Serpente
Dissociado
Tipo: Lírico
Postado: 05/12/17 22:58
Editado: 05/12/17 23:03
Gênero(s): Poema
Tags: Dor
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 2
Comentários: 2
Total de Visualizações: 68
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 198
[Texto Divulgado] "Universo" "Ela é arte, é emoção A poesia em que estou imerso." É a razão pela qual escrevo
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

"I could never speak anyway

What you wanted to hear

I couldn't convey

We were just sinking too fast to save

The two of us

Whispering hope away"

Capítulo Único Serpente

Em um movimento sem ritmos

e sem razões

veio a serpente soberana,

sapientíssima,

hedionda em seu vermelho enegrecido de sofrer,

de olhos amarelos como a vivência,

de boca salivante

dos remédios que nem sempre se quer provar.

Em um movimento certo

e sem hesitações

veio o anjo da terra,

coberto em lama e sangue,

bebericando das poças que eu mesmo deixei,

silvando pelos caminhos nos quais eu mesmo rastejei,

trançando entre aquilo que rasgava sua superfície,

e me fazia sentir o que não queria,

dava-me aquilo de que precisava.

Enrolou-se em minhas pernas,

abraçando-me como as estrelas abraçam sua destruição;

subiu-me ao rosto,

rasgando-me as têmporas como se rasgam todas as lamúrias mais sinceras.

Senti o que era quente e o que era frio,

meu sangue e seu veneno,

minhas lágrimas e suas

lágrimas.

Testemunhei a serpente chorar

enquanto me devorava

amorosamente.

Já não haviam membros ou voltas,

pele ou escamas:

já não havia o que era eu,

não havia o que era ela.

Consumindo naquela que me consumia,

dominando e sendo dominado,

duas almas mais que mortas

fundidas

em menos que uma:

dois corpos corrompidos,

reanimados pela fome de si mesmos

e de sua própria vergonha.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (2)
Postado 06/12/17 00:27

...

Bem sabes o que vi, senti e lembrei com tuas palavras aqui narradas, Mestre/Irmão... Tenho plena convicção que sabes. Por isso mesmo que quaisquer comentários acerca disto seriam ecos desnecessários aos teus ouvidos... E ao teu coração.

Todavia, sou obrigado a dizer uma coisa apenas: este texto ficou dolorosamente belo. Tanto quanto... Tu o sabes.

Atenciosamente,

Um ser que observou em triste inutilidade parte do que houve, Diablair.

Postado 08/12/17 17:12

Este foi o meu primeiro contato com os textos aqui do site, e não há contato mais forte e potente. Seu texto roubou minha atenção quase que completamente. Foi o primeiro que li que aqui, mas não há de ser esquecido em minha memória. As palavras escolhidas, a estrutura... tudo foi muito forte, pesado e bem redigido. No fim, tudo se tornou belo, reflexivo e bem envolvente.

No mais, meus parabéns por escrever um texto tão interessante. Obrigado por me proporcionar um primeiro contato tão especial e maravilhoso.