Algo sobre a solidão
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 13/11/17 16:09
Editado: 25/11/17 01:38
Gênero(s): Drama Reflexivo
Tags: solidão
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 4
Comentários: 4
Total de Visualizações: 264
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 201
[Texto Divulgado] "Posso Morrer Amanhã " Uma breve reflexão sobre a vida, afinal, ao final seremos todos plaquinhas.
Não recomendado para menores de doze anos
Notas de Cabeçalho

It's your fault.

Capítulo Único Algo sobre a solidão

As milhares de mãos pesando em meus ombros, não me confortam como elas deveriam fazer, e a menina que me observa de dentro do espelho, torce o nariz cada vez que a encaro nos olhos (que antigamente costumavam ser meus). E eu fiz isso tantas vezes que já decorei cada tom, som e cor de tudo aquilo que sei chamar de dor.

Ando pelas ruas com meu guarda-chuva quebrado... Esperando ser sugada pelas poças, mas, elas apenas me mostram a parte menos corroída de mim.

Meus lábios sangram quando eu tento sorrir.

Eu lambo as feridas, aguardo a cura.

Minhas lágrimas escorrem assim que me deito.

[é apenas minha história rotineira, que ninguém jamais compreenderá].

Então, eu olho para minhas mãos e não dou falta das unhas que deveriam estar decorando os dedos já que, estas residem em meu estômago e no chão e nos lençóis... É como se fosse uma lembrança de que a ansiedade irá me beliscar por todos os lados, em qualquer lugar.

Olho para meu rosto amarrotado, meus sonhos adormecem em uma caixinha de fósforos queimada.

E Já que só me resta isso, talvez eu espalhe minhas cinzas, por cada calçada bonita que eu encontrar na cidade.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Não que faça sentido...

Culpe o pássaro negro.

Obrigada.

Apreciadores (4)
Comentários (4)
Postado 13/11/17 16:26

Me disseram uma vez que não precisa fazer sentido. É um fato. Eu até acho que nada no universo faz sentido, mas ainda assim existe. (Ok, isso não faz sentido algum).

O que eu estou tentando dizer é que existe sim um sentido, mas culpar o pássaro negro também seria bom... ou não. Eu nunca sei de fato o que está acontecendo mesmo. (Confusão é quase o meu segundo nome.)

Para não complicar mais, vou te parabenizar pela belíssima obra! *3*

#ad01 - 107/154

Postado 15/11/17 22:29

Tadinho do pássaro, ele que me dá tudo que eu tenho, realmente fui bem ingrata! HAHAHA

Muito obrigada <3

Postado 16/11/17 19:26

kkkkkk

Postado 17/11/17 23:58

Ora, ora, ora. Quanta tristeza num coração só. Isso chega a me derrubar. Não deveria ser assim, afinal.

Seu texto é encantador, embora triste, muito triste. Mas encanta por alguém se abrir e se abrir é fundamental para resolver qualquer coisa (só espero que ela realmente saiba o que está passando, para que possa ser ajudada adequadamente).

E é triste porque uma jovem alma se encontra tão solitária. Isso não é o certo. Um colo, uma responsabilidade, um empurrão certamente ajudarão a mudar esse cenário. Que a solidão se vá!

Prezada, para finalizar, queria chamar atenção para a pontuação do texto. Ela não está na forma adequada e isso acaba quebrando um pouco o clima que o texto propõe. Sugiro que revise esse ponto.

Parabéns pelo texto e pela capacidade de tocar as pessoas.

Postado 18/11/17 13:10

Nossa, obrigada por reparar! Fiz com um pouco de sono, nem reparei na pontuação. Obrigada pelo apoio sempre! <3

Postado 27/11/17 06:26

Ler esta obra ao som de Boulevard of Broken Dreams foi para acabar de (ex)terminar a noite e o dia vindouro...

Pudera eu ficar sozinho ao seu lado, Srta Janeiro. Pois parece que escreveste de mim, para mim e por mim esta obra tão cheia de pesar e arrependimento...

Mas, no fim, estamos sós e distantes demais em N aspectos.

Atenciosamente,

Um ser que sequer tem coragem de voltar a olhar nos próprios olhos, Diablair.

#ad01-140/188

Postado 28/11/17 14:30

Todos estamos tão perto e tão distantes ao mesmo tempo...

Um dia eu falava com um certo Menino Águia, sobre pessoas que se beijam sem se conhecerem.

Então eu disse que na verdade, ninguém conhece a outra pessoa verdadeiramente, ninguém está perto verdadeiramente.

Como num filme chamado "A Caixa", que um casal ganha um milhão de dólares para apertar um botão, fazendo um desconhecido morrer, mas aí eles entram em uma onda de "quem se conhece realmente?"

(AAAAA, TU NEM ESTAVA FALANDO DISSO, QQ EU TO FAZENDO?)

Desculpe pelo devaneio boboca.

Espero que um dia ambos possamos voltar a reconhecer nossos próprios olhos.

Obrigada por sempre dar uma passadinha por aqui. <3

Postado 25/02/18 10:47

Melancólico, mas muito bom, de fato. Ouso dizer que está excepcional.

Continua assim, linda <3

Postado 25/02/18 23:47

Obrigada amorzinha ❤