Cruz
Julih
Tipo: Lírico
Postado: 23/08/17 15:43
Editado: 03/03/18 01:26
Avaliação: 9.9
Tempo de Leitura: 43seg a 57seg
Apreciadores: 7
Comentários: 7
Total de Visualizações: 288
Usuários que Visualizaram: 9
Palavras: 115
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de doze anos
Capítulo Único Cruz

Eles falam

as correntes balançam

eles falaram mais

as correntes estão para se quebrar.

Não me pergunte como prendi um fantasma

mas eu havia conseguido.

Porém, não adianta agora,

já que estão revivendo-o.

(Parem de chamá-lo.

Não sussurrem

não digam nada

apenas se abstenham.)

O meu fantasma está liberto

as correntes atiradas

ele me assombra

se apoia em meus ombros.

Olho para a caixa ao meu lado

me parece tentador.

Olho para a rua movimentada

que vontade de atirar.

Meus joelhos querem se dobrar

não me obedecem mais

minha cabeça já não mantenho em pé

(não me julguem.)

Seus comentários machucam.

Sua discussão o liberta.

Suas falas me perturbam.

Estou louca enquanto sou

a culpada.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Ps: Ele está novamente acomodado.

Por isso, não o libertem.

Apreciadores (7)
Comentários (7)
Comentário Favorito
Postado 27/08/17 09:33

Essa foi uma leitura extremamente intensa, em que a cada linha fui sentindo as correntes que aprisionam meus fantasmas balançarem...

E isso foi assustador...

É incrível como nós nunca queremos os nossos demônios, nós queremos apenas que eles fiquem presos, sem pensar que, estando presos eles permanecem ao nosso lado...

Se talvez a gente levasse alguns demônios pro bar, pra sentar, conversar, e beber, quem sabe isso não nos faríamos esquecer? E só assim nos libertar permanentemente desses fantasmas...

Claro que, existem alguns fantasmas que nós simplesmente não queremos deixar ir embora... São fantasmas e demônios que acabaram se tornando parte de nós...

Parabéns pelo poema Srta. Julih!!! Ele é maravilhoso!! <3

Um abraço, Meiling!!

P.S for Diablair #ad01-16

Postado 27/08/17 13:38

Obrigada <3

Que comentário lindo <3

Postado 23/08/17 16:26

Ahh Mama! o meu está solto! vv-ergonhoso.

Lindo.

Postado 23/08/17 16:33

Muito obrigada.

Queres um abraço? eu abraço <3

Postado 23/08/17 19:18

Olha, foi meio inesperado ver a Julih Brisa escrever algo um pouco mais "sombrio", mas eu gostei muito disso.

Muitas vezes as correntes que prendem esse tipo de fantasmas são frágeis e gostam de se quebrar, só para tornar as coisas ainda mais difíceis e as tentações ainda mais tentadoras. Prendê-los novamente é um verdadeiro sacrifício, mas não é impossível.

Acho que eu deveria fazer silêncio agora. Não quero libertar nenhum "monstrinho" desses.

#ad01-003

Postado 24/08/17 14:59

POR QUE TODO MUNDO ACHA QUE SOU 100% FOFURA?

Mjuito obrigada <3

Postado 24/08/17 20:38

Er... Pq você é?

Postado 24/08/17 23:57

Tá, aceito

Postado 23/08/17 23:33 Editado 31/08/17 20:29

Srta Julih... Faço minhas as palavras da Srta Flávia: é uma grata, tremenda e até um tanto bizarra surpresa ver uma obra com temática/essência tão sombria advinda de suas talentosas mãos. Ficou um tanto pesado, o que para mim é excelente, além de possuir um lirismo soturno de charme (e impacto) inegável. Realmente está de parabéns, a senhorita se superou aqui.

Atenciosamente,

Um ser atormentado por fantasmas, demônios e monstros autocriados e autoimpostos, Diablair.

#ad013-184

Postado 24/08/17 14:59

Mas eu juro que o Sr já leu coisas mais profundas, vindo de minha pessoa!

Obrigada <3

Postado 24/08/17 16:08

Posso ter feito isso, sem dúvidas. Mas, textos sombrios de tua autoria são uma saborosa e bem rara novidade, convenhamos.

Postado 25/08/17 00:00

Então continuarei com essas surpresas hihihi

Postado 25/08/17 08:02

Olha que vou cobrar e viciar, hein! Apesar qie vício e Julih sempre rimaram desde que o mundo é mundo...

Postado 24/08/17 13:15

A reação de surpresa dos leitores quando estão lendo algo teu que não seja romântico só demonstra o quanto você se dá bem em quaisquer outros gêneros (apesar de que sempre teremos um em específico que amamos fixar). E isso é algo que admiro demais: sair da zona de conforto; tentar algo que até então não foi visto - ao menos não com frequência.

A melancolia é palpável durante toda a leitura, e concordo com o Manu sobre estar pesado, não no sentido de terror, mas contém uma carga emocional negativa visível. E o interessante é que a identificação é quase instantânea. Todos nós temos nossos fantasmas aprisionados no âmago da alma, principalmente os fantasmas da culpa.

Deixamos de ajudar alguém, criamos um fantasma; silenciamos algo terrível, outro fantasma; e assim consecutivamente. Todavia, é como nosso eu-lírico desabafa: sempre há quem os traz de volta, emergindo lá do fundo.

Há um ditado que nada fica escondido para sempre. E bem, acho que talvez essa seria uma das morais desse poema. E a maneira como você estipulou a corrente e seu significado nesse contexto é apaixonante.

Parabéns, babe ♡

#ad01-005

Postado 24/08/17 15:00

Gostei bastante desse ditado, sensacional.

Talvez seja hora de eu virar tudo do avesso (continua de algum modo, hihihihi)

Obrigada <3

Postado 25/08/17 08:05

Vire! Se possível com as próprias mãos nuas! Ou somente nua, fica a seu critério! Bagunce o coreto! Dance no caos e nas trevas! Viva la Hellvolution!

Postado 25/08/17 15:42

Esses comentários, sensacional, gente <3

Postado 11/12/17 23:07

Punição AD-001

Fantasmas, que não os tem?

Devo ter pelo menos uns trintas, esperando para predarem-me.

Gostei bastante do tema escolhido, visto que a sua abortagem trás uma simplisidade incrível e mesmo uma aparente falta de fatos, que premite o leitor sair de uma cena e entar em outra totalmente diferente, satisfaz bem o desejo de consumo por uma obra original.

Meus sinceros parabéns e o brigado por compartilhar sua obra.

<3

Postado 03/01/18 01:10

Que poema maravilhoso, mana. Arrasando como sempre. Parabéns ❤

Postado 09/02/18 10:42

Obrigada <3 sua linda

Outras obras de Julih

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo

Outras obras do gênero Suspense