A luz interior (Em Andamento)
Lourenco
Usuários Acompanhando
Tipo: Antologia Poética
Postado: 26/08/18 18:40
Editado: 30/06/19 19:03
Gênero(s): Reflexivo
Qtd. de Capítulos: 1
Cap. Postado: 26/08/18 18:40
Cap. Editado: 30/06/19 19:03
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 155
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 338
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
A luz interior
Notas de Cabeçalho

Um momento para jamais esquecer

Capítulo Unico A luz interior

Luz interior

Em um momento sombrio a vida perde o sentindo,

Tudo se esvai como poeira ao vento,

Respeito próprio, força pra lutar, razão de viver,

No rosto das pessoas a mesma expressão negativa, acusadora:

“Não, não tenho nada com isso, culpado!”...

Cego, odiando o mundo, condenando a todos...

Na cozinha, escolhida a melhor ferramenta cortante...

Consciente em direção ao banheiro, peito nu aberto...

Ponto crucial marcado, mãos firmes no alto...

No espelho rosto fletido pela ultima vez...

Por instantes mãos no alto na certeza do que irá fazer,

Sorriso irônico interrompido pela voz interior a questionar...

“Tem certeza, é mesmo o fim, sem uma razão para continuar?”

“É o melhor caminho, o único e o ultimo caminho a seguir?”

Mãos abaixadas, ferramenta sobre a pia, rosto molhado...

No espelho reflexo turvo, confuso a replicar,

Talvez seja mais fácil ser fraco colocando ponto final...

Por segundos, lembranças dos rostos conhecidos, queridos, amados,

Ontem voz ferida nas lágrimas de sangue vomitara por segundos...

Tudo que mais deveria ser dito e que não queria ser ouvido...

O som doce da voz como se implorasse exigia atenção,

Pavor das duras e frias palavras na nua e crua verdade...

No espelho, encruzilhada espelhava dois caminhos...

Ponto final, seguir em frente com as chagas dilaceradas...

No abrir da porta, cabeça erguida, sorriso desanimado...

Consciente, firme ordenando os pés seguirem em frente...

No peito alivio do sangue estancar cicatrizando as chagas,

No espelho o dedo apontado acusador exigindo,

A se reencontrar admitindo de que era culpado...

Culpado por ter feito e doado o seu melhor a todos...

Culpado por ter amado com todas as forças...

Culpado por sonhar que os sonhos seriam eternos...

Só que não, culpado por não se olhar no espelho,

Culpado por não ter forças para dar a volta por cima,

Culpado por culpar a todos buscando remissão,

Culpado por não perceber as lágrimas nos olhos das pessoas,

Culpado por não entender as mãos a implorar para que as segurasses,

Culpado por ser inocente...

Quando tudo dependia ouvir a si mesmo.

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 06/01/19 22:37

Que poema intenso. Várias emoções me tomaram durante a leitura, mas o final deixou meu coração extremamente feliz, pois há sim, muitos motivos para continuar.

Meus parabéns ♥