O sol nasce, aonde quer nascer.
Scheffer
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 11/02/18 10:04
Editado: 13/02/18 16:04
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 37
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 394
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Capítulo Único O sol nasce, aonde quer nascer.

Mostro-lhe a tese da persuasão, pelo transpor do nascer do sol e de tantas outras questões...

Acreditar que ele nasce aonde deseja nascer é uma característica do humano que compreende a magia do imaginário, é um tanto quanto insano atribuir a tudo, essas “indefinições”, mas traz alento e estro para viver no território das mais férteis inquietações.

E quem me prova que ele não tenha sentimento? (o sol)

E quem me prova que não exista razão?

Que não pense sem a capacidade de expressão?

Quem me prova que a natureza, nada sente?

Posso, muito bem pensar que sente, mas prefere o silêncio.

Sofre em pranto, ao tormento, mas não busca na forma de expressão, seu alento.

Modelo de muitos de nós, humanos, que gozamos do poder de falar e optamos por calar.

O SOL NASCE AONDE QUER!

Nasce no mesmo local todo dia!

Nasce porque acha que onde nasce, tem mais valia,

Nasce lá pois acredita que é lá que mais irradia!

E que saltitem as explicações da ciência: dizer-lhe do entorno gravitacional, das forças cósmicas, luz, partículas, átomos, íons e até o poderio dos quarks. Pois eu, descaradamente, digo:

Prefiro a minha explicação, uma vez que melhor me faz o encanto da total incerteza, do que uma dose ilusionaria de uma correta, incerta, realidade, que talvez, não me identifique.

Portanto, o sol nasce aonde quer nascer, aonde sente que deva nascer.

... Não se mexeu ainda porque não quis, provando como é forte o poder do querer!

Penso que nós, meros humanos, não possuímos a capacidade suficiente para provar, sendo que minha visão de “provar” está relacionada, não a comprovação através de provas em um contexto lógico-humano, mas sim, de que estes fatores são mutáveis e errôneos, quando relacionados ao universo e tantas outras perspectivas. O humano é capacitado a enxergar a sua prova, mas isso não quer dizer que essa seja a prova correta, se é que me fiz compreensível e se é que exista prova correta. O que podemos, e o que fizemos, é acreditar que estejamos certos e persuadir que estejamos. Mas aviso, friso que nossas certezas são transitórias, errôneas e verossímeis.

Último recado: Atiçamos nossa imaginação, brincamos com as incertezas, pois o prazer da vida também não é prova de felicidade e nem tudo o que parece, pode ser verdade!

"A imaginação é mais importante que o conhecimento."

(Albert Einstein)

❖❖❖
Notas de Rodapé

Algumas notas válidas:

O texto é apenas uma forma de brincar em pensar diferente, em provar que isso é possível, pois pouco sabemos da vastidão que nos entorna.

De modo algum, desprezo a ciência e suas, nossas, descobertas. Acho de tamanha valia e incluse importância para a nossa forma, humana, de ver, pensar e concluir. Aos menos para mim, é a ciência que me traz muito sentido para vida humana.

A questão que deve ficar é: o que é realmente verdade?

Abraços de domingo!

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 11/02/18 14:23

A reflexão da obra é deveras intensa e verdadeira. Gostei muito da forma que você desenvolveu o tema. Parabéns ❤

Outras obras de Scheffer

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Fantasia

Outras obras do gênero Reflexivo