Cinzas do dia
Calígula
Tipo: Lírico
Postado: 08/06/18 10:00
Editado: 08/06/18 10:31
Gênero(s): Poema Reflexivo
Avaliação: 9.53
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 4
Comentários: 3
Total de Visualizações: 257
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 199
[Texto Divulgado] "Posso Morrer Amanhã " Uma breve reflexão sobre a vida, afinal, ao final seremos todos plaquinhas.
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Girando e contorcendo, a serpente ainda sonha.

https://www.youtube.com/watch?v=hji4gBuOvIQ

"I saw that day

Lost my mind"

Capítulo Único Cinzas do dia

Eu vi impotente enquanto cada fragmento deste mundo desmoronava,

um reino lamacento de enganos meus, alheios, próprios ou impróprios,

império feito em espuma vermicida, corrompendo-me e diluindo o que mais fosse,

indiferentemente batido, indiferentemente arruinado: contorcido em si até o próprio aborto.

Eram cristais enegrecidos que refletiam um sol morto; restos empilhados, cadáveres,

partículas de coisa nenhuma a brilharem com minha desgraça, meu além,

expandirem a dor daquilo que era, daquilo que fazia,

daquilo que horas após horas dependia de mim para ser arruinado:

meu trono no topo da colina de imundícies,

minha coroa feita em espinhos de ferrugem e osso,

meu domínio de cicios resignados, confianças abandonadas,

cada companheiro traído, morto, agarrado a meus pés de barro…

Não lembro se estava de corpo inteiro atolado na areia incolor, imóvel,

ou se decaído ao lado de tudo o mais que ainda podia lamentar;

apenas sei que vi minhas vergonhas e meus suplícios,

meus demônios amados, carrascos adorados…

sei que observei enquanto o dia transmutava em cinzas,

e as cinzas queimavam de tão gélidas, tão desintegradas:

sei que o pouco que possuía, meu lar de podridão, julgou-me indigno,

sei que permaneci onde agora já nada restava,

e aqui ainda estou.

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (3)
Postado 08/06/18 14:45

É simplesmente incrível desfrutar do quão versátil é a sua escrita dentro de um único poema. A rica descrição dos sentimentos que escorrem como sangue ao decorrer da obra é, de fato, uma façanha tão profunda, que toda a áurea negativa do sentimentalismo brilha e, ao mesmo tempo, se destrói.

Meus parabéns ♥

Postado 08/06/18 20:53

Ler estas linhas tendo em mente o clipe pelo senhor indicado e a consciência de minha própria jornada foi algo que me encheu de lembranças repletas de tristeza, culpa e remorso... Foi uma experiência tétrica, porém necessária e totalmente válida, a qual lhe agradeço e lhe parabenizo, Mestre/Irmão...

Esta obra me lembrou a Deusa também...

Parabéns e muito obrigado por mais este golpe nos resquícios de minha alma.

Atenciosamente,

Um ser responsável pela própria queda e a destruição tantas, tantas coisas realmente importantes para si e para outrem... Diablair.

Postado 03/07/18 23:07

Estou focada pela maravilha de ser apunhalada no escuro por esta obra TÃO grandiosa, que grita dentro do meu ouvido, e ao mesmo tempo, é um sussurro que apenas eu ouço.

Eu não tenho palavras pra dizer a imensidão de coisas grandiosas que gostaria de saber expressar sobre estes teus escritos, mas, te deixarei alguns nomes de músicas de uma única banda/artista. Me remeteram diretamente à sua obra, como se tudo se encaixasse, um evento paranormal e uma inspiração dolorosamente linda de ser escrita.

Se possível, ouça "blue blue"; "the last dancer" e "Y" da iamamiwhoami, e "the dunes of sand" da ionnalee

Esta obra mixada com essas músicas, faz minha alma urrar. Parabéns! Você é sempre muito FODA PRA UM SENHOR CARAMBOLÃO.

Postado 05/07/18 23:17

Eu ouvirei tudo com muito carinho.

Obrigado.