Diablair.

#ad01-095/188

Postado 20/11/17 07:48

Os alunos muitas vezes não leem os enunciados. Eles perguntam exatamente o que a PROFESSORA pensa para escrever.

Pra mim que fui rebeldinha, e até chocante.

Obrigado por comentar, Diablair!

Postado 21/11/17 19:17

Na escola, eu era aquela nerd mais reservada, que adorava conversar, mas não tinha coragem suficiente para chamar alguém para isso. E as pessoas me assustavam de uma maneira grandiosa, então eu me contentava com meus poucos amigos.

Eu tinha problemas em me relacionar, mas nunca com as matérias ou com os professores. Até mesmo em matemática ou física; ou com a minha professora de Literatura que era super ranzinza. Eu gostava mais de dialogar com os filósofos nas respostas dos enunciados de filosofia do que com outras pessoas. Eles estavam dispostos a aceitar minhas opiniões sem julgamentos.

Justamente por ser um pouco mais reservada, eu tive algumas brigas. Porque timidez não significa nada quando alguém te tira do sério. Eu sou muito explosiva. A menor faísca ao meu lado pode provocar uma explosão e eu não gosto de trazer desaforo pra casa. E na escola, eu era assim. Quem nunca arrumou briga na escola que atire a primeira pedra, rs.

Esse texto me trouxe muitas lembranças da escola, foi realmente nostalgico. Meus parabéns!

#ad01 - 84/98

Postado 25/11/17 14:43

Dependendo o local, se você se deixar abater, não sobrevive. Literalmente. Principalmente no fundamental.

Que bom! E muito obrigada! :D

Postado 08/06/18 22:18

Todos temos - ou ao menos eu costumava ter - um desejo secreto de viver uma vida colegial igualzinho aos filmes norte-americanos: ou ser a popular do colégio que todo mundo quer ser amigo, ou ser aquela nerd que ninguém notava e no final tem o seu tão amado final feliz (com direito a um amorzinho bem clichê com o popular, ou pelo menos ser disputada por umas 5 universidades).

Mas a realidade é bem diferente, né? É uma mistura de hormônios, de adolescentes irritantes e professores mal amados (aquelas piadas básicas de serem mal comidas). Chega a ser bem trágico de pensar, na maioria das vezes; Um verdadeiro campo de sobrevivência (se formos pensar no psicológico do ensino médio).

O interessante da sua crônica é que nos faz pensar em diversas coisas, reviver diversas lembranças e alimentar diversas opiniões. Uma diversidade em um único texto. Parabéns!

Postado 16/06/18 18:10

Hahahahaha bem verdade!

Que bom que assim como você disse, o texto causou certa nostalgia.

Obrigada! ^^