Sem Medidas
Sabrina Ternura
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 11/01/18 02:25
Editado: 11/01/18 02:33
Avaliação: 9.35
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 6
Comentários: 5
Total de Visualizações: 296
Usuários que Visualizaram: 14
Palavras: 703
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Capítulo Único Sem Medidas

A palma da mão dele desfere um tapa violento em minhas nádegas. Elas estremecem e ardem como se estivessem queimando sobre a superfície do inferno.

— Você gosta disso, não é? - Ele sussurra em meu ouvido, encostando sua ereção contra a minha bunda. — Tem muito mais, meu amor, muito mais.

Marcos me deita na cama e começa a amarrar meus pulsos e tornozelos com lenços vermelhos que se destacam em minha pele branca. Meu corpo nu fica exposto completamente e ele começa a andar ao redor da cama sem tirar seus olhos de mim. No entanto, meu marido decide também vendar-me.

Naquele instante tive a mais pura certeza: ele era o caçador e eu, a caça prestes a ser devorada.

Ouço ele abrindo a gaveta e remexendo-a. Após isso, um silêncio toma o lugar. Nenhum movimento é feito. Ouço apenas o barulho dos carros na avenida que está a 207 apartamentos de distância. Juro que também ouço os passos de minha vizinha.

Ele quer me provocar, fazer-me implorar e... Sinto a língua de Marcos adentrar meu sexo e explorar cada centímetro dele. A região fica mais úmida, demonstrando o quanto deseja que ele vá até o fim. Contudo, Marcos para abruptamente e mergulha dentro de mim.

Ele geme meu nome incontáveis vezes, enquanto coloca seu membro dentro de minha vagina. Quero tocá-lo, mas estou de mãos atadas; o que torna tudo ainda mais intenso, pois, se não posso ter minhas mãos passeando pelo corpo de meu marido, quero que ele sinta toda essa minha necessidade sendo demonstrada pela volúpia que cresce no meio de minhas pernas.

Ele intensifica as estocadas e as diminui em seguida. Certamente estou sendo deliciosamente torturada por um homem que conheço tão bem o rosto, mas que sou incapaz de ver no momento. Como se meus pensamentos fossem escutados, Marcos bate com algo em meu seio esquerdo. Pela queimação extasiante que se alastrou pelo local, ele com certeza usou o chicote.

Sinto meus seios se enrijecerem mais a cada chicotada que eles recebem, o que deixa-me ainda mais excitada, fazendo com que Marcos aumente a velocidade das penetrações. Começo a gemer alto e Marcos diz:

— Sei que você gosta disso, Samantha. - Ouço o chicote batendo no chão. — Sei que o meu pau é o favorito da sua buceta.

Neste momento, os lenços que prendiam firmemente meus pulsos e tornozelos são retirados, e a venda que impossibilitava-me de ver é jogada para longe. Quando meus olhos se adaptam com a luz do local, a imagem de Marcos se estabiliza na minha frente e encontro em seu olhar faminto e desesperado, o mais puro e ardente desejo.

Antes que pudesse dizer algo, ele se levanta e puxa-me, me levando até a janela. Meu marido me coloca contra a vidraça da varanda de nosso apartamento e diz, enquanto provoca minha entrada com seu membro:

— Quero que todos vejam eu fudendo a mulher mais linda desse mundo. - Ele coloca novamente seu pênis em minha vagina e segura firmemente meus dois seios. — Vamos, querida, diga para todos que estou fazendo você delirar.

Isso foi o suficiente para me fazer enlouquecer. Impulsivamente começo a rebolar sobre o pau de Marcos, que entra mais profundamente dentro de minha buceta. Ele urra palavrões e sinto seu pênis pulsando dentro de minha vagina.

Meus gemidos transformam-se em clamores necessitados e as estocadas de Marcos ficam ainda mais violentas, levando-nos assim, ao mais puro e carnal êxtase.

Recosto-me ainda mais no vidro, fazendo com que ele fique embaçado pelo meu respirar ofegante. Marcos apoia-se com as duas mãos acima de minha cabeça, arfando incontrolavelmente .

— Acho que vou ficar dolorida. - Digo rindo, enquanto tiro seu membro de dentro de mim e sento no chão.

— Você acha? Então a missão foi concluída com sucesso. - Ele passa os braços ao meu redor e coloca no rosto um sorriso maroto. — Será que você aguenta um segundo round?

— NÃO! - A voz desesperada de minha vizinha, Cida, ultrapassa a parede. — PELO AMOR DE DEUS, NÃO!

Ouço Marcos abafar uma risada. Viro-me em sua direção e, como se meu olhar fosse sua deixa, ele solta uma gargalhada alta e eu o acompanho.

Mais um dia se passou e nós incomodamos os vizinhos com nosso sexo sem medidas.

❖❖❖
Apreciadores (6)
Comentários (5)
Postado 12/01/18 00:29

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA OBRIGADA POR ISTO, há tempos não leio nada deste tipo, e durante meus 15-16 anos eu era apaixonada por essas coisas. Na verdade... hm, hm, não deixa pra lá. Shhhhh. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Postado 13/01/18 00:40

Só posso/irei dizer cinco palavrinhas que resumem bem o que senti ao (re)ler esta obra instigante e inspiradora: deliciosas lembranças e reações corporais...

Srta Sabrina, que texto magnífico e gostoso (bota gostoso nisso!) de ler! SATAN! Em nome de Lúcifer eu te agradeço e parabenizo por esta afrodisíaca inserção nos anais da Academia!

Bravo! Bravíssimo!

Atenciosamente,

Um ser que aprecia situações e interações sem medida, Diablair.

Postado 15/01/18 12:43

Meu Deus KKKKKKKKKKKK

Me alegra saber que você gostou. Obrigada, Manu ❤

Postado 16/01/18 20:44

M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!

Quem nunca transou de modo a incomodar os vizinhos (e nem falo dos de apartamento, mas de casa mesmo, do barulho atravessar o quintal) não sabe como é bom!

Parabéns e nos brinde com mais disso, por favor!

Postado 17/01/18 02:07

Logo mais essa obras vão encher o saco de vocês ein.

Obrigada por ler e por gostar ❤

Postado 25/01/18 20:53

Brina T.........................

Gente, que isso? Eu tô rindo. Que sinistro.

Parabéns!

Postado 26/01/18 00:05

Obrigada kk

Postado 26/05/18 13:31

Conto erótico >>>>>>>>>>>>>>> all

MINHA NOSSA NOSSA NOSSA

COMO EU AMO ISSO HAHAHAHA

PARABÉNS

Estou chocaderrr. E inspirada hehehe

Postado 28/05/18 16:07

Obrigada KKKKKKK