Escândalo Russo na Tijuca
Sabrina Ternura
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 23/12/17 02:46
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 4
Comentários: 4
Total de Visualizações: 227
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 278
[Texto Divulgado] "Voltando para casa" Estou de volta, e isso é tudo. Sem meias palavras ou versos contidos, apenas eu.
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Escândalo Russo na Tijuca

Eu e meu irmão estamos sentados num banco próximo ao Parque Olímpico. Em silêncio, observamos o vai e vem de pessoas com camisetas do Brasil. De repente, no meio do aglomerado verde e amarelo, aproxima-se um estranho ser vestindo a camiseta da Rússia.

Troco olhares com o meu irmão e digo:

— Esse tem coragem! Olha lá, meu velho, olha bem! Aquele rapaz anda por aí desfilando com essa camiseta como se fosse Carnaval. Parece que não sabe do escândalo de doping russo!

Osmar me responde:

— O mundo é um lugar estranho, Jorge! Quem diria que a herdeira da União Soviética e uma das maiores potências olímpicas se envolveria em tamanha enrascada. Primeiro, eles tentam implementar um comunismo em grande escala lá em 1917. Agora, em pleno século 21, os danados querem ter vantagem nos esportes? Parece até drama de novela mexicana.

— Acho muito bem feito terem sido banidos dos jogos. Só acho que alguém deveria avisar esse guri que a reputação do país dele não vai muito bem por essas bandas.

— Não deve bater bem da cabeça este rapaz. Veja bem, não é culpa dele se a atmosfera de seu país fede a doping.

— Ora, não é bem assim. Não se julga um todo por alguns meios corrompidos. Fala assim dos outros países como se o teu fosse o mais puro, Osmar. Se a atmosfera de lá é de doping, não quero nem pensar na mistura poluída que deve ser a nossa.

Osmar calou-se, pois sabia que havia feito um julgamento errado. Simplesmente acompanhou com os olhos aquele rapaz russo que caminhava tranquilamente pela calçada da Barra da Tijuca sem ter conhecimento dos julgamentos que faziam-lhe pelas costas.

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (4)
Postado 23/12/17 18:20

Primeiro: russos são russos, não tente entender o que se passa com eles, rsrs

Segundo: coisa mais normal do mundo olhar os outros e esquecer de olhar pra si próprio... Isso vale para pessoas, grupos, "minorias" e, claro, países.

Belo texto.

Postado 28/12/17 20:32

Acho que vai demorar muito para melhoramos como seres humanos.

Obrigada, moço ❤

Postado 27/12/17 17:34

"Ah, quem se porta com o que vão achar!" Acho que deve ser basicamente isso que o russo pensou... Ou não. Vai entender esse povo.

"Você é horrível!" Falou aquele que esquece o reflexo do espelho.

Sério, pessoas são criaturas estranhas. #corre

Parabéns!

Postado 28/12/17 20:33

A principal questão é: o russo age como bem entende e se sente bem. Os outros dois representam apenas a essência do ser humano: olhamos para os outros e esquecemos de olhar para nós mesmo. Triste isso.

Obrigada, Flavinha ❤

Postado 07/01/18 11:59

Talvez um reflexo de si mesmo valha mais que palavras ofensivas jogadas ao vento. Aliás, com certeza isso é o bem mais precioso nos dias atuais.

Excelente texto!

Postado 09/01/18 00:46

Obrigada ❤

Postado 09/01/18 22:35

CRÍTICA SOCIAL FUDEROSA LACREI

Aaaaaa, amei esse conto, me lembra as crônicas do Carlos Drummond.

Parabéns!

Postado 10/01/18 14:56

Obrigada ❤

Outras obras de Sabrina Ternura

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica