Você diz que é pela minha saúde,
Nayara Cristine
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 10/12/17 08:27
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 595
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 500
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Você diz que é pela minha saúde,

A pressão de encontrar-se em meio a uma sociedade que te impõe como deve ser e como deve agir é sufocante. Eu entendo, no fundo entendo que todos desejam apenas se encontrar, apenas seres mais um, mas uma pessoa, mais um ser, comum.

Como desejamos ser comuns, desejamos que nos aceitem.

Isso é fato.

Um fato doloroso e comum que nem ao menos conseguimos ver a sujeira que ele traz.

Queremos e buscamos o tempo todo aceitação daqueles que nunca se importaram conosco de fato. Queremos ter aquele corpo malhado, queremos ter aquele cabelo bem alinhado, queremos ter aquele rosto perfeito, para então gritarmos “Hey, eu também sou como vocês”. E talvez o preço da aceitação possa ser comprado, sabe? Perdemos peso comprando remédios na internet que sabemos que nada adiantará para termos pessoas olhando em nós e dizendo que estamos bem.

Entramos em dietas absurdas, cortamos nossos carboidratos, cortamos aquilo que amamos comer apenas para não ouvir um “como você engordou” ou aquele famoso “é por que me importo com sua saúde que te falo que você precisa perder peso”. É uma imposição sem o menos sentido que levamos desde sempre.

Sabe, é um pouco complicado. Estar acima do peso, ou ser gordo não é apenas aquele velho clichê de que amamos comida – e podemos amar também, não há problema nisso. Mas isso vai além, vai muito além de comidas, carboidratos, temos tipos físicos distintos e tentamos forçá-los a um padrão. Muitas vezes nem sabemos, mas temos problemas de saúde de fato – e não é pela falta de dieta, mas por genética, meus caros.

Mas ninguém se importa.

Ninguém nunca vai se importar com aquele peso que ganhamos em meio a crise de ansiedade. Porém todos querem falar daquele peso que perdemos em meio a crise de depressão, “está saudável agora”, “nossa, você está bem melhor, parabéns”.

Escutamos parabéns quando nos enfiamos em dietas malucas ou quando estamos sufocados em nossos próprios medos e angústias, mas tudo que importa é o fato do nosso corpo estar magro, tudo que importa é que a dieta mirabolante da internet funcionou, tudo que importa é que o padrão da aceitação foi alcançado.

Pois é isso que realmente somos, porcos indo para o abate de línguas que insistem em nos julgar sem saber quem somos e nem mesmo para onde queremos ir, somos apenas pequenos robôs programados pela neurolinguística popular daquilo que devemos ser e pouco a pouco vamos perdendo nossa real essência e ganhando tudo que esperam de nós.

E esse tudo nunca será um quilinho ou dois na balança.

Este tudo é apenas a força de um mundo que não sabe aceitar-se como é e que não consegue ver as diferenças de uma pessoa para outra enquanto estamos perdendo nossas essências junto com nossos quilinhos a mais.

Pouco a pouco nos tornamos menos nós mesmos e mais finos e está tudo bem, pois é isso que esperam de nós, então, seguimos em frente, rumo a igualdade que apenas vai nos sufocar.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Postado 13/12/17 11:11

O padrão da sociedade vai ser sempre o certo. Aqueles que fugirem as regras impostas serão errados, estranhos, ridículos.

Existe tanta gente que pensa assim que a coisa só se torna ainda mais sufocante e difícil de conviver.

Eu já fui de pensar que estava indo pelo caminho errado só por escolher a estrada mais agradável e não a que disseram que era a melhor. Hoje em dia eu estou pouco me importando com o que acham do meu peso, da cor do meu cabelo, das cores na minha pele. Tenho mais o que me preocupar.

A vida já é difícil por si só para complicar ainda mais.

Gostei bastante do seu texto. É uma ótima crítica. Parabéns!

Postado 04/02/18 20:55

Fugir do senso comum é mais díficil do que pensamos. E por mais que há uma força dizendo em nossa mente "não ligue, só você sabe dos seus problemas. Apenas ignore" não conseguimos de fato ignorar. Na frente das pessoas podemos colocar uma máscara e dizer tudo bem mas entre quatro paredes a realidade é outra.

Pois tudo é manipulado para que um esteriótipo predomine, para que apenas um padrão de beleza seja aceitável, e quem não se enquadrar, é a vergonha, o desleixo, o descuido.

É triste, mas é a realidade. Especialmente quando falamos de peso. Há tantas circunstâncias envolvidas, mas ninguém quer saber, apenas querem o "primordial": o quanto você mede e quantos centímetros tem sua cintura. Não importa se você tem uma doença crônica, hereditária ou quaisquer outros problemas; não importa se você tem tiróide, por exemplo.

Nada importa, não quando você não faz parte desse padrão.

Ótimo texto, moça!

Postado 07/01/19 17:04

Que texto incrível! A critica por trás de suas palavras é tão palpável e real, que só me faz compreender ainda mais como nossa sociedade é suja e cega. A beleza de nós como seres humanos é justamente as nossas diferenças, singularidades e individualidades.

Ser quem somos apesar de tudo é o que há de mais bonito e quando tiverem noção disso, todos nós seremos felizes.

Meus parabéns, moça ♥

Outras obras de Nayara Cristine

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Reflexivo