O nome do homem
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 28/09/18 05:04
Editado: 28/09/18 05:11
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 4
Comentários: 0
Total de Visualizações: 189
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 290
[Texto Divulgado] "Lá Vem a Cobra, Lá Foi o Pandeiro" O personagem encontra-se no meio do mato em situação desfavorável após cair em um rio e perder seus equipamentos eletrônicos e seu pandeiro.
Não recomendado para menores de doze anos
Notas de Cabeçalho

Me inspirei para este ouvindo "Infections Of A Different Kind" da Aurora, o novo álbum dela está aterrorizante de bom. Sinto que me inspirarei para muitas novas criações.

Capítulo Único O nome do homem

Olhos verdes e insípidos,

sacrificaram - se novamente,

eles gritaram e pulsaram desejando que a vida lhes fosse expelida através das veias.

Eles mesmos carregam

as escuridões que os acorrentam, e guiam tristemente o punhado de carne e ossos que os mantém firmes na cabeça...

O que acontecera desde a última vez que o sol os beijara?

Foram eles tocados por ventos mediterrâneos que lhes varreram a felicidade?

Aonde ela está?

Pés brancos de porcelana pincelam as pedras à procura de qualquer tipo de micro-universo macio:

Há sol, os muros de pedra sussurram

Os mares acinzentados cantam

A grama acaricia a pele

O punhado de carne com olhos de esmeralda percebe-se entorpecido

Pelo aroma da possível vida que nem sabe-se que talvez viva

Tudo é macio

Tudo é confortável

Amedrontador

Apavorante

É então suave,

A quase que desistência da existência humana

É então, precoce a alegria de ansear conhecer o que há além da morte...

Os insípidos olhos agora não tão brilhantes, mas calados, apreciam a visão do eterno vácuo...

Bilhares de pedaços de si mesmos, habitando um lar moribundo de areia esvoaçante

O que é o nome do homem?

O que de encantador há em privar um espírito do deleite de não encarnar?

E então, tudo é pedra e montanha

E árvores crescendo

E pássaros caindo

E montes se erguendo e enclinando, saboreando a grandeza de serem relevantes.

Então, olhos, que guiam o universo interno

Me contem meus próprios segredos

Eu não quero chorar à noite

Detesto cansar-me sempre

Olhos, olhos que eu não vejo

O que é o nome do homem?

Qual o significado de desejo?

Tudo é sólido,

Tudo é pálido

Tudo é condicional,

Tudo é o que é:

Amedrontador

Apavorante

Confortável

Macio

É, então suave...

Eternamente finito.

❖❖❖
Notas de Rodapé

É sério, esse álbum da Aurora está transcendente! Ouçam.

Obrigada por lerem meu limbo.

Apreciadores (4)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de 6 de Janeiro

Outras obras do gênero Aventura

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Erótico ou Adulto